{LBR} Capitulo 11


Olhava para o guarda roupa entrando em um pequeno surto mental. Min Seok já dormia calmamente em sua cama junto ao seu parceiro, tive de ficar fora do quarto durante todo o jantar, fiquei praticamente o jantar inteiro olhando em volta da sala procurando por Sehun, mas ele apenas se manteve na cozinha conversando com outros garotos do time de hóquei, e claro com sua fisionomia séria e fria de sempre. Não pude deixar de sorrir em pensar que aquele era apenas o jeitinho apenas dele, até me recordei da forma como Baekhyun e os demais meninos disseram sobre a possível exclusividade que eu tinha. Seus olhos se encontraram com os meus, alarguei o sorriso para si que apenas baixara a cabeça e a balançava voltando a conversar com os amigos.

Suspirava baixo pegando a sunga e o calção de banho, uma camisa branca a vesti antes que a lanterna do celular acordasse o casal. Não me preocupei em levar o celular ou uma toalha, tentaria ao máximo ficar seco e evitar uma gripe e novas preocupações. Saí do quarto descendo as escadas com cuidado, já estava alguns minutos atrasado de tanto que havia me demorado a escolher a roupa que deveria usar. Passava com dificuldade pelos corredores escuros, chegando na cozinha atravessara rapidamente a porta olhando para a porta.

A piscina estava descoberta, e parte dela escondidas nas sombras. Aproximei segurando firme em minha blusa, me sentia tão afoito e nervoso que não sabia nem se o que eu enxergava era real. Procurava por Sehun e logo o vira nadar na piscina até a borda próxima onde eu estava, abri um pequeno sorriso me sentando na beira deixando apenas as pernas submersas na piscina. Sehun se aproximava ajeitando os fios molhados se apoiou ao meu lado olhando com um sorriso pequeno.

- Pensei que tinha me deixado sozinho nesse frio.

- Não me parece sentir frio. – Olhei de seus braços, observei que eram fortes e bem musculosos, acabei por desviar o olhar coçando a nuca envergonhado.

- Estou acostumado com o frio – O olhei com o rosto ainda corado. – Está se sentindo melhor?

- Uhum. – Sorri para ele desviando o olhar para o céu, ali não havia nuvens então as estrelas brilhavam sob o contexto azul escuro. A lua estava emersa sob uma sombra escura, inclinei a cabeça logo vendo que ocorria do eclipse lunar. – É uma pena termos que ir embora no domingo.

- Verdade, mas admito que estou com saudades da minha cama. – Rimos por um tempo então o silêncio reinou novamente, pareciam que os dias tinham se passado tão rapidamente, e de fato passaram mesmo assim ali na casa decimal tínhamos uma liberdade tão grande, e isso não temos em nossas casas onde somos supervisionados por adultos cheios de responsabilidades que nos tiram os sonhos de um crescimento saudável e sonhador.

- É...eu também.

- Legal não? – Olhei para Sehun que estava sentado ao meu lado, também olhando o céu. Apenas assenti para si, voltando a olhar para a lua, suspirei em admiração ao fenômeno. – As pessoas acham que sou alguém frio, deve ser por isso que me identifico...

- Sabe... Eu acho que apenas vive a vida do jeito que quer. – Voltei a olhar pro maior, que me observava com sua fisionomia fria, apesar de me sentir levemente confrontado com o olhar, me mantive forte em sorrir. – Você é Oh Sehun, apenas um garoto que faz o que quer.

- Pensa que sou assim?

- Espero que seja – Sorri levemente, voltando a olhar para o céu. – Siga seus sonhos, esse é meu lema.

Através daquelas palavras que pareciam ter sido sussurradas ficamos em pleno silêncio. Suspirei admirando a lua ser escondida na sombra, mexia as pernas na água fria da piscina apenas curtindo daquele momento. Ás vezes o olhar frio de Sehun me deixava nervoso, parecia que eu havia feito algo errado e que poderia ter lhe aborrecido, e assim que aquele olhar poderia ser um sinal para que ficasse em silêncio. Mas na verdade era apenas o seu jeito de ser, ele não sorria com tanta facilidade, acredito eu. Fico a me perguntar como seria se ficássemos juntos, de fato.

Claro que imaginava aquilo era sinal de que minha atenção foi chamada por ele, era sinal de que eu estava totalmente interessado em conhecer um lado de Oh Sehun, um lado totalmente inexplorado e que poderia ser totalmente meu se eu quisesse. Talvez a fama que eu ganharia seja uma fonte de tentação... Balancei a cabeça levemente e percebi que era observado pelo maior, sentia as bochechas enrubescerem, mais uma vez iria desviar o olhar se não fosse o toque de seus dedos gélidos sobre os meus, e a força que seus olhos tinham sobre os meus me mantendo de seu refém.

