{OGO} Capitulo 3

Fanfic / Fanfiction O Garoto Ômega - Capítulo 4 - Capitulo III

Observando das máquinas e interpretando os números e símbolos soltava um suspiro baixo. Desviou o olhar para a capsula sorrindo triste em ver aquele corpo desnudo e gélido permanecer inconsciente. Tocou os dedos no vidro e poderia imaginar sentir aquela pele macia sobre seus digitos, porém a saudade era tanta que poderia imaginar seus olhos se abrindo e um sorriso doce e gentil despontar em seus lábios. Poderia imaginar o abraço que daria quando o tirasse dali.

Estava indo tudo bem nos últimos anos, no inicio até houve um progresso quanto á regredir as células do corpo daquele jovem, entretanto o seu estado estabilizara e permanecia daquele jeito por semanas. Todos estavam saudosos do garoto, e queriam, o quanto, antes que ele voltasse para que suas vidas pudessem deixar de serem preocupantes e monótonas.

Soltando outro suspiro cansado olhou a prancheta em suas mãos e analisava novamente os gráficos impressos naquela manhã. Sentou-se na cadeira de couro preta e passava os dedos rapidamente no teclado de seu notebook. Lia e relia livros, olhava para os demais monitores e assim começava o seu dia.

❄ ❄

Jong In se virava na cama sem sentir sono, já havia passado o horário do toque de recolher e talvez estivesse tarde, mesmo assim não sentia sono e muito menos cansaço. Olhou em volta do quarto escuro e viu seu colega de quarto e amigo adormecido em um sono profundo, soltou um suspiro baixo se sentando na cama puxando as cobertas sobre os ombros ao sentir um pouco do frio da madrugada.

Havia passado o dia como os demais, porém não se sentia bem a ausência de seu colega de classe que mais uma vez sumira sem deixar nenhum aviso. Teria percebido que Sehun se afastou de si desde a chegada do garoto ômega, e até acreditou no sumiço do amigo por causa dele, porém ao vê-lo sozinho no refeitório da universidade suas suspeitas caíram por terra.

Não que se importasse onde ele estivesse, a única coisa que lhe chamava atenção era o garoto novo. Jong In admitia que estava aliviado que suas suspeitas estivessem sido falhas.

Levantou-se da cama quando se sentiu entediado no quarto, vestindo uma blusa de moletom e colocando de seu boné saiu do quarto silenciosamente para vagar nos corredores. O difícil era aquilo, manter o silêncio quando na verdade queria gritar e expressas sua euforia, O dormitório por inteiro estava taciturno, apenas o loiro caminhava sem sono por ali. Olhou o celular que vendo que se quer eram duas da manhã, soltando de um suspiro baixo passou pelas portas saindo do dormitório.

Caminhava pela pequena estrada pensando que o cansaço poderia chegar á qualquer momento e lhe obrigar a voltar para sua cama, tentava pensar em alguma coisa aleatória, mas tudo o que vinha em sua mente era a aposta feita com os amigos. Não tinha se aproximado ainda do novo aluno, e se quer sabia de seu nome. Antes de Sehun se ausentar, tentou lhe pedir informações sobre o garoto tendo um silêncio grandioso como resposta. Coçou a nuca e afastou tais pensamentos, como havia feito durante toda a semana que se seguiu.

Aproximando-se do portão viu algo se mover sobre os muros, espreitou os olhos como se aquilo o fizesse enxergar melhor e então reconheceu aquela silhueta. Havia observado tanto ele caminhar diante de si que decorou de suas curvas dos ombros e pernas, o que lhe causava interesse era saber a textura daquele corpo. Colocando as mãos no bolso do moletom direcionou ao garoto que agora se aproximava do portão.

Parou de caminhar em ver que alguém estava no lado de fora e lhe direcionou o olhar. Outro alfa não como si mesmo, na verdade ele era o alfa do tipo comum. O mesmo lhe sorrira levemente antes de voltar a olhar para o garoto menor, que acenava sem perceber que era vigiado. Jong In aproximou-se do menor que se assustou em vê-lo ali, não deixou de sorrir com a oportunidade que lhe era entregue, porém seu sorriso transbordava uma malicia, observada pelo menor.

- Hum... Isso é interessante – Comentou olhando o menor de cima á baixo, ele usava as mesmas roupas que havia notado no almoço, provavelmente ocupado com algo á tarde. Observou sua fisionomia assustada e então percebeu que ele sabia sobre as regras do horário de recolher.

- E-Eu posso explicar – Kyung Soo sussurrava com a voz trêmula, Jong In a ouvira pela primeira vez e aquilo afastou ainda mais o sono que tanto procurava. – N-Na verdade....

- Não se preocupe, não quero saber – Mantendo de sua voz firme e grossa, queria lhe seduzir o mais rápido possível. – Mas se ficarmos parados aqui seremos pegos.

O menor olhou para a câmera que se movia de um lado ao outro, ainda escondido entre as árvores voltou á observar o garoto loiro á sua frente com um sorriso sádico no rosto. Engolindo em seco começou a caminhar até si, tentando manter o controle sobre seu nervosismo.

- Se cortarmos o caminho por dentro da mata não seremos pegos.

Jong In esperava por uma resposta e tudo o que obteve fora um assentimento, suspirando baixo retornou a caminhar pelas árvores sendo seguido pelo menor, se sentiu estranho em estar acompanhado daquele ser, que mesmo ouvindo sua voz grossa e sedutora não demonstrou nenhum interesse. Não que sua voz fosse da mais grossa que se amigo Chanyeol, mas era boa o suficiente para poder ganhar uma companhia quando queria, as ômegas simplesmente adoravam sua voz. Talvez fosse essa a diferença do sexo, o fato de agora querer seduzir um homem lhe fizesse pensar em outros modos de chamar atenção, teria que esperar seu cio para que ele sentisse de seu cheiro? Não era necessário isso, seu aroma era predominante em qualquer lugar que passasse.

Olhou de soslaio para o menor que olhava para em volta das árvores, entre as folhas grandes a iluminação dos postes era parca ali o que deveria redobrar a atenção dos dois jovens.

- Você vai contar?

A voz do garoto era novamente baixa, Jong In imaginava que aquele garoto parecia ser mais velho, mas poderia ter uma mente infantil. Porém como havia pensado antes agora estaria em vantagem, e poderia usá-la para se aproximar dele. Talvez o chantagear sobre ter o pego pulando o muro, ou então fazer dele seu escravo por uns dias... Mas aquilo não parecia tão tentador quanto poderia imaginar. Pigarreou e olhou novamente para o garoto que lhe olhava curioso.

- Não vou contar nada, mas fica me devendo um favor.

Caminharam silenciosamente, porém suas mentes estavam conturbadas. Jong In finalmente poderia se aproximar do garoto e garantir sua aposta, assim como descobrir o motivo do segredo de seu melhor amigo silencioso. Para Kyung Soo aquilo tudo era uma situação constrangedora que poderia manchar a sua bolsa de estudos naquela universidade, e até mesmo estragar a chance de conhecer sobre as pessoas em sua volta. Recordando-se disso olhou para o rapaz alto, aproximou-se de si sutilmente e puxou o ar em sua volta sentindo um aroma levemente alegre, não tanto quando o de Luhan que era suave, cítrico e descontraído que o lembravam de frutas como bergamota, pitanga e pomelo rosa. Na verdade o de Jong In trazia a sensação das frutas, talvez o local onde passassem pudesse trazer essa sensação.

Mas aquele aroma lhe dizia alguma coisa, como se os cheiros das frutas como cassis e ameixa lhe trouxesse a sensação da coragem. Seria Jong In um rapaz corajoso? E o que aquele aroma diria á seu respeito? Logo lembrou-se de Luhan comentando no primeiro dia de aula, aquele grupo de garotos populares eram alfas. Porém o cheiro de Sehun era diferente do de Jong In, e os dois seriam alfas. Era muita coisa a ser compreendida.

Assim que chegaram ao corredor dos dormitórios Kyung Soo parou diante de sua porta do quarto, olhou para o relógio e suspirou aliviado em ter algumas horas para poder descansar até as aulas. Jong In o olhava pensativo, mas apenas deu de ombros e seguiu o caminho pelo corredor se não fosse por algo segurar a sua blusa. Desviou o olhar por cima do ombro encontrando aquela fisionomia inédita, os olhos do garoto estavam levemente arregalados e com um brilho peculiar, seus lábios entreaberto e umedecidos pela língua fazia sua consciência desejar imaginar algo inapropriado para a ocasião.

- Obrigado... por hoje.

- Não foi... nada.

Antes que tomasse alguma iniciativa, o loiro voltou a caminhar para o seu quarto. O coração que batia frenética e a mente que reproduzia a fisionomia do outro lhe deixava conturbado.

Sentia seus lábios formigarem para beijá-lo.

❄ 

O céu estava ensolarado deixando os alunos animados com as aulas do turno da manhã, Kyung Soo estava em sua primeira aula prática e desenhava na tela os contornos da natureza morta. As frutas posicionadas na mesa estavam bem visíveis graças aos raios solares daquele dia. Havia acordado bem disposto apesar do pequeno sono que sentia, porém era tudo por uma boa causa. Ainda faltavam alguns dias para voltar a ter a presença de seu amigo e veterano, o casal não mandavam mensagens para o menor sendo que o ultimo não se importava muito, não depois de saber o motivo da ausência.

O sinal tocava dando fim ás primeira aulas, Kyung Soo olhou o quadro satisfeito e o assinou antes de entregar ao professor. Misturou-se com os alunos e seguiu para o refeitório que estava consideravelmente vazio. Ficou na fila esperando por sua vez quando sentiu aquele aroma novamente o cheiro das frutas que havia conhecido naquela madrugada. Desviou o olhar para a porta do refeitório onde o loiro adentrava junto com seus amigos.

Sentiu as bochechas avermelharem quando seus olhares cruzaram em meros segundos, virando-se rapidamente andou na fila desejando e rezando para que sua vez chegasse o mais depressa possível. Quando chegada a sua vez pediu o almoço de sempre, enquanto reprimiu sua vontade de olhar para trás, mordia os lábios e apertava os dedos para então sorrir cordialmente ao atendente que lhe entregava o pedido. Segurou a bandeja e saiu em dispara para o fundo do refeitório, mantendo reprimida sua curiosidade em olhar para o loiro.

Sentou-se na mesa afastada e começou a comer, agora aliviado em não sentir mais daquele perfume tão delicioso. Comia calmamente digitando no celular a mensagem para seus pais, fazia alguns dias que não ouvia as vozes do casal deixando mais saudoso de casa, de vez em quando gravava um vídeo curto e os mandava, porém os mesmos ainda se atrapalhavam com a tecnologia, deixando de fazer vídeos para o filho.

- Oi. – Erguendo o rosto vira novamente aquele garoto sentado diante de si, surpreendeu-se em não percebê-lo diante de si mesmo com o perfume ainda lhe rondando. – Tudo bem?

- Tudo bem – Inclinou a cabeça para o lado vendo o sorriso de Jong In surgir, não era algo brilhante, na verdade parecia ser algo mais tímido do que sincero. – O que...

- Ah faz um tempo que queria vir falar contigo – As pontas dos dedos do moreno passavam sobre a mesa, e seus olhos observavam atentamente Kyung Soo – Alias me chamo Kim Jong In.

- D-Do Kyung Soo – O menor fez uma breve referência e viu o maior assentir mantendo o sorriso no rosto – O que... queria falar?

- Você conhece o Sehun? – Kyung Soo assentira voltando a comer de seu almoço, seu estomago poderia roncar e lhe deixar envergonhado diante do alfa. – Bom, ele é meu amigo, mas ele tem estado sumido ultimamente... sabe onde ele está?

- Sehun está com o Luhan – Kyung Soo respondeu simplesmente, encarando o sanduiche em suas mãos, intercalava bebendo um refrigerante, mas ainda assim se deliciando com o hambúrguer.

- Luhan? – Jong In olhava surpreso para o menor á sua frente, cerrando o cenho olhou por cima dos ombros vendo seus dois outros amigos lhe observando – Quem...

- Meu colega de quarto – O menor terminava de comer e limpava os lábios no pedaço de guardanapo de papel e finalmente olhando para o rapaz loiro á sua frente. – O namorado dele.

- N-Namorado? – Jong In se inclinou para trás, o menor assentia confuso com a reação do loiro. – Está me dizendo que aqueles dois... namoram? Mas ele disse sobre desenhar ele... eu achei.

- Luhan hyung faz artes plásticas – Kyung Soo se debruçou na beirada da mesa e olhava para Jong In, porém ao sentir uma estranheza em volta percebeu ser observado por demais pessoas ali. Jong In chamava muita atenção até quando sussurrava. – Não sabia?

- Não...quer dizer... aish – O moreno bagunçava os cabelos descoloridos, fazendo seu cheiro ser entregue á Kyung Soo pelo vento. O menor sentia do aroma e se arrepiava tentando manter do controle. Sentia uma vontade imensa de abraçar o moreno e ficar a sentir de seu perfume por eras – Eu nunca pensei que ele fosse gay.

- Qual o problema? – Sua voz soava baixo e levemente tremula, poderia soar como uma fraqueza e isso o deixou envergonhado. Pigarreou e começou a juntar seu material para poder ir ao trabalho.

- É estranho...

- Meus pais são homens – Kyung Soo comentou olhando o moreno lhe observar ainda surpreso – Bom, se era isso que queria saber então com licença.

- Espera – Jong In se levantou bruscamente segurando o pulso do menor que lhe observava atentamente – Onde ele está? Preciso falar com ele.

- Na casa do hyung eu já disse.

Não sabia se deveria dar tanta informação para alguém meramente desconhecido e que ainda teria vantagens sobre si. Porém já o viu andando com o outro alfa e acreditava ser um sinal de que poderia confiar. Ficou a observar o moreno que parecia perdido em pensamento, todavia o que lhe chamava mais atenção era o formigamento em seu pulso onde os dedos fortes do moreno o seguravam.

- Me leve até lá.

Sentia todo o seu coração falhar em uma batida e seu corpo gelou-se por um instante, raciocinou os possíveis desastres viriam caso aceitasse aquele pedido. Sem falar que aquele seria um assunto somente entre Sehun e Jong In, não poderia haver ninguém além dos dois envolvidos nisso. Kyung Soo mordia o lábio inferior ao recordar do motivo que fazia Sehun se ausentar e até mesmo se recriminou por contar algo tão intimo. Se os dois eram amigos... Sehun deveria ter contado á ele e se não o fez teria um motivo.

Todo aquele silêncio deixava o moreno apreensivo e aquilo era estampado em seu olhar. Tentou suavizar sua força e expressão quando vira o menor estremecer ao sentir do aperto. Pigarreou e olhou para os lados vendo os olhares atentos, ali se quer havia a privacidade necessária para uma boa conversa, ainda mais cheia de descobertas.

- Por favor...

- Não – O calouro respondera categoricamente, surpreendendo o mais velho que dera um passo para trás. – Sinto muito não posso te levar até ele.

- Como assim?

- Espere que ele volte pacientemente – O menor juntou os braços e fez uma nova reverência, para poder sair do refeitório ás pressas.

❄ 

O som alto da musica entorpecia os ouvidos de Kyung Soo que observava atentamente o DJ animar o publico, os garçons andavam de um lado para o outro desviando as bandejas dos dançarinos animados pelo álcool. Por ser uma sexta feira a casa noturna estava completamente cheia, deixando o menor aumentar sua agilidade em preparar os coquetéis mais pedidos. Aprendera tudo com Min Seok naquela semana, e até mesmo admirou-se com sua capacidade e facilidade em aprender coisas novas. Já fora elogiado e paquerado por isso, e suas bochechas rosadas dedurando sua timidez fazia com que os homens ficassem cada vez mais admirados consigo.

Já havia se acostumado com aquele ritmo, o pior fora dizer á seus pais que nas sextas e finais de semanas iria passar com os amigos para se divertir ou visitar algum museu da cidade. Entretanto o casal parecia totalmente desconfiado do filho, o mesmo diminuira o ritmo das mensagens e contava sempre as mesmas coisas sobre seu dia, que passara a tarde toda estudando e por isso precisaria dormir cedo. Kyung Soo sabia que mais tarde teria de contar á respeito do trabalho para seus pais, mas eles seriam o menor de seus problemas... pelo menos por enquanto.

Limpava os copos que havia acabado de lavar ajeitando-os na bancada, observava o movimento e via a maioria das pessoas sentadas bebendo goles grandes de água, enquanto outros dançavam fervorosamente na pista de dança. Sorriu largo em ver seus dois amigos, e casal, dançando em meio os clientes. Não os vira naquela semana que se passou, mas parecia que tudo havia ocorrido bem já que dançavam sensualmente com os corpos totalmente encostados.

Balançando a cabeça se arrepiou ao sentir um assopro em seu pescoço, se virou rapidamente encontrando o sorriso brincalhão de Min Seok. Parecia ser divertido para o DJ judiar de sua insanidade e inocência. Os dois riram e voltavam a olhar o movimento, ainda entorpecidos com o som alto que havia deixado, o mais velho deixara as mãos no bolso e cerrou o cenho ao sentir um cheiro que para si era desagradável, fazia recordar-se de um garoto, e o confirmou quando viu a silhueta do moreno. Suspirou e olhou para Kyung Soo que se mantinha distraído cantando a musica que tocava para os casais.

Passou um braço em volta da cintura de Kyung Soo puxando-o para perto de si, Min Seok aproximava seus lábios no ouvido do menor passando a sussurrar em uma voz doce e hálito gélido.

- Temos visitas.

O menor corara no mesmo instante, porém sem se afastar do maior, desviou seu olhar para o mesmo que sorrira em notar sua reação. Assim que apontou com a cabeça para a porta do bar, Kyung Soo seguiu o olhar e então se surpreendeu em ver o tal do garoto popular parado perto das mesas com as mãos no bolso da calça, com o olhar perdido em volta do bar podia ver sua feição mudar para algo indescritível. Engolindo em seco suspirou e passou a procurar o celular para mandar mensagem á seus amigos que estavam dançando. Mesmo que enviasse a mensagem nada garantia que os mesmos a leriam, já que haviam saído da pista de dança e sabe-se lá onde poderiam estar.

- Oi.

Sua coluna por inteira se arrepiou em ouvir aquela voz grossa novamente, o cheiro frutal viera novamente por suas narinas deixando o menor atordoado. Piscou algumas vezes quando o vira apoiado na bancada do mar, Min Seok apertou a cintura de seu novo amigo sem desviar o olhar feroz sobre o moreno, sendo que este abria um sorriso sádico para Kyung Soo.

- O-O que faz aqui?

- Te segui – O moreno dava de ombros como se aquilo fosse uma explicação óbvia, e talvez de fato seria, porém sua intenção era outra. Mesmo que tivesse seguido o menor para poder encontrar seu amigo, agora acreditava que se tornava mais uma chance que lhe fora entregue. A de conquistar a sua aposta. Observou a cintura do garoto á sua frente, e via o braço forte que lhe abraçava deixando próximo ao garoto que era mais baixo que si. – Onde ele está?

- N-Não posso dizer.

Kyung Soo intercalava os olhos entre o DJ e o moreno, pareciam que os dois brigavam internamente ou como se invadissem o pensamento do outro e ali se enfrentavam. Afastou-se de ambos e fora atender um cliente que se aproximou do bar pedindo por água gelada. Enquanto isso Jong In alargava de seu sorriso quando puxou o ar, não sentia o cheiro do garoto ômega na pele do DJ baixinho o que significaria que os dois não haviam transado.

Existia uma chance ainda.

O menor entregava a garrafa de água ao cliente e preenchia de sua ficha para poder entregue-la, olhando de forma preguiçosa pelo salão observou Sehun e Luhan andando juntos pelos corredores mais calmos do bar. Agitou o celular e enviava mais mensagens ao amigo, voltava a observar o mesmo que ria e conversava com o namorado encostando á parede, o mais velho pegou o celular e lia as mensagens para finalmente olhar Kyung Soo, que apontava com a cabeça para trás de si.

Luhan e Sehun se entreolhavam, o medo e a ansiedade já faziam presentes tendo seu protetor o abraçar e tentar acalmá-lo. Sabia muito bem o motivo do mais alto deixar de contar aos amigos sobre o relacionamento, até brigaram uma vez por conta disso mesmo assim a ligação existente por conta da mordida mais os sentimentos que tinham um pelo o outro acabou por deixar o assunto encerrado. Puxou-o para o bar vendo o melhor amigo moreno encarar o DJ, pigarreou vendo o mesmo quebrar o contato visual para finalmente lhe observar e arquear a sobrancelha o visualizando de cima a baixo junto com Luhan.

- Espere até dar o horário – Sehun mantinha sua voz calma e serena, apertando a cintura do namorado que olhava para si o tempo todo. – Não queremos criar uma cena, certo?

- Claro.

Kyung Soo suspirou alto e então olhou para Luhan que ainda mantinha os olhos no amante, observando melhor de seu pescoço vira uma mancha arroxeada em volta de demais marcas profundas, parecendo uma mordida. Fazendo de uma careta voltou a atender os clientes com a ajuda do DJ, que em nenhum momento deixava-o sozinho, pelo menos enquanto Jong In se mantivesse por perto.

O horário se passava depressa deixando os cinco rapazes ansiosos, Luhan servia os clientes que estavam sentados mantendo sempre seu olhar para o bar. Sehun apenas bebia um drink sem álcool e olhando tão somente para o namorado, mantendo ainda sua fisionomia calma mesmo que por dentro estivesse tão ansioso quanto pudesse imaginar, e Luhan sentia isso.

Jong In olhava o bar curioso, e então passava a analisar de forma atenta o garoto ômega. Imaginou ter rosnado ao ver a aproximação de Min Seok e até mesmo imaginava que ele poderia ser esperto em ter o garoto baixo antes de si. Afinal tudo o que o loiro queria era ganhar uma aposta, apenas iria descobrir sobre Kyung Soo sem precisar passar o seu cio com ele. Não gostava muito da ideia de deixar seus instintos tomarem conta de seu corpo e acabar por morder qualquer um, tinha que ter segurança quanto á isso para poder manter sua linhagem.

Teria que admitir sobre seu interesse crescer em volta do calouro, ele não parecia estar muito interessado em si o que já deixava tudo mais intrigante. Não havia quem não resistisse á sua voz grossa e sedutora e nem ao seu cheiro que alucina deixando todos com vontade de passar pelo menos uma noite consigo. Mas tudo isso parecia ser um nada diante de Kyung Soo. Nunca havia prestado atenção nos homens ômegas, já que até aquele momento acreditava mais ser hetero do que homossexual. Porém passando a observá-los e sentir de seus cheiros tinha certeza de que aquele calouro tinha algo a mais.

As portas estavam fechadas e o som fora desligado, agora os empregados passavam a limpar do bar e deixar tudo arrumado para o dia seguinte. Min Seok batia seu cartão junto á Kyung Soo, os dois conversavam calmamente sorrindo um para o outro, Jong In ainda esperava com os braços cruzados encostado no bar e então passou a encarar Sehun que piscava lentamente com as mãos no bolso de sua calça jeans.

- O que veio fazer aqui? - Jong In abriu um sorriso largo com a pergunta e estalava a língua para então soltar um suspiro derrotado.

- Vim saber por que raios o meu melhor amigo mente tanto para mim.

- E quando que eu menti? – O cenho cerrado de Sehun era o primeiro sinal de que ele poderia enraivecer á qualquer instante. Luhan que observava tudo de longe junto aos dois amigos, pousava a mão no peito tentando se manter calmo.

- Está namorando com um cara! E ainda some o tempo todo sem falar nada?

- Não menti em nenhum momento – O rapaz passava a cruzar os braços inclinando levemente a cabeça para o lado. – Aliás, eu omiti, mas nunca pareceu se importar com isso, que diferença faz?

- Que seja, por que um cara?

- O que interessa quem eu namoro? Veio aqui porque se sente enganado quanto á minha vida privada? Qual é Jong In sabe que não gosto disso.

- Poderia saber se me contasse as coisas! O que me irrita – O moreno se aproximou do amigo imitando de suas feições e abaixando o tom de voz. – é saber que não confia em mim mesmo dizendo que somos amigos.

Sehun assentira e baixou a cabeça pensativo, sentindo um aperto no peito desviou o olhar para o lado vendo o veterano morder o lábio e reparar si atentamente. Abriu seu melhor sorriso e então relaxou os ombros para voltar a encarar o moreno á sua frente.

- Você gosta de brincar Jong In, eu levo a sério. Luhan não é um brinquedo para apetecer necessidades sexuais.

- E acha que eu não sei disso? Se tivesse dito...

- Eu não acho – Sehun sorrira de lado interrompendo o amigo moreno – Eu tenho certeza de que não sabe como é, e mesmo que eu te dissesse nossa amizade teria acabado na primeira brincadeira que fizesse com ele.

- Nossa amizade vale menos do que um garoto que simplesmente...

- Não quero saber sua opinião – Sehun esticou a mão voltando a ficar sério diante do amigo – Vou ser mais claro, estou com Luhan faz dois anos e eu o mordi.

O que antes parecia uma confusão que resultaria em raiva agora se tornara surpresa. A mordida tornaria aquela ligação mais forte do que poderia existir, e Sehun dizia que teria mordido Luhan. Jong In simplesmente recuou alguns passos, não iria existir nenhuma prova maior do que aquela de que seu melhor amigo estava falando sério. Nunca haviam discutido antes, sabia do jeito um do outro e seus respectivos limites para as brincadeiras, mas agora parecia ser tão sério quanto imaginava.

- Você mordeu?

- Estou sendo sério quanto a isso Jong In, Luhan é meu companheiro para sempre e eu vou protegê-lo do que vier. Então espero que não fique em meu caminho.

- Fala como um predador.

- E eu sou um – Sehun sorrira de lado novamente, iria para o lado de seu namorado quando se recordou de algo virando novamente para o moreno – E quando disse que o calouro não é o seu tipo eu estava falando sério.

- Humpf vai morder ele também?

- Não – Sehun rira e então manteve o sorriso cínico nos lábios. O outro era tão transparente em relação á suas emoções que chegava a ser engraçado a forma como o mesmo tentava lhe enganar. – Ele é o melhor amigo de Luhan agora, e é especial para nós então seja lá o que você e os meninos resolveram apostar, saiba que eu serei o menor de seus problemas.

- O que quer dizer? – O fato de ser mencionado Kyung Soo naquela conversava deixava o moreno mais interessado, agora parecia um arrepio se passava por suas costas.

- Quero dizer que ele não é do tipo de uma noite só e sem falar que o que ele esteja escondendo é grande demais para você ficar brincando.

- Você sabia da aposta?

- Vocês três rindo e observando Kyung Soo como se estivesse diante de carne crua? É difícil não saber. – Coçando de sua nuca Sehun assentira piscando lentamente – Não faça isso ok? Eu não sei o que se trata em volta dele.

- Isso seria um bom sinal para a minha vitória.

- A sua vitória vai trazer uma desordem para ele – Os dois olhavam para Kyung Soo que estava sentado na mesa enquanto balançava as pernas mexendo no celular – Por que nem ele sabe o que é, e se você simplesmente o usar pode acabar enfurecendo algo maior.

- Como, por exemplo? Um pai chato e raivoso? Aliás, dois...

- Acredite Jong In podemos não conhecê-los, mas os pais de Kyung Soo não parecem ser nem um pouco legais. E se eles souberem que você fez algo ao único filho deles, eu serei o primeiro a dizer onde você se escondeu.

O moreno apenas engolira em seco voltando a ficar atento sobre o amigo, soltando de um suspiro baixo se desculpou com o mesmo por sua atitude e deixando de lado uma promessa, ainda queria vencer sua aposta. Os dois garotos se abraçaram gerando um som de suspiro vindo dos rapazes que observavam de longe, todos em grandes expectativas sobre uma briga e prontos para agir caso ocorresse uma.

Kyung Soo juntou de sua bolsa e caminhava para fora do bar enquanto atendia a ligação em seu celular. Engoliu em seco quando viu seus pais ligarem para si.

- Alô?

- Filho, onde está? – Kyung Soo olhou em volta e mordia o lábio inferior. Yi Xing tinha a voz calma mesmo assim já poderia sentir uma áurea pesada e intensa através do telefone.

- Em um bar... com os meus amigos.

- Bar? – A voz do alfa se fez presente, a mesma soava surpresa e começava parecer alterada. – Porque em um bar? O que estão fazendo? Com quem está? Sente algum cheiro diferente?

- Appa está tudo bem, os donos do bar são pais do meu colega de quarto – O garoto baixinho chutava as pedras da calçada deixando a mão no bolso enquanto sorria sentindo uma ponta de alivio em contar a verdade para os pais, mesmo que fosse apenas uma meia verdade. – E eles vão deixar a gente nos portões então nada que deva se preocupar.

- Bom devemos agradecer eles por serem cuidadosos consigo – Yi Xing comentava mantendo a calma. – E está tudo bem por ai? Mais alguém comentou sobre seu cheiro?

- Isso se tornou rotineiro omma – Formando um bico nos lábios o garoto se virou de frente ao bar vendo seus amigos parados na porta o esperando – E... precisamos conversar.

- Precisamos? – O casal respondeu em uníssono deixando o filho soltar uma risada baixa. – Sobre o que?

- Uma omissão. – Voltando a chutar as pedras na calçada, o calouro aumentava do bico em seus lábios e sorria em seguida – Estou com saudades, quando vão vir me visitar?

- Podemos ir quando quiser, que tal no sábado? – Jun Myeon poderia tentar ser calmo e deixar obscuro a sua empolgação, mas ouvir de seu filho sobre sentir sua falta fazia seu peito apertar. Se dependesse de si poderia partir naquele mesmo dia para ver o garoto.

- Hum perfeito, ficarei a espera de vocês. Enquanto isso vou pesquisar algum lugar barato e de qualidade para fiquem hospedados.

- Ah filho não precisa se incomodar, não iremos demorar muito.

- Podem ficar tranquilos, eu faço questão.

Kyung Soo sentia um orgulho imenso de si mesmo, queria fazer algo para seus pais usando de seu primeiro salário. Queria mostrar á eles que o pequeno ômega poderia ser mais especial do que pensavam.

Juntando-se ao seus amigos, se direcionavam para o campus a pé. Os quatro jovens mantinham o silêncio constante, mesmo que não fosse tão entediante como imaginariam que seria. Sehun e Luhan caminhavam de mãos dadas e conversavam entre sussurros e sorrisos tímidos finalmente retornando á sua rotina. Jong In e Kyung Soo caminhavam mais atrás, ambos com as mãos nos bolsos e olhares perdidos em sua volta, evitando de se encararem. De vez em quando o moreno reparava no garoto e ressaltava a pele esbranquiçada de seu rosto jovial, poderia imaginar diversas marcas roxas que seus lábios poderiam deixar ali em uma noite de prazer. Arrepiando-se com seus pensamentos apenas suspirou e caminhou silenciosamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário