{Seulement Vous} Capitulo 3

Fanfic / Fanfiction Seulement Vous - Capítulo 3 - Capitulo 3
29 de março
- Yi Xing – O alfa abria a porta do grêmio para o presidente e lhe aguardava ao lado da mesma dando passagem ao menor. O sorriso brincalhão novamente despontava nos lábios do garoto, deixando o ômega fraquejar internamente. – Me chame de Yi Xing.
O ômega apenas assentira tendo seu rosto ruborizado, era um passo que dava para que seu amor aprofundasse mais do que deveria. Era para ser um romance de colegial, algo que proporcionasse apenas uma experiência e não que lhe afetasse em demasia. Se deixasse guiar por aquele sorriso tão cordial, os brilhos de seus olhos poderia se ver no futuro chorando em seu quarto por jamais se esquecer de alguém como Lay... não, Yi Xing.

Com passos firmes e soltando um pigarrear baixo, Jun Myeon caminhava dentro do grêmio o encontrando completamente lotado. A mesa redonda com alguns assentos estavam praticamente todos ocupados. Imaginava que os garotos ali estariam para ajudar os lideres á cumprir de seu castigo, de qualquer forma previa um desconforto grande para as próximas semanas, pois os olhares maliciosos de um dos garotos pareciam furtar a alma. Sentando-se em seu lugar habitual, ajeitou a pilha de folha e olhou para os dois ômegas que desviavam o olhar para si.
- O que foi? – Sussurrava o presidente, vendo o vice se inclinar para si.
- Os rapazes trouxeram ajuda, mas o clima está bem tenso.
Olhando em volta, Yi Xing se sentava á direita ao lado de dois outros rapazes, de frente para eles estava Jong Dae com o mesmo numero de garotos. Os seis sentados de forma despreocupada enquanto se encaravam em total desgosto. Pigarreando alto e cerrando o cenho, tentando encontrar sua fisionomia mais máscula que poderia transpassar aos rapazes, o ômega se ajeitou e olhou seriamente para os lideres.
- Bom rapazes, hoje irei entregar á vocês suas listas de afazeres. Como trouxeram ajuda, fica á seu critério o modo como irá redistribuí-los.- Separando a pilha em três pequenos montes, entregando dois ao seus colegas do grêmio que começavam de imediato a separar as atividades – E lembrem-se, estarei de olho em vocês, espero que não tenham qualquer problema.
Um dos rapazes de Zagan, cabelos descoloridos e sorriso travesso puxara o ar para comentar algo malicioso ao presidente, mas os olhos de seu líder o fez recostar na cadeira. Não poderiam lhe dirigir uma palavra maliciosa, o garoto estava sensível com as brincadeiras e agora que tinha o poder de controlar seus históricos, não seria engraçado vê-lo rasgar as folhas os dizendo para serem catadores de lixo. Meros pensamentos que não se podiam dizer reais, talvez não chegaria a tal situação e era fácil de compreender que a vida acadêmica não poderia terminar por conta de um mau humor. Mesmo assim todo cuidado era pouco.
Baekhyun ao terminar de separar as listas olhava para seus companheiros, se recusava a olhar para o rapaz de cabelos descoloridos que estava de frente para si, os olhos dele tinha algo quente e com o sorriso zombeteiro saberia que seus pensamentos não eram dos melhores. Possivelmente ele já conseguiria sentir de seu cheiro, estava prestes a entrar no cio. Iria ficar um tempo fora e já doía em seu peito deixar o presidente do grêmio sozinho com aqueles alfas. Iriam lhe judiar tanto, até conseguia imaginar as cenas, o pobre garoto romântico sendo humilhado e torturado por causa de suas emoções. Queria tanto ser um beta naquele momento, para poder proteger o garoto e manter sua inocência.
Soltando de um suspiro, entregou ás atividades para os dois lideres, evitando olhar para seus companheiros enquanto explicava as listas com cuidado. Min Seok ajeitava os papéis com os relatórios e entregava em seguida, explicando as mesmas regras e enfatizando-as. Olhando para o alfa dos Phenex mantinha-se firme enquanto seu interior parecia querer cair em pedaços diante da beleza daquele garoto. Claramente estava afeiçoado á ele, mas com as brincadeiras do dia anterior ficara receoso quanto á se juntar a equipe apenas para ficar ao lado de Jong Dae. Deixando os fios castanhos claros cobrir de seus olhos e esconder a pequena vergonha, o garoto voltava a fazer de suas tarefas habituais assim que terminara sua função para aquele dia.