- Sabe. – Ele começou, sem desviar os olhos e nem afastar de seus dedos. – Acho que é por isso que eu estou interessado em você.

- O que? – Tentei me afastar um pouco, era a primeira vez que alguém me dizia aquilo, mas a forma como sua mão se pôs sobre a minha, me fez ficar ali o olhando de forma curiosa.

- Não... Você apenas faz aquilo o que lhe convém, segue seus sonhos sem se importar com o que os outros dizem. Gosto disso.

- A-Ah, entendi.

Precisava desviar o olhar de si, a única escapatória que tive foi de voltar a olhar para o eclipse lunar. Mordia o lábio inferior por estar tão próximo dele. Meu coração batia rapidamente e sua mão segurava da minha lentamente, não deixei de voltar a olhar para ele, vendo seu corpo um pouco mais próximo de mim.

- Estou perdidamente apaixonado por você Luhan.

Seus olhos pareciam ter brilhado naquele momento e eu me perdi naquele olhar. Se meu coração que já batia de forma acelerada agora nem sabia como controlá-lo. Minha voz já havia escapado naquele instante, e seus dedos se entrelaçavam sobre os meus. Não sabia se deveria dizer algo ou apenas deixar que o momento seguisse seu curso natural. Sehun apenas sorrira para mim, inclinei a cabeça sem saber mais do que fazer com ele, me deixava em um labirinto de emoções novas.

Sua mão livre segurou de meu rosto, o polegar gélido acariciava minha bochecha quente, e meus olhos fitavam os seus intensamente. Seu rosto se aproximou ao meu de forma lenta, e eu compreendi o que poderia vir a seguir e tentava manter minha mente o mais calmo possível. Logo sentia a pressão novamente, diferente daquela ultima vez. Dessa vez a pressão era um pouco mais forte, e instantaneamente fechei meus olhos retribuindo daquele selar, e apertar levemente seus dedos entre os meus.

O modo como sua língua deslizou por entre meus lábios me pareceu ser um sinal para que aquilo se aprofundasse, e eu queria muito daquilo. O beijo se aprofundou e eu deixava que ele me guiasse naquela primeira aventura. Nossas mãos se apertavam uma na outra e então a necessidade de ter mais contato parecia ser algo gritante no momento, porém consegui me conter em apenas sentir de seus finos lábios se moverem lentamente sobre os meus.

Os minutos pareciam horas naquele instante, e logo o beijo se findou com selares demorados por minha parte, eu queria continuar com aquilo. Abri os olhos lentamente vendo o seu rosto próximo ao meu, os lábios entreabertos e levemente avermelhados me fazia tomar da iniciativa e beijá-lo novamente. Meus braços já se apoiavam por seus ombros, e suas mãos se aprofundavam em minha cintura, dessa vez o beijo era mais afoito e apaixonante para mim. Se eu pudesse queria que aquele momento continuasse para todo o sempre, só pelo fato de me sentir tão bem com Oh Sehun.

●••●

Observava de meu adversário enquanto suspirava baixo mantendo a consciência, os gritos eufóricos de meu treinador e capitão eram os que mais se destacavam. Desviava um golpe e transferia de outro em seu estomago, comecei a desferir uma série de socos sendo que em sua maioria eles eram desviados pelo adversário. Meus braços já latejavam, e eu precisava garantir de minha vaga nas oitavas de finais.

Naquele momento estava em tremenda desvantagem, pois pensei ter ouvido alguém dizer o nome de Sehun e isso capturou de minha atenção, e com isso um soco em minha mandíbula me jogou ao chão desnorteado por alguns segundos. Com os gritos roucos do treinador me levantei depressa ainda sem ter todo o meu equilíbrio, e então voltei a me concentrar para poder ganhar. Ele se movia de um lado para outro tentando me confundir, meus braços passavam despercebidos em seu lado tamanha era sua agilidade em se locomover. Pensei em prestar atenção em pontos mais largos e difíceis para ele mover, assim acertando sua barriga o via se curvar, e dessa vez, acertei de sua mandíbula o nocauteando com sucesso.

O sino tocou finalizando a luta daquela noite suspirei jogando os braços pra cima recebendo os aplausos e gritaria dos torcedores. Saí do ringue sendo seguido pelos demais, mas o que eu mais queria era uma garrafa de água bem gelada, e a mesma fora entregue por Yi Xing, a segurei e bebi um grande gole tamanha era minha sede. Segui para o vestiário me deitando no banco recompondo de minhas energias que havia perdido naquela luta. Agora era só lutar com mais um adversário e dar o meu melhor para vencer daquela luta.

- Não pode se distrair LuHan – O treinador Xing dizia se agachando ao meu lado, o olhei bebendo outro gole da água sentindo o gosto de ferro, provavelmente de meu lábio cortado. – Isso prejudica até demais, olha só quase perdeu por causa disso.

- Tudo bem cuidarei disso.

Assentia recompondo minhas energias, o treinador voltava a conversar comigo sobre o próximo oponente daquela noite, o treinador era bom em observar os lutadores e pegar de suas fraquezas, se um cara com dois metros de altura tiver um habito durante a luta, o treinador era capaz de ver e ainda montar uma estratégia para usar isso como sua força. Eu queria muito poder ter essa percepção, mas para isso eu precisava trabalhar melhor o meu foco de atenção.

Olhava o relógio e pensava que Sehun deveria já estar o ringue, Baekhyun então talvez do no segundo tempo do jogo que poderia lhe trazer a vitória para a escola. Todos estavam ocupados, ninguém viria me ver lutar contra outros garotos de minha idade. Sentei no banco refazendo os movimentos de acordo com as instruções de Yi Xing, foquei-me completamente no que era falado sobre o adversário e tentei imaginar aquilo para a ação.

Logo o horário se dava para a luta, e a minha seria a próxima. Sem ter muito o que fazer me levantei indo para a janela que dava para observar o ringue. Observei meu adversário lutar e assim ficou mais fácil de entender o modo como ele se movia com o que treinador falava. Cruzei os braços abrindo um sorriso sádico em imaginar o quão bem eu ficaria em dar-lhe um soco. Ele nocauteara seu oponente com facilidade, a luta durou apenas alguns minutos e isso me deixou mais nervoso e ansioso por aquilo.

Caminhava pelos corredores seguindo para o ringue colocando a proteção colocada em meus dentes voltando a ouvir o grito do povo, assim que meu nome foi chamado subi no ringue cumprimentado o oponente e assim ficando em posição de luta. Ficávamos a andar em círculos esperando que um tomasse a iniciativa, dei um passo a frete passando o braço por volta de sua cabeça e deixando o braço esquerdo protegendo minha barriga que logo seria atingida por ele.

A luta começara com os socos já fortes e bem carregados, era difícil de desviar aqueles golpes, agora que era o seu alvo via a dificuldade em botar em ação aquilo que fora dito, meu corpo se preparava para revidar os golpes e não para relembrar o que fora dito. Abraçando de sua cintura dei uma cotovelada em seu abdômen, porém sua mão trouxe um soco grande em minha mandíbula me afastando de si. Apoiando nas pequenas faixas do ringue, passara a luva sobre os lábios vendo o sangue escorrer, suspirei sorrindo de lado indo até o oponente desferindo, novamente, um soco na mandíbula. Outro soco abaixo de seu olho e então um chute na barriga o fazendo cair. Fiquei sobre si o impedindo de se levantar saindo somente quando o juiz me puxara pela cintura. Ergui os braços ao som do apito final sorrindo largo em ter ganho daquela luta.

Retirei da proteção descendo do ringue indo abraçar o treinador e o capitão que me envolveram de elogios, sorri olhando em volta vendo que apenas os demais boxeadores do clube estavam ali. Tentei sorrir para a minha vitória, ate mesmo depois de me trocar seguimos pela cidade para comemorar em um restaurante, minha fome era imensa sem falar na minha sede, já havia bebido cerca de cinco garrafas de água naquela noite.

Sentei-me no canto da mesa vendo os rapazes bebendo dos refrigerantes e sucos como se fosse um drink de um bar qualquer, eles falavam alto fazendo piadas e rindo sem se preocuparem com as outras pessoas que ali estavam jantando, apesar de já ser quase duas da manhã. A luta começou tarde já, mesmo assim o tempo passara rápido. Encostando na cadeira comia do hambúrguer sem me importar com as dores em meu rosto, logo Min Seok se sentou ao meu lado sorrindo largo.

- O time do futebol conseguiu o terceiro campeonato. – O menor esticou do celular para que eu lesse a mensagem de seu companheiro, Jong Dae. Olhei a mensagem abrindo um pequeno sorriso, porém voltei a comer. – Disseram que o time de hóquei foi para as finais com um grande rival.

- Bom não me importo. – Dei de ombros passando a beber do refrigerante.

- Não fique chateado, eles também estavam competindo hoje e já devem estar dormindo de cansaço.

Acabei por suspirar e sorrir levemente para Min Seok, porém o menor compreendeu que não estava chateado naquele momento apenas com a adrenalina da luta no sangue, e que jogava tudo para poder terminar daquele hambúrguer. Aquela baderna durou até as quatro da manhã, no final o treinador Xing dirigiu para a casa decimal sob a cantoria torta dos garotos, me recuso a tentar entender a letra naquele momento a paisagem me trazia o sono, mas o vento ardia ao bater em meu rosto. Quando chegar na casa teria de cuidar dos machucados, porém não daria muito tempo para dormir, já que as sete da manhã iríamos voltar para a cidade.

Fechei os olhos por um instante, porém minha paz se foi quando Min Seok e Yi Xing me puxavam para cantar com eles, acabei dando de ombros e entrei na brincadeira me divertindo com a minha vitória e meu começo nos ringues.

●••●

Seis e meia da manhã e eu ainda arrumava das minhas coisas, apenas acordei com os cutuques de Min Seok e corri para arrumar minha mala com as minhas roupas. No banho tentara a todo custo tentar não gemer com a ardência dos cortes, me vesti rapidamente colocando o capuz na cabeça e pegando da minha bolsa indo para fora da casa decimal, olhei o celular vendo as mensagens de minha mãe perguntando a que horas iríamos chegar.

Desci as escadas e me direcionei para o lado de fora da casa decimal, vendo apenas um ônibus, o motorista me olhou fazendo sinal de que estava atrasado apenas me curvei pedindo desculpas, subindo para o ônibus vendo que o mesmo não estava tão cheio quanto esperava, na verdade estava quase vazio, os alunos estavam sentados no fundo sendo assim resolvi ficar mais na frente sem ser incomodado. Ajeitei a bolsa em meus pés e olhar para a janela, puxei as cortinas as fechando deixando aquele pequeno espaço escuro.

Fechei os olhos deixando os braços nos apoios, suspirei sonolento acreditando ter tirado um cochilo ao encostar a cabeça na poltrona e sentir o ônibus começar a andar. Não prestava atenção em mais nada além de meu corpo relaxar naquele estado, mas o movimento na poltrona ao lado me chamou um pouco da atenção, mesmo assim não me atrevi a abrir os olhos para ver o que poderia estar acontecendo, não até sentir dedos gélidos tocarem em meu braço e esses mesmos dedos se entrelaçarem aos meus. Abrindo os olhos me surpreendi em ver Sehun ali, ele abriu um sorriso pequeno enquanto me olhava calmamente.

- Uau está arruinado na sua luta?

- O que? – Arqueei a sobrancelha, mas logo entendi que era sobre os machucados. – Ah é normal.

- Eu sei – Seu olhar baixou, logo sentia seu polegar acariciar minha mão e então lembrei que a ultima vez que o vira eu tinha praticamente pulado em seu colo o beijando. – Devo dizer que fiquei preocupado contigo.

- Por que? – O olhei curioso, dessa vez iria esperar uma iniciativa dele. Tudo bem que na ultima vez fora ele quem me beijara primeiro e eu apenas fiz o que me deu vontade naquele momento. Porém não queria dar a impressão de que eu sou atrevido que se entrega para qualquer um....Não que Sehun fosse qualquer um....

- Eu sabia que era sua luta e que sairia machucado. – Olhei de seus olhos ficando preso em si, mais uma vez. – Eu queria estar lá para poder cuidar de ti.

A mão apertara sobre a minha e seu rosto se aproximou do meu, um selar fora depositado em meus lábios e de imediato o correspondi. Um beijo se iniciara aquele nervosismo em meu estomago crescera e a necessidade de mais contato aumentara também. Sua mão livre viera ao meu rosto acariciando de minha bochecha e aquilo me fazia aumentar do ritmo daquele beijo.

Aquilo era fato... Eu estava me viciando em Oh Sehun.

Quando o beijo fora quebrado seu rosto apenas se afastara minimamente do meu, podia sentir o rosto enrubescer naquele mesmo momento.

- Quero que seja meu namorado, Xiao Luhan. – Sua voz soara baixa, arregalei os olhos surpreso com o pedido... ou a convocação do maior que apenas me observava atentamente.

- O que? Mas eu sou....homem....

- Não me importa. – Sehun erguera de nossas mãos, seus olhos não desviaram dos meus. – Eu quero ter você apenas para mim. Sou possessivo e não vou permitir que ninguém além de mim o toque...

- S-Sehun-ah....

- Apenas seja meu. – Ele sussurrou como se aquilo fosse um pedido sôfrego, encostou as nossas testas. – Posso parecer estranho e talvez eu até seja... mas eu sinto que eu não te tiver para mim eu vou enlouquecer.

Os rumores sobre Sehun eram praticamente sexuais que diziam á respeito de sadomasoquismo, tenho de concordar que se fosse julgar por sua aparência ele de fato parecer gostar disso. Mesmo assim eu não pensei que naquele momento eu me sentia uma propriedade, não que eu me sinta mal quanto a isso na verdade era a primeira vez que alguém fazia questão de me ter por perto.

- Me responda.

Não consegui dizer nada, apenas assenti levemente para si vendo abrir um sorriso largo selando mais uma vez de meus lábios. Agora era oficial, eu estava namorando Oh Sehun... o meu admirador Rink.

❖----------------------------------❖

Nenhum comentário:

Postar um comentário