{OGO} Capitulo 1

Fanfic / Fanfiction O Garoto Ômega - Capítulo 2 - Capitulo I

O rapaz alto havia desperto com o sol que brilhava intensamente pela sua janela, levantou-se da cama se espreguiçando enquanto seguia o caminho para o banheiro. Fazendo de sua higiene matinal, se olhou no espelho vendo sua fisionomia levemente envelhecida, Quanto tempo havia se passado desde que olhou pela ultima vez no espelho? Anos talvez, ou apenas fazia aquilo sem dar tanta importância com o que via, como se tivesse se tornado uma máquina que age no automático. Suspirando passou a se despir e então tomar um banho gélido, apesar de ser cedo o sol brilhava com tamanha intensidade naquela manhã de verão, fazendo com que seu corpo suasse durante a noite. Odiava essa sensação de suor, costumava a gostar... Mas por causa dele passou a preferir o inverno.

Precisava sair logo, o seu trabalho esperava por si, na verdade ele esperava por si. Balançando os cabelos molhados enrolou a toalha na cintura após terminar seu banho e seguiu para o quarto onde abrira a porta dos armários à procura de sua calça jeans preta. Adorava elas já que eram levemente folgadas e não deixava marcado de suas coxas. Assim que encontrou a peça se vestiu rapidamente e repetiu com a camisa de malha fina de cor branca. Enquanto vestia do blazer seguiu para a cozinha preparar uma xícara de café com leite.

A casa parecia tão silenciosa naquela manhã, os ruídos da rua eram os únicos que faziam presentes e isso tornava tudo tão solitário. O rapaz pegou o copo com café pronto e o tampou e pegou as chaves do carro saindo da casa indo até o carro e assim seguiu pela cidade moderadamente movimentada. Enquanto dirigia olhava em volta bebericando da bebida quente, via os casais andando e a pequena ponta de saudade gritou em seu peito.

Mas não necessário o desespero, em alguns quilômetros chegaria até aquele ser.

❄ ❄ 

O alfa olhava para o esposo e o filho sem deixar de sorrir com a cena, as malas estavam sendo feitas para que o primogênito pudesse partir para a cidade vizinha. Mesmo que a distância fosse curta, não queria que ele partisse. O mundo parecia perigoso demais para aquele garoto, tudo bem estava indo para a faculdade, porem muitas coisas eram omitidas para o jovem garoto e isso lhe deixava aflito. O delta percebendo do olhar de seu companheiro fora até si, entrelaçava os dedos em seus cabelos descoloridos e abriu o melhor sorriso que poderia.

- Ele vai ficar bem, - O sussurro do delta soara como musica aos ouvidos do alfa, que lhe olhava mordendo o lábio inferior. – Ligaremos uma vez á semana e mandaremos mensagens todos os dias.

- Eu sei mas... E se começar? – Alfa sussurrou puxando o esposo para perto da janela, ficando mais distante da porta do quarto do filho que arrumava as malas. – Estaremos longe e não sabemos como ele vai reagir, seria melhor esperar o cio...

- Jun Myeon eu também estou preocupado – O mais alto falava ainda segurando a mão do companheiro, observava de seus olhos amendoados que brilhavam em reflexo de sua fisionomia, era somente olhar para aqueles olhos que se apaixonava cada vez mais por seu esposo – Mas ele quer estudar e se quer imagina o que pode acontecer. Eu sei que queremos proteger nosso filho, mas não vamos conseguir omitir as coisas.

- E se alguém se aproximar dele? Pense nisso, ele é sangue puro – O mais baixo acariciou o rosto do delta que sentia as bochechas corarem, sua pele alva ganhava aquela coloração que o mantinha jovial e belo, mesmo o admirando daquela forma não diminuía o seu nervosismo– o cheiro dele vai atrair muitos, e se alguém o morder...aish.

- Iremos visitar ele sempre que pudermos – O mais alto puxou o marido para um abraço, e assim ficaram por um curto período de tempo. – Ele vai ficar bem, ninguém vai fazer nada. Se pudesse eu também iria seguir ele para ficar de olho, mas temos...