Jun Myeon apenas deu a palavra final e dispensou os rapazes, a sala do grêmio era pequena e teria poucas janelas para ajudar a ventilar o ar de dentro, sendo assim permanecera por trinta minutos dentro da sala com o cheiro doce daquele alfa de Zagan. Estava se controlando ao máximo para não pular em seu colo e cheirar daquele pescoço, o problema seria que aquilo lhe faria excitar demais e ter sua primeira foda totalmente destruída por impulsos instintuais. Queria romance, beijos, caricias, elogios e olhares calorosos além de uma boa pegada e longas horas de prazer. Balançando da cabeça fez seu discurso o mais rápido para ver os garotos fora de sua sala, para que pudesse soltar o ar de seus pulmões e voltasse a respirar normalmente.
Encostando-se em sua cadeira vendo a porta ser fechada, os três ômegas pareciam suspirar aliviados por ter aquela tensão tirada de suas costas. Mesmo assim precisavam continuar com os relatórios e alguns assuntos pendentes. Aquele ano eles teriam de adiantar conteúdos já que no ano seguinte novos alunos iriam suceder seus cargos. Precisavam preparar o baile de formatura, a viagem de formatura, a semana cultural e a semana de jogos dentro de dez meses. Adiantando assim os primeiros planos para que a diretoria pudesse comprar dos equipamentos e preparar orçamentos que estejam de acordo com a escola.
Baekhyun era perfeito para aquilo, ótimo em contas e sem falar no seu controle das finanças. Com ele nada era esquecido sendo assim preparava a lista para opções de lugares onde no final do ano os alunos poderiam viajar. Min Seok era criativo e tinha bastante controle de liderança e saberia arrumar os alunos, principalmente dos clubes de teatro e publicidade durante a semana cultural. Jun Myeon era o líder, sabia conversar com os adultos de uma forma impecável e ainda resolvia dos problemas com maestria, era um ótimo presidente da qual a escola se recordaria sempre. Sendo assim ficava sempre supervisionando todas as atividades e fazia questão de ouvir as opiniões dos alunos, mesmo que fossem divergentes. Nenhum assunto em especifico ficava consigo, ele cuidava de tudo e mais um pouco.
O silêncio fora quebrado quando a porta se abriu mostrando a figura esguia de um professor desajeitado, o peito que subia e descia rapidamente em uma respiração ofegante, o jeito que arrumava os óculos que estavam tortos em sua face. Algo errado.
- Jun Myeon pode cuidar da estufa para mim?
- O que? – O ômega piscou algumas vezes tentando se situar através da fala apressada do professor.
- Minha mulher está dando cria, preciso urgente ir ao hospital. Cuida da estufa, regue as plantas menores, pode as rosas, plante as margarinas perto das azaleias. Ah deixei tudo escrito – O professor limpava as mãos suadas em seu jaleco cheio de manchas de terra, olhando para o aluno sorriu cordialmente e assentia. – Conto com você, obrigado.
Saindo em disparada deixando os três estudantes surpresos, os dois ômegas soltaram uma risada baixa em ver o espanto na face do mais velho. Jun Myeon suspirava se levantando da cadeira, pegando de sua mochila seguia para a estufa.
O local era isolado e apenas para as aulas de jardinagem, na verdade os alunos mal iam á essa aula por não terem tanto interesse. Jun Myeon sempre a cursava por achar as aulas relaxantes e sedutoras, adorava as flores e as achava belas. A estufa ficava atrás do terceiro prédio onde encontravam os alunos dos segundos anos, teria de cruzar praticamente todo o terreno da escola para chegar ao local, era longe em demasia. Olhando em volta alguns estudantes frequentavam de seus clubes esportivos e corriam pelas quadras, olhava para as salas de aulas nos prédios alguns alunos tinham aulas de reforço.
Cruzando o estacionamento dos professores chegara em frente ao muro coberto de musgo. Afastando algumas folhas encontrara a maçaneta e a girou adentrando no caminho de terra cercado por árvores folhosas. Ah era primavera havia se esquecido de que na época nasceria tantas plantas belas. Fechando a porta atrás de si, seguia a trilha até chegar ao jardim propriamente dito. E como estava belo aquele local.
O verde era intenso, a grama estava aparada, conseguia sentir de seu cheiro, e tinha alguns enfeites como pedras brancas. Pulando sobre elas para evitar pisar nas folhas verdes, o ômega passava pela horta do professor que já estava grande, olhando os frutos sorria largo em ver que em breve a cantina iria receber novos alimentos suculentos. Chegara á pequena calçada, virando-se de frente para o jardim, conseguia ter total visão de sua beleza natural. Árvores grandes ao fundo, de um lado hortas e do outro estavam as flores, deveria ser ali que o professor iria cuidar naquela tarde.
Aproximou-se da pequena casinha onde tinha os materiais necessários, ao fundo uma pequena sala com a porta aberta mostrando ser o cantinho em que o professor ficava. Entrando na mesma encontrou sobre a mesa bagunçada a lista de afazeres. Realmente ele queria que Jun Myeon cuidasse, estava com o nome do garoto no papel. Lendo as instruções, deixou sua mochila sobre a cadeira e logo pegou do avental o amarrando em seu corpo. Seguindo pela pequena construção, pegara a tesoura e seguia para o jardim procurar pela fileira de rosas vermelhas.
As pétalas majestosas brilhavam á luz do sol, sorrindo largo o ômega se agachava diante da flor e acariciava as pétalas macias soltando uma risada baixa. Eram tão belas. “Agora sei por que te usam como presente”, pegando da tesoura começava a podar e retirar dos espinhos, teria calma em fazer, pois não poderia se machucar, entretanto haviam grandes quantidades a serem feitas. O professor simplesmente adorava rosas e as plantava imensamente, Jun Myeon suspirava se sentando na terra, e cortava com maestria as folhas irregulares.
Ao fundo do jardim o alfa observava o ômega trabalhar, na verdade se perguntava o motivo de segui-lo até ali e ficara espantado com o lugar bonito que a escola tinha. Não conhecia aquele pedaço, na verdade as aulas de jardinagem não eram de seu interesse, sendo assim nunca as frequentou. Assustou-se quando o ômega havia saído de seu campo de visão, mas se aliviou ao vê-lo retornar com um avental e tesoura em mãos. Agora o observava atentamente com as mãos no bolso, e se aproximava silenciosamente.
- Eae Myeonnie – O ômega se assustou quando ouvira a voz do alfa, olhando sobre o ombro soltou de um suspiro enquanto se virava para Jong Dae. – O que está fazendo?
- Eu que pergunto, o que faz aqui? – O garoto ajeitava os fios de sua franja, olhando para o alfa que se agachava ao seu lado.
- Ah eu te vi passar e resolvi te seguir – O sorriso largo do garoto fez o outro estremecer – Não irei te bater ou sei lá o que já fizeram contigo.
- O que fizeram comigo por sua causa? – Jun Myeon voltou a dar atenção em cortar os espinhos da rosa, com sua voz debochada e um sorriso leve mostrando o aparelho em seus dentes. – Se for ficar aqui então irá me ajudar.
- Se sua intenção é me espantar – O alfa sorria se sentando ao lado do menor esticando a mão – Não deu certo.
Fazendo uma careta o ômega entregou outra tesoura ao garoto, não iria lhe espantar dali já que poderia ajudar a fazer das tarefas mais rápido. Silêncio reinava entre os dois que apenas mexiam nas rosas delicadamente, Jong Dae observava o ômega ao seu lado pelo canto dos olhos, via sua expressão se suavizar e até mesmo encontrava a fisionomia concentrada do garoto, “será que fica assim na sala de aula?”, balançando a cabeça e voltando a mexer nas folhas, o alfa suspirava baixo ainda perdido em seus pensamentos.
- Deve me ver como um idiota – Sussurrava Jong Dae, apenas olhando a próxima flor começando a podá-la com cuidado. – Pelo o que eu fiz.
- Um idiota não – Respondia calmamente o ômega – Talvez como um imbecil.
- Imaginei que fosse.
- Espero que jamais faça isso de novo – Desviando a atenção para o ômega, Jong Dae prendera a respiração. Talvez fosse o maldito sol que se punha atrás do garoto o deixando radiante. Jun myeon parecia bonito daquele jeito. – Sabe, envolver outras pessoas em seus assuntos.
- E mesmo assim você me trata como uma pessoa comum.
- Te xingar te bater não vai mudar o que fez. – O ômega voltava a mexer nas plantas, tendo suas feições avermelhadas por conta da vergonha. Se tornava cada vez mais adorável para o maior. – Ele irá se esquecer disso e então tudo voltará ao normal.
- É...eu espero que ele esqueça também.
O murmúrio final do alfa não passou despercebido pelo ômega, que apenas fingia tê-lo não ter escutado. Passando pelas rosas lentamente as podando com cuidado os dois garotos terminaram da tarefa. Jun Myeon e Jong Dae conversavam calmamente ambos esquecendo quaisquer raiva e ódio que o dia a dia escolar proporcionava enquanto plantavam as sementes em um canto direcionado pelo professor. Talvez fosse essa uma característica do ômega que jamais havia descoberto antes, mesmo o alfa tendo feito algo humilhante consigo não o odiaria por completo, afinal de contas as emoções eram suas. Não se culparia por amar um garoto popular já que foi algo inesperado e sem controle, e fora seu descuido em deixar o diário cair.
- Jun Myeon – Min Seok aparecera ofegante no jardim, encontrando o ômega junto com Jong Dae conversando