{LBR} Capitulo 17


Estávamos no aeroporto junto com Sehun para podermos nos despedir do mesmo que já iria iniciar o seu treinamento no time nacional de hóquei. Em todo o trajeto até ali ele ficava abraçado a mim e me beijando, como se nunca quisesse sair de meus braços, e era aquilo o que eu desejava também, poder sentir de seu corpo gélido o tempo todo sem me preocupar com separações. Kris se despedia de sua família, enquanto Sehun segurava de meu rosto e me olhava nos olhos passando o polegar sobre minha bochecha.

- Eu prometo que irei te ligar assim que eu chegar no hotel. – Assenti para o maior com os olhos marejados. – Não chore, o tempo vai passar rapidamente, e iremos voltar a ficar juntos.

- Eu sei, é bobeira minha.

Abracei de sua cintura afundando o rosto em seu pescoço, seus braços passavam pelo meu corpo fortemente, novamente ele sussurrava para mim que me amava e que iria ligar me mantendo á par de seus dias. E eu mantinha o meu fio de esperança sobre isso.

Logo o voo dos dois garotos altos era chamado, me afastei de si sentindo um ultimo beijo ser dado para então seguirem a sala de embarque. Fui abraçado por Baekhyun e Chanyeol, e logo me desabei a chorar, segurando o braço de meu irmão enquanto deixava as lágrimas rolarem por meu rosto, eu queria muito invadir aquela sala e puxar o mais alto para ficar comigo, queria muito poder ter o egoísmo e mantê-lo ao meu lado apenas para que eu fosse feliz, e poder retribuir aquela felicidade. Mas não podia.

Chanyeol acariciava de meus cabelos e minutos depois olhávamos para a grandiosa janela vendo o avião decolar. Limpei de meu rosto suspirando baixo assentindo ás palavras de Baekhyun quanto ao tempo, era apenas um mês o tempo poderia passar rapidamente, não é?

- O que pensa estar fazendo aqui?

Viramos-nos encontrando a senhora Oh, me curvei respirando fundo vendo a mesma me olhar incredulamente, segurei a blusa de Chanyeol quando o mesmo iria dar alguma resposta, soltei dos dois e apenas observei aquela mulher. Já imaginava o que estava por vir e por isso teria que manter não somente á mim, mas como o outro casal, calmos.

- Pensei ter dito para que sumisse da vida de meu filho.

- Ele acaba de partir – Sussurrei acariciando meu braço. – Não precisa fazer nenhum tipo de ameaça.

- Ah claro, - A mulher passava a mão em seus cabelos negros enquanto revirava os olhos, suspirando voltou a me olhar. – Óbvio que tinha um pedacinho de Xiao no meio da decisão dele de voltar daqui a um mês.

- Ele tomou essa decisão sozinho. – Argumentei elevando minha voz. – Ele disse que quer discutir a proposta comigo.

- Vamos fazer uma aposta? Ele não vai te pedir a opinião e irá assinar os papéis de tão encantado que vai ficar com a vida em Seoul, onde ele possa se focar somente no hóquei.

- Senhora, não tem necessidade disso.

- Eu te quero longe de meu filho, ou eu farei de tudo para que perca esse seu bebê.

Arregalei os olhos diante da ameaça, de imediato acariciei a barriga totalmente surpreso em que alguém tenha descoberto sobre isso. Baekhyun e Chanyeol ouviam tudo em silêncio, porém eles apertavam de meus braços já demonstrando que não queriam apenas serem ouvintes. Baixei a cabeça levemente mordendo o lábio, eu tinha de me manter saudável meu corpo precisava de forças.

- Espero ter sido clara desta vez.

A mulher se retirou depois de colocar os grandiosos óculos de sol. Suspirei alto podendo relaxar, sentindo a barriga doer novamente, Chanyeol logo me puxava para fora do aeroporto onde Yi Xing e Jun Myeon nos esperavam no estacionamento. Baekhyun acariciava meu rosto e me dava um pouco de água para beber, alegando que eu estava pálido. Assim que sentei no banco do carro, os meninos trataram de contar aos mais velhos sobre o que ocorrera depois da partida de Sehun, e assim todos estavam nervosos.

- Quem ela pensa que é para dizer isso? – Baekhyun chutava o banco do carro, logo sendo repreendido por mim. – Desculpa.

- Vamos ao médico hum? – Pedi e Yi Xing logo começava a dirigir o carro saindo do aeroporto.

Encostei a cabeça no ombro de meu irmão mais novo e fechei os olhos, estava ansioso desde que acordara e enquanto ajudava Sehun a fazer de suas malas eu me repreendia por estar tão nervoso. Agora todo o meu empenho se fora, já havia chorado e no momento me sentia angustiado novamente, aquilo não era nem um pouco saudável para o bebê.

Fiquei pensando nas palavras daquela mulher durante todo o trajeto para o hospital, e suspirava em ver que a pequena semente havia sido plantada, eu estava com medo de Sehun tomar a decisão sem mim, pensando apenas nele, eu estava ficando tão ambicioso em contar com aquilo, era como se ter a ligação dele me pedindo a opinião fosse um sinal de que ele me queria para sua vida. E se ela contasse sobre a gravidez? E se ele me abandonasse por completo? Eram tantos medos que brotavam em minha mente que já me dava um calor imenso em ficar parado sem ter o que fazer.

Assim que chegamos no hospital, esperamos sermos atendidos pelo médico responsável, enquanto isso brincava com a minha blusa de manga comprida. Naquele dia estava frio, apesar de que em breve os tempos quentes iriam chegar, mesmo assim aquele vento gélido me trazia uma sensação de que meu namorado estaria por perto. Olhava para a aliança prateada em meu anelar e sorria terno ao recordar-me que havia acordado com a joia ali. Sehun a colocara enquanto eu dormia, e logo percebi que ele usava uma igual, aquele bobo tinha vergonha de fazer certas coisas.

- Luhan.

Levantamos-nos e seguimos o médico em seu consultório, já nem adiantava ter que escolher qual casal iria entrar comigo, os quatro eram curiosos, sem falar que Jun Myeon e Baekhyun eram os que mais me puxavam as orelhas, sendo assim queriam porque queriam ouvir o médico.

Conversei com ele e logo os exames se iniciavam, ele media meu abdômen que havia aumentado um pouquinho, tirou meu sangue, mediu minha temperatura, minha altura e meu peso. Chamou da nutricionista que conversava com Jun Myeon e Baekhyun, enquanto isso o médico saiu da sala para pegar os resultados. Sentado na cadeira suspirava enquanto olhava para a janela e só desviara o olhar quando Yi Xing sentou-se á minha frente.

- Se continuar assim vai ficar doente rapidinho.

- Eu sei, mas ficar parado me causa isso.

- Vamos fazer o seguinte? – O capitão segurou de minhas mãos e sorriu cordialmente. – Vamos esperar ele ligar, e se Sehun disser que já assinou os papéis eu te levarei comigo para a China.

- Mas e o Jun Myeon?

- Nós três. – O maior sorrira para mim e retribui o sorriso, mesmo não estando com um bom humor. – Então foque nesse mês para o seu bebê e deixe que do resto nós quatro cuidaremos.

- Obrigado.

- Ok – O médico entrara no consultório nos chamando a atenção, ele olhava as folhas á sua frente suspirava me olhando – Bom, espero que agora possa seguir minhas instruções, o seu caso se agravou mais um pouco Senhor Xiao.

- C-Como assim? – O olhei totalmente curioso e aflito, o médico me mostrou o resultado dos exames e explicava alguns termos técnicos. – Então o que devo fazer?

- Acredito que pode apenas ir para a escola, porém nada de atividades físicas. Ao chegar em casa, repouso e tem que se alimentar direito. A nutricionista vai montar uma nova lista de alimentos, e quero que siga á risca.

Minha teimosia me deixava em cada enrascada. Não que o fato de ter feito sexo sem camisinha e engravidado me deixasse em uma situação desesperada, mas o fato de ter feito muita força na luta e agora colocando tanto a minha vida quanto ao do feto em perigo era sinal para eu me atentar á isso. Dessa vez teria de obedecer totalmente ao médico e nada poderia me impedir isso, nem mesmo a mãe de Sehun.

Assim que saímos do consultório eu fiquei totalmente focado nessa missão, recuperar a minha força em pelo menos 70% para que o bebê possa ficar forte até o oitavo mês. E assim se seguiu por todo aquele mês.

Meus dias se resumiam em acordar para ir á escola junto com Baekhyun e Chanyeol e durante as aulas de educação física eu ficava sentado na arquibancada ou então fazia algum trabalho teórico para ter minha nota. Minha mãe acabou por descobrir o relacionamento de meu irmão, e acredite isso deu a maior confusão, o Sr. Byun não sabia se confortava a esposa ou o filho onde ambos ficaram jogando indireta um para o outro. No final das contas contei a minha mãe sobre a gravidez, e então pedi para que entendesse Baekhyun já que o mesmo estava ficando estressado por minha causa. Claro que minha mãe me deu aquele sermão que eu escutei anteriormente por Yi Xing e Jun Myeon, mas no final das contas ela me elogiou por estar amadurecendo e tomando as decisões pensando nas contigências.

Sobre Sehun, ele sempre me mandava mensagens, pelo menos até a metade do mês. Sempre mandava mensagens longas contando sobre o seu dia, desde que acordara até a hora em que foi dormir e ainda me mandava fotos suas com Kris, ás vezes ele pedia para alguém tirar foto de si durante o treino, ou então para que gravassem um vídeo curto. Mesmo assim aquela saudade se apertava em meu peito, até mesmo lágrimas passavam a escorrer por meu rosto. E eu ainda me mantinha forte. Porém na metade do mês ele se quer mandava mensagem era como se tivesse sumido completamente.

Estava na saída do colégio esperando por Baekhyun que demorava em chegar, Chanyeol até iria atrás do menor quando meu celular começou a tocar. Retirei o aparelho da minha mochila e olhei o visor, logo o frio na barriga vinha e me deixava nervoso em atender aquela ligação que tanto ansiava.

- A-Alô?

- Luh, quanto tempo. – Ah que saudade de sua voz. – Como tem estado?

- Bem como sempre, e por ai? – Me encostei no muro tendo três pares de olhos curiosos.

- Ah... tudo normal. – Começamos a conversar um pouco, contei sobre Chanyeol e Baekhyun terem se assumido na frente da diretora, estava tão animado em contar aquilo, mas então... – Luhan, eu decidi assinar o contrato com eles.

- O que? – Minhas pernas fraquejaram naquele mesmo instante, Yi Xing e Chanyeol me segurava para que não caísse no chão tamanha era minha surpresa. – C-Como assim? Disse que voltaria...

- Eu sei, mas eles querem que eu jogue no campeonato da Ásia então tive que assinar agora com eles. Eu nem tive tempo para pensar...

- S-Sehun você precisa voltar para cá. – Olhei para Baekhyun que já chegara e me olhava surpreso. – Nós temos que resolver uma coisa, eu tenho que dizer que eu estou g...

- Por favor Luhan, é uma chance que eu tenho agora, e meu pai quer que eu faça para ajudar ele no trabalho também. Não seja egoísta, eu vou voltar para ti eu prometo.

- Humpf promete... – Sorria de lado apertando o aparelho em meu ouvido – Esqueça Sehun.

- O que foi? N-Não é isso o que eu estou dizendo.

- Mas é o que eu estou dizendo.

Desliguei o telefone jogando o aparelho com força contra a parede. Baekhyun me abraçava tentando me acalmar, mas tudo o que sentia era raiva e uma tremenda vontade de chorar. Apertava os dedos em minha mão as fechando em um punho, tudo o que eu queria era um motivo para continuar com tudo aquilo.

Ninguém me perguntou sobre o que resultou a conversa, e talvez nem seja necessário já que minha reação foi explosiva. Os meninos não demoraram em me arrastar para minha casa quando gemi baixo sentindo dor no baixo ventre, respirava fundo enquanto pensava em qualquer outra coisa até que me recordei da primeira ultrassonografia que fiz e do pequeno embrião que surgia na imagem. Eu tinha um feto dentro de mim, necessitando de meus cuidados com urgência. Eu optei por ter aquela criança e eu havia negligenciado totalmente ela apenas para cumprir de meus caprichos.

Se Sehun estava focado naquilo que lhe daria prestigio, eu me focaria naquilo que me dará felicidade.

Assim que chegamos em casa troquei de roupa e me deitei na cama repousando de meu corpo. Yi Xing e Jun Myeon se entreolhavam e suspiravam, assim o maior deles se sentou na beirada da minha cama enquanto me olhava calmamente.

- Vamos para a China Luhan. Acho que é necessário você se desprender á tudo que se relacione á Sehun.

- Concordo. – Jun Myeon acariciava de meus cabelos sorrindo – Yi Xing vai ter um campeonato lá, vá com ele. Eu vou ficar para pelo menos me formar e logo estarei com vocês.

- Obrigado por cuidarem tão bem de mim.

- Você é o nosso filho postiço. Faremos tudo por ti.

Ri um pouco naquele dia, é os dois eram meus melhores amigos de fato. Até tinha me afastado dos demais, até de Min Seok que era meu colega de classe eu tinha deixado de conversar. Mas a minha situação era tão intensa que nem me dava ao luxo de pensar em algo bom para poder acabar com aquela distância.

No final das contas, acabei por aceitar aquele pedido, e parti para a China.

●••●

●ϟ● 7 мєรєร dєρσiร•●ϟ

Apreciava completamente daquele dia de calor, os dias anteriores haviam sido com um sol forte com direito a umidade baixa e tive que tomar todo cuidado quando meu nariz sangrava por conta disso, sem falar na grande quantidade de água que passava a beber. Mas agora o sol estava brilhando com direito á um vento gostoso que assoprava por entre as montanhas. Olhando para o campo de flores em frente á casa em que estava, acariciava a grandiosa barriga de oito meses e sorria largo com a calmaria que o ambiente me proporcionava.

Via de longe o casal se aproximar com as sacolas em mãos, estávamos nos preparando para a vinda de Chanyeol e Baekhyun que estavam de férias da escola. Sendo assim Yi Xing e Jun Myeon se propuseram a comprar algumas coisas para os dois furacões que chegariam.

- Ya o que está fazendo? Deveria estar repousando! – Jun Myeon corria até mim e eu ri apenas me levantando do jardim, passando as mãos em minhas roupas.

- Queria respirar um pouco, lá dentro estava chato.

- Humpf tem que repousar a doutora logo chega pra te examinar.

Por ter ido á China, o médico sul coreano nos passou o número de uma colega que nos recebeu de bom grado, ela optou por fazer os exames em casa, sendo assim só saía quando realmente necessário. A intenção dela era me manter longe do ritmo apressado das pessoas que vivem na cidade, e isso de fato ajudava a ficar mais tranquilo.

Entramos na casa espaçosa logo me sentando na cadeira com almofadas. Queria comer um mingau que Jun Myeon sabia fazer e com esse calor ele preparava com leite gelado, já sentia o estômago roncar de tanta vontade que sentia. Conversávamos enquanto o casal estava na cozinha ajeitando as compras, logo meu celular, que havia comprado assim que cheguei á China, tocava de forma estridente nos causando risadas pelo susto que Yi Xing levou.

- Oi Baekkie – Ria ao atender o telefone.

- Y-Ya eu ainda sou seu irmão não é?

- Que história é essa claro que é.

- Você sabe que Chanyeol está trocando de medicamento e por isso está totalmente sem noção, não é?

- O que foi ele te fez algo?

- H-Hyung estamos no aeroporto agora...mas acho que precisa arrumar mais uma cama.

- Baek está me deixando nervoso, o que aconteceu? Tem mais alguém vindo?

- Luhan – Chanyeol falava de forma manhosa, porém sua voz era um sussurro assim como a de Baekhyun. – Eu fiz besteira...me perdoe.

- O que você fez? Engravidou Baek?

- Quem me dera – Baek havia falado novamente – Como eu disse estamos no aeroporto, o problema é que Sehun está vindo com a gente.

Deixara o celular cair na mesa, Jun Myeon pegou o aparelho colocando no viva voz enquanto eu sentia aquele nervosismo novamente. Os últimos meses tinham sido tão tranquilos para mim, fazia tempo que não ouvia daquele nome e agora parecia que as emoções que estavam guardadas voltavam com toda força. Olhei para os dois a minha frente que ouviam o que Baek contava ainda em sussurros, e aquilo me deixava mais apreensivo ainda.

Segundo o menor o Sehun havia chego de Seoul fazia algumas semanas e que enquadrou todos de nosso circulo de amizade, enquanto queria saber sobre mim.

- Isso piorou quando ele percebeu que Yi Xing não estava aqui – Chanyeol dizia – Foi ai que ele veio atrás de mim e do Baek.

- Espera o que eu tenho haver com isso? – O chinês se pusera á frente, mas Jun Myeon sinalizou para que não perguntasse.

- E porque ele está vindo para cá?

- Ele enquadrou Chanyeol até que ele falasse algo, e ele disse que Luhan estava na China com vocês dois. – Baekhyun tinha a voz trêmula, fico a imaginar a cena, pobre Chanyeol deve ter sido difícil para o grandalhão se controlar em seu atual estado. – Eu acabei desabafando, contei tudo hyung, contei sobre a mãe dele te ameaçando, contei sobre a gravidez, o motivo de suas dores e desmaios, contei tudo e tudo. Ai ele tentava te ligar, mas falei que na ultima conversa de vocês o hyung tinha quebrado o celular.

- Se ele está vindo para cá...

Os dois me olhavam, eu já suava frio e sentia aquele reboliço no estomago. A vontade de tomar do mingau gelado se fora, agora parecia que nada podia ser ingerido que eu vomitaria.

- Temos que desligar hyung, Sehun ta vindo.

Aquela noticia serviria apenas de empecilho para mim, eu estava tão nervoso por aquilo que tudo em minha volta começava a girar, segurando firme os braços de meus amigos, caminhamos para meu quarto onde precisava com urgência repousar. Assim que deitei na cama, Jun Myeon ligou o umidificador de ar e se sentara na beira da cama. O rapaz me acalmava e assim eu podia me sentir um pouco mais calmo naquele instante, acariciando da barriga sentia o pequeno movimento, um chute para ser mais preciso, do bebê. Durante todos aqueles meses a criança era quieta, por mais que conversasse de forma boba eram poucos os movimentos que ele/a fazia, e agora que ouvira sobre o pai é que se mexeu.

Fiquei ali deitado acariciando a barriga e não demorou para que adormecesse.

❖----------------------------------❖

Nenhum comentário:

Postar um comentário