- Que demonstrar a confiança sobre ele. – Completou o outro, aquela frase era conhecida naquela casa já que o filho pedia por isso ao se sentir sufocado com a proteção.- Tudo bem, mas sabe que irei ficar atento ás mensagens.

- Omma – O garoto aparecia, seus olhos levemente esbugalhados observava aquela cena e sorria já sentindo uma ponta de saudades de seus pais. – Instala aquele programa no meu celular, para chamada em vídeo?

- Claro. – O mais alto se soltou do marido, que proferiu um suspiro aliviado. Claro que o filho sabia da preocupação dos pais e por esse motivo tentaria manter o máximo de contato possível.

Terminavam de arrumar as malas do filho, eles iriam levar o mesmo para a faculdade no dia seguinte e por isso teriam todos estarem de pé já cedo. Jun Myeon olhava toda a cena e não demorou em abraçar apertado o filho, aquela cena era comum entre eles e por isso o pequeno garoto retribuía do abraço enquanto olhava o progenitor mexer no aparelho eletrônico.

O casal havia omitido toda a realidade que se encontrava fora da cidade, assim como os betas conhecidos ali evitavam comentar sobre isso. O motivo era simples, o pequeno Kyung Soo era um garoto com linhagem direta de um alfa com um delta, e isso lhe traria muitos problemas quando entrasse no cio. O que preocupavam os pais era exatamente isso, até aquele momento nunca ocorreu o cio do garoto. Não sabiam o motivo daquilo, talvez por conta da genética ou até mesmo por causa do ambiente que era calmo e não lhe proporcionava tamanha preocupação com os instintos.

A partir do momento em que entrasse no cio o seu aroma doce despertaria uma chama em qualquer alfa ou até mesmo ômegas. A parte ciumenta dos pais não queria entregar o filho, o mesmo pensava que o amor existia, e se alguém que não obtivesse tais sentimentos mordesse o pequeno garoto? Aquilo seria um terror para a família.

- Ah – Kyung Soo olhava para o progenitor que lhe devolveu o aparelho – Obrigado omma.

- Não se esqueça heim, qualquer coisa de estranho sempre nos ligue.

- Eu sei eu sei – O garoto soltava uma risada baixa, ainda abraçado ao pai. O mesmo entrelaçava os dedos finos nos fios negros do menor apertando do abraço, como se cada toque ainda lhe provasse que o menor estava crescendo e se tornando um adulto... mesmo que para si fosse ainda a sua criança – Mas vou ficar bem, é a única faculdade que tem o curso que eu quero.

- Por que teve de puxar isso de Yi Xing – O alfa fazia bico nos lábios o que ocasionou risadas, mas o marido sorriu acariciando o rosto do filho.

- É um talento que merece atenção. Está fazendo o certo.

- Obrigado omma.

Os três terminavam de arrumar as malas do pequeno garoto. O mesmo se encontrava ansioso para sair de casa e finalmente sanar a sua curiosidade para com o mundo fora dos muros da cidade pequena. Pensou tanto naquele dia que até se programou, sabia que naquela noite não iria dormir por estar ansioso, e por isso na anterior fora dormir tarde e acordou cedo naquele dia, para isso poderia dormir cedo e poder realmente descansar como deveria.

- Pegou o frasco de perfume? – O alfa aparecera no quarto do filho, o mesmo apontava para a caixa com três vidros pequenos com um liquido azul ali. – Não se esqueça de passar após o banho todos os dias.

- Não esquecerei.

O garoto estava animado demais para sentir sufocado com os cuidados do pai, além do mais gostava do aroma que aquele perfume tinha, mas não sabia do por que ter que usar todos os dias. Na verdade Jun Myeon criou aquele perfume para poder refrear o cheiro do garoto, não se preocupava em burlar as regras do pequeno laboratório para criar algo a sua família, na verdade ali era apenas para a criação de remédios para dores corporais, uma consequência humana que os betas haviam herdado,

De toda e qualquer forma ficava feliz em poder ajudar o filho, mesmo que ele não saiba como.

Durante o jantar da família todos conversavam animados, Kyung Soo demonstrava a animação enquanto via as fotos da universidade pelo celular, mostrava os dormitórios e a o refeitório onde dizia que poderia se alimentar bem ali, sendo essa uma das preocupações do delta. No final das contas tudo o que iria fazer era estudar para poder mostrar aos seus pais o que era capaz de fazer e assim retribuir o amor que os mesmos lhe deram.

A noite chegava e todos foram dormir juntos na cama do casal, os pais zelavam o sono do filho que segurava ambas as mãos com os dedos entrelaçados. O alfa cariciava os cabelos negros do primogênito que suspirava sem despertar, parecia que fora ontem quando entrou no quarto totalmente ansioso para ver o marido com o recém-nascido nos braços, lembrou-se de quando o mesmo dera seus primeiros passos e sorria terno com aquilo. As primeiras palavras que o chamava de “papa”, a forma como fugia para seus braços quando recebia alguma bronca do delta, ou então quando tinha pesadelos e vinha para a cama dos dois se deitando entre os mesmos, semelhante naquele mesmo instante.

- Ele cresceu rápido não é? – Sussurrava Yi Xing olhando para o filho da mesma forma pensativa que o marido.Não conseguiam deixar de tocá-lo, mesmo que uma caricia supérflua. A pele macia de seu filho e suas feições, até mesmo sua forma de agir, os faziam recordar de si mesmos anos atrás. – Queria que ele fosse aquela criança que gostava de brincar com tinta.

- É, sem que crescesse tão rápido – Olhava o primogênito e ria sentindo os olhos marejarem. – Ele é tão parecido com você.

- Tem suas qualidades também, - O delta segurou a mão livre do alfa que desviara o olhar para si, os dois sorriram cúmplices, uma forma que eles haviam encontrado para se compreenderem além daquela mordida, e então voltavam a olhar para o filho adormecido. – É o nosso menino.

- Nosso menino.

❄ 

Acordavam ao som da musica que Kyung Soo havia colocado como despertador, os três resmungavam e se espreguiçavam até poderem se levantar para tomarem banho. O delta fora o primeiro a ir, queria preparar o café da manhã para o filho enquanto o mesmo se arrumava, apesar de todos estarem ansiosos por aquele dia, pareciam fazer tudo de forma lenta para prolongar a despedida que viria mais tarde.

Kyung Soo se banhava e arrumava a roupa em seu corpo, passava o perfume azulado em seu pescoço do jeito que o pai havia lhe ensinado alguns anos atrás. Arrumava a franja não a deixando cair sobre seus olhos, encarando de seu reflexo abriu um sorriso largo e ajeitava o boné sobre a cabeça. Estava apresentável, não queria chamar atenção de ninguém, apenas ser um aluno normal com pequenas ambições.

Saindo do banheiro fora a cozinha onde seus pais o esperavam e se sentou para tomar do café da manhã, Jun Myeon explicava ao filho sobre os papéis que havia recebido da faculdade via email, apontando o prédio do dormitório assim como o número do quarto que estavam transcritos no papel, entregou a pasta com demais documentos que poderia vir a precisar. O garoto sorria largo e escutava com atenção já que teria de se virar sozinho pela primeira vez.

Não demorou muito para que todos estivessem dentro do carro partindo da pequena cidade dos betas. Os três mantinham a conversa animada no carro fazendo o filho rir sem se sentir ansioso em demasia. Cantavam ao som do rádio e brincavam com as palavras em um jogo, apesar do trajeto para a cidade de Nam-og não ser muito demorada, eles queriam tirar a tensão de uma viagem de 40 a 50 minutos.

Assim que passaram pelas primeiras casas viram que a cidade vizinha era pequena, olhando para o horizonte já se podia ver o pequeno muro que cercava a faculdade, tudo bem aquilo era levemente assustador só que nada disso tirava a animação de Kyung Soo. Pararam em frente dos portões daquele local, o porteiro se aproximou do carro e pediu a identificação do estudante transferido, ele o esperava para liberar sua entrada. Assim que lhe foi permitido Jun Myeon voltou a dirigir passando pela estrada de pedras brancas que tinham fileiras de árvores em seu lado, guiando o caminho para mais longe dos portões.

Logo se via as construções, em uma primeira instância via-se um largo prédio de três andares, sua pintura era rosada e tinha colunas gregas á sua frente guiando a entrada. Olhavam aquela construção totalmente boquiabertos por sua grandeza, o que gerou uma enorme expectativa sobre o que viria a seguir. Em sua volta havia belos jardins com variedades de plantas, aquilo simplesmente tinha um ar feminino.

Mais adiante na estrada ao oposto estava uma construção igual, porém de cor azulada, ao seu redor havia um jardim levemente cuidado apesar de não ter tamanha variação de plantas. Porém ao longe poderia encontrar algumas quadras de esportes, assim que pararam frente viam o grande número escrito ali, 002 era o numero do prédio. Kyung Soo olhou a folha de papel em suas mãos e sorriu largo, aquele era o dormitório masculino.

Ali tinha pouco movimento entre os alunos, por ser um final de semana a maioria estavam aproveitando a cidade fora dos portões. O casal saíra do carro sentindo levemente o frio gélido, alguns dos parcos olhares foram para o delta o que deixava o alfa abraçar o marido de forma possessiva. Tiraram as malas do filho e deixavam na calçada, os mais velhos não poderiam se demorar ali teriam de deixar Kyung Soo e saírem por conta das regras que a universidade tinha. Abraçaram o filho e acariciavam seus cabelos, o garoto sorria tendo suas bochechas coradas com a demonstração de afeto por parte dos pais, sem deixar de beijar as faces dos mesmos e sussurrar palavras amorosas para ver seus olhos lacrimejarem.

- Lembre-se de mandar mensagem quando for dormir e nos contar como foi. – Jun Myeon avisava passando os braços em volta da cintura fina do delta, o puxando contra si sentindo a pequena corrente elétrica passar pelos corpos, aquilo renderia em alguma ação mais tarde.

- Claro Appa. – O garoto estalara um beijo na bochecha do casal novamente e sorriu, quando estava em extrema alegria seus lábios abriam um sorriso que formava um coração. – Amo muito vocês.

- Nós te amamos mais. – Yi Xing voltou a abraçar o filho e selava sua testa. Tentava de todo jeito evitar chorar na frente do menor, mas não havia jeito era a primeira vez que se separavam daquela maneira. – Seja um bom garoto e estude certinho, e sempre que puder mande foto de seus quadros.

- Pode deixar omma, eu os manterei a par de tudo.

Não se demorando muito, a saudade já apertava no peito dos pais. Olhando sempre para o rapaz que um dia era uma criança manhosa pedindo por colo, os dois entravam no carro e seguiam o caminho para a cidade onde moravam. Kyung Soo reprimiu a vontade de chorar amava tanto os pais e sabia que os mesmos deveriam estar demasiadamente preocupados consigo, e claro que sentia uma ponta de medo em não se adaptar aquele lugar. Mesmo assim não iria desistir.

Pegou suas malas e adentrou o dormitório, suspirou com a grandeza daquele lugar, no hall de entrada havia longos corredores nas laterais e ao centro uma mesa circular como recepção, parecia o hotel em que havia ficado hospedado quando foi fazer a prova de admissão para a universidade. Caminhou firmemente até a recepção encontrando uma jovem garota com cabelos descoloridos, olhos bem delineados com a maquiagem enquanto abria um largo sorriso.

- Boa tarde em que posso ajudá-lo? – Kyung Soo se atropelou levemente nas palavras em pensamento, assim preferindo apenas entregar o papel com o numero do quarto. A garota lera o mesmo e digitava algo em seu computador, logo ela pegou uma chave– Eu lhe acompanharei até seus aposentos.

- Ah obrigado.

A garota se levantou e saiu do seu circulo que era o balcão de recepção, direcionou com os braços a escadaria atrás do balcão. Kyung Soo segurava fortemente de suas malas e seguiu a jovem moça que lhe explicava sobre os horários das aulas e do almoço, assim como sobre o toque de recolher.

- O sino bate ás 23h em ponto, então os inspetores e chefes dos andares passando pelos corredores para assegurar que todos estejam em seus quartos. – A garota sorria e parou ao final da escada, Kyung Soo arregalou os olhos ao ver uma pequena sala com sofás e uma televisão grande que havia ali. Logo tomaram o rumo para o corredor á esquerda que era extenso. – Os alunos que são pegos fora de seus quartos são levados para a diretoria onde o vice-diretor dá algum trabalho para ser feito.

- Entendi. – Era tudo o que conseguia dizer, os corredores estavam desertos, parecia um hotel mal assombrado de algum filme de terror. Ao meio do corredor pararam em frente ao quarto 202, a moça abriu a porta e adentrou junto com o garoto.

- Aqui é seu quarto, - O mais baixo olhava em volta e encontrara um cômodo levemente espaçoso, ao lado direito havia uma cama com cômoda toda enfeitada, provavelmente de seu colega de quarto, a da esquerda estava simples apenas esperando pelos objetos trago pelo novo inquilino. – E seja bem vindo á nossa instituição senhor Do.

- Obrigado.

A jovem se curvou depois de entregar a chave do quarto ao mais baixo, e assim se retirou do local. Kyung Soo fechou a porta e passou a explorar o quarto, havia apenas um banheiro que era espaçoso até, do lado de fora do quarto uma pequena sacada que dava vista ás quadras esportivas. Suspirou e sorriu largo ao pegar o celular e tirar várias fotografias do quarto, queria mandar á seus pais. Assim que imagens foram enviadas, pegou suas malas e começou a tirar seus pertences.

Em primeiro lugar ajeitou suas camisas nos cabides, o armário que tinha perto da cama era consideravelmente grande, e isso lhe rendeu um sorriso, não gostava quando suas roupas ficavam amassadas por conta de espaço pequeno. Assim que ajeitou as camisas passou a arrumar as blusas grossas e suas calças, seguindo para as gavetas e até terminar em seus sapatos. Pegou a outra mochila que havia carregado nas costas e tirou de lá seu notebook o deixando em cima da mesa de madeira ao lado da cama, arrumara ali o pequeno porta retrato com uma foto de três juntos sorrindo belamente para a câmera. Colocou seus livros prediletos de aventura perto do abajur que tinha ali. Assim que terminou sorriu largo em ver que aquele lado do quarto estava agora com vida.

Estava distraído ajeitando as cobertas na cama quando a porta fora aberta, se virou assustado em ouvir os passos e se curvou em ver dois garotos ali, Um deles era baixo, cabelos negros e lisos com um brilho especial seus olhos belos e levemente afeminados transmitiam uma alegria imensurável, usava calça jeans clara marcando sua cintura fina porém a camisa preta demarcava os leves músculos de seus braços, talvez não fosse seu estilo se preocupar com vestimenta, ou apenas usava aquilo por ser mais confortável. O garoto abriu um sorriso largo se aproximando de Kyung Soo o olhando de forma curiosa.

- Ni Hao - O garoto pronunciava, Kyung Soo inclinou a cabeça para o lado sem entender o que o garoto havia dito, mas o mesmo apenas sorrira e segurou as mãos do jovem. – Sou Luhan, seu colega de quarto.

- A-Ah – O mais baixo voltou a se curvar, e sentia as bochechas avermelharem. – S-Sou KyungSoo, prazer em conhecê-lo.

- O prazer e meu, ah – O mais novo puxava um garoto alto que estava atrás de si, o mesmo tinha olhar frio e rosto sem expressão, porém semicerrou os olhos sobre Kyung Soo, fazendo o menor se reter um pouco. Suas roupas eram largas e deixava claro que era bem mais forte que o menor, caso algo ocorresse alguma luta com toda a certeza sairia perdendo – Esse é Sehun, meu namorado.

- P-Prazer em conhecê-lo.

- Prazer. – Sussurrava o outro ainda avaliando Kyung Soo. Soltando de um suspiro se virou para o amante e acariciou sua bochecha, a feição que antes estava fria agora parecia mais suave, Kyung Soo jurou ter visto um sorriso tímido naquela feição. – Bom tenho que ir, te vejo mais tarde.

Kyung Soo se virou ao notar que os dois rapazes iriam se beijar, não que tivesse problemas quanto á isso já era acostumado a ver seus pais se beijando em sua frente, mas ali pareciam dois garotos jovens e isso o deixou levemente envergonhado. Talvez não houvesse se conformado com o ato intimo que nunca lhe fora concedido, jamais havia permitido que alguém se aproximasse de si de tal maneira. Disfarçou o olhar sobre sua cama terminando de ajeitar as cobertas, ouviu a porta se fechar e mesmo assim mantinha os olhos nos travesseiros.

- Então, já conheceu a universidade? – Luhan se sentou na cama do mais baixo, que apenas o olhava de forma curiosa.

- A-Acabei de chegar – Sussurrava o menor ainda envergonhado com a cena vista, mas logo esboçou um pequeno sorriso para o colega. – Não sei o que fazer na verdade.

- Ah se quiser eu te mostro aqui, ai amanhã eu te acompanho até sua sala. Aliás, que curso vai fazer?

- Artes plásticas.

- Oh meu calouro. – Luhan sorrira totalmente animado, o que resultou em uma risada tímida do seu novo colega de quarto. – Vamos tem muita coisa que tem que conhecer.

O mais velho puxava o menor para fora do quarto, os dois caminhavam pelos corredores enquanto Luhan tagarelava sobre as regras que já foram ouvidas anteriormente. Kyung Soo se quer se importava, estava começando a ficar animado em conhecer alguém e ter passado o medo em ter problemas com seu colega de quarto. Os dois conversavam, e Luhan logo notou que aquele garoto era diferente. Não sabia o porquê, o cheiro que sentia nele era como de um ômega qualquer, mesmo assim havia algo ali a se descobrir.

- Ahn me desculpe, seu cheiro é assim mesmo? – Luhan perguntou ao pararem em frente á uma porta grandiosa e marrom. Tentou de todas as maneiras se manter silencioso quanto ao aroma curioso que sentia, mas o vento trazia do perfume do menor lhe deixando cada vez mais intrigado com tal suspeita. Nunca havia sentido de tal cheiro.

- É – Kyung Soo olhou o colega e logo sorriu. – É o meu perfume predileto, meu pai que faz para mim e me dá sempre que pode. Ele diz que esse perfume vai fazer milagres.

- Perfume? – O garoto mais velho olhava curioso e logo soltou uma risada baixa. – Ah esse ano vai ser divertido.

Luhan abriu as portas mostrando o enorme refeitório, os dois adentraram e viram que ali não havia nenhum movimento. Kyung Soo olhava maravilhado com a grandeza do local, parecia bem mais belo do que havia visto nas fotos. Suspirava sorrindo em ver as paredes de vidro que mostravam a intensa floresta que havia ali.

- Bom uma dica que eu te dou, venha sempre 30 minutos antes do horário da janta, assim pode pegar comida sem nenhum problema.

- E isso pode?

- Claro, quer saber eu te acompanharei nas refeições, acho que Sehun vai gostar de ter alguém para conversar.

Kyung Soo apenas rira novamente da animação, parece que aquele lugar era todo cheio de regras tirando a diversão dos estudantes. Entretanto isso não seria um problema para si, o seu maior foco era aprender a pintar profissionalmente, o que viesse junto poderia ser um lucro para aprendizado.

Voltaram a andar pelo dormitório, Luhan contava sobre as aulas que já teve e dava algumas dicas sobre os professores, para que o menor não se assustasse. Ficou contente que se colega de quarto iria emprestar alguns livros para o calouro e que assim poderia se sentir mais confiante em si mesmo. Indo para o lado de fora do dormitório seguiram para as quadras esportivas, haviam de tênis, vôlei, basquete e futsal, sendo que esta ultima estava mais movimentada.

Alguns alunos jogavam ali, garotas estavam reunidas na pequena arquibancada gritando e torcendo pelos jogadores. Luhan explicara que as quadras eram muito utilizadas pelo grupo popular da faculdade. Kyung Soo apenas suspirou baixo, sempre imaginou que essa questão de popular e impopular fosse apenas a filmes, mas ali já mostrava que não era o caso. Ficaram vendo os meninos jogarem bola, até que Sehun voltou para o lado do namorado lhe abraçando a cintura e roubando um selar do namorado.

Kyung Soo não deixou de rir abafado, ele parecia seu pai quando estavam em algum lugar novo, sempre precisando mostrar que o delta era sua propriedade, seu companheiro e que não o dividiria. Anoitecendo rapidamente, Kyung Soo seguiu o casal pelo dormitório até chegarem novamente no refeitório, o casal conversava com o menor e contavam sobre suas primeiras experiências quando chegaram ali.

- Mas me diga Kyung – Os três se sentaram em uma mesa afastada depois de terem pegado o jantar, Sehun olhou para o namorado mostrando uma ponta de ciúmes, mas assim que sentiu o aperto na coxa direita tratou de ignorar aquele sentimento. Por mais que seu pequeno artista demonstrasse muito interesse no novo colega de quarto, o que de fato era um alivio em certa parte, aquilo lhe fazia pensar na possibilidade de perder a atenção e foco do amante. Entretanto a forma como a mão do menor estava posicionada em sua coxa já era indicativo de que aprontava algo. – Você é um ômega certo?

- Ômega? – O menor olhava curioso para o casal á sua frente, inclinou a cabeça para o lado de forma pensativa. – O que é isso?

- Ham? – Sehun olhou para o menor á sua frente totalmente surpreso, Luhan soltou uma risada baixa e olhou para o namorado,agora compreendia o motivo do namorado estar tão interessado no pequeno calouro - Como assim o que é isso? De onde você veio?

- Mugogi – Respondeu o menor os dois assentiram ao compreenderem o motivo do menor não saber o que era ômega. – É primeira vez que saí de lá.

- Ouvi dizer que Mugogi tem belas paisagens – Luhan sorria sentando no colo do namorado, pousando os braços em seus ombros largos o menor entrelaçava os dedos nos cabelos de Sehun, Kyung Soo desviou o olhar para o prato comendo da batata frita depressa ao encarar tamanha intimidade do casal.

- E tem – Sussurrava envergonhado – Na verdade eles estão expandido as terras e vão criar mais resortes e parques aquáticos, é legal eu sempre vou com os meus pais.

- Por que eles deixaram você vir para cá? – Sehun perguntou interessado naquela história do menor, assim como seu companheiro que sorria largo a todo o momento. 

- Para estudar – Respondeu obviamente, o que causou risadas entre os três,

Assim como Luhan havia pensado anteriormente, Sehun concordara aquele ano seria de fato mais interessante com a chegada daquele pequeno garoto. Principalmente em ver que ele não sabia de nada e ao mesmo tempo parecia saber de tudo e que escondia algo. Pobres garotos seria esse o verdadeiro sentido de sua vinda?

❄ 

Despertava com a vibração do celular perto de seu travesseiro, em um leve resmungo Kyung Soo se levantou da cama vendo que no lado de fora se quer havia amanhecido. Olhou para o colega de quarto que dormia abraçado ao travesseiro, soltou um suspiro baixo e se direcionou ao banheiro onde se despira e entrava no Box. Tirar o sono de si não seria um problema naquela manhã, assim como no dia anterior Kyung Soo se encontrava animado para o seu primeiro dia de aula. Claramente iria ser um pouco estranho entrar em uma nova turma quando as aulas já haviam se iniciado, mas graças á algumas complicações em sua matricula entraria dois meses após o inicio das aulas.

Terminou de se banhar e vestiu a roupa que havia separado na noite anterior, colocou a calça jeans preta ajeitando a barra que era maior, assim que se perfumou colocou a camiseta social branca e sobre ela um blazer azul marinho. Não queria ser formal demais, já que não fazia ideia de como se vestir para á aula, e sem falar que não sabia como estaria o tempo assim que o sol chegasse ao pico.

Saiu do banheiro encontrando seu colega de quarto já desperto, o cumprimentou e terminou de se arrumar. Colocou um all star preto e o boné da mesma cor sob a cabeça. Assim passou a pegar sua mochila pronta e a jogou nos ombros, ouviu alguém bater na porta fora correndo até a mesma e ao abri-la sorriu e cumprimentou Sehun que adentrava no cômodo.

- Ansioso para o seu primeiro dia?

- Ah estou muito – Kyung Soo tentava manter sua voz firme, mas no final a mesma tremera o que resultou em uma risada por parte do amigo – O que temos que fazer primeiro? Aqui tem horário para o café?

- Na verdade o refeitório do dormitório só serve almoço e jantar – Sehun sentou-se na cama do namorado, mantendo as mãos no bolso enquanto olhava Kyung Soo – Eu e Luhan costumamos tomar um leite com café na lanchonete dentro da universidade, onde eles fazem almoço para quem tem aulas á tarde.

- Entendi – O menor sorrira largo, não havia compreendido no inicio, mas logo entendeu que haveria outro refeitório dentro da faculdade. - as aulas começam ás 7 e meia, correto?

- Não se preocupe iremos te deixar na sala uns vinte minutos antes

Era tão aparente aquele nervosismo do mais novo, e aquilo era de fato divertido para o casal de amigos. Assim que Luhan estava pronto, os três seguiram para os corredores e escadaria onde iriam sair do dormitório. No lado de fora o menor se surpreendeu com o movimento de estudantes que havia, os alunos jovens se cumprimentavam e pulavam um sobre o outro. Alguns andavam de mãos dadas enquanto outros já se encontravam em beijos ardentes em algum canto de toda a estrada.

Não demorou para que o enorme prédio fosse visto, parecia um castelo dos desenhos animados da qual Kyung Soo costumava ver, entraram no prédio e seguiu seus novos amigos para a cafeteria que havia sido mencionada anteriormente. O menor deles olhava tudo em volta extremamente encantado com o que via, era tudo retro parecia com um castelo de bruxos, e por conta disso se sentiu cada vez mais animado com sua vinda á aquele lugar.

Chegou á bancada e pediu por um cappuccino, á pedido de Luhan que queria que o mais novo experimentasse, mais uma vez mostrava aquele sorriso animado para o calouro e se dependesse de si o faria provar e aproveitar várias coisas com o menor. Assim que teve o copo em mãos os três foram se sentar perto da janela. Naquele dia o céu estava nublado por enquanto, poderia vir um sol ou uma chuva independente disso nada tiraria o ânimo do jovem garoto. Seus pensamentos fluíam em apenas aproveitar aquele momento, mas logo fora interrompido com os pequenos murmúrios que ressoavam pela cafeteria.

- O que foi? – Kyung Soo olhava para os amigos que observavam a porta, Sehun apenas suspirou e selou os lábios do namorado, o segurando pela cintura sentando-o na cadeira ao seu lado e então se levantou da mesa. – O...que acontece?

- Ah é o grupo popular que eu te falei – Luhan olhava para a porta, mas logo desviou para o novo amigo que lhe olhava totalmente curioso – São quatro rapazes que são bonitos e bons no que fazem.

- Entendi, e por isso toda essa bagunça? Parece os filmes adolescentes – Kyung Soo voltou a beber do cappuccino, encantando com a bebida quente sobre seus dedos gélidos.

- Sehun é um deles. – Luhan sorria largo e viu o menor inclinar a cabeça. – Eles têm algo em comum.

- E o que é?

Os murmúrios aumentavam cada vez mais, Kyung Soo dera de ombros ao ver o amigo se perder em pensamentos com a visão voltada para a porta da cafeteria, sendo assim voltou a olhar a janela e a beber o cappuccino. Suspirava e sorria em ver as árvores balançarem com o vento, um frio estupidamente gostoso de aproveitar. Bebia novamente do cappuccino e então olhou para o vidro encontrando um reflexo estranho, se assustou com o olhar que via ali e então virou-se para o outro lado.

Parado um pouco longe estava o jovem que usava um boné colorido, até mesmo pelo reflexo poderia encontrar alguns fios lisos e descoloridos abaixo do boné perto de sua orelha, seu corpo era esguio sem ser muito forte, algo proporcional á sua fisionomia jovial e bela, os olhos pareciam ser negros observavam Kyung Soo como se algo no menor tivesse lhe prendido até a alma em uma escuridão intensa. O menor notava o olhar e sentiu um arrepio se passar na espinha. Aquilo lhe deixava incomodado e por esse motivo, desviou o olhar para a janela, onde apoiou o rosto em sua mão e voltava a observar o vento mover as folhas das árvores.

- Eles são todos alfas – Sussurrava Luhan para o menor, o mesmo se quer entendia o que era aquilo e ao mesmo tempo nem queria se importar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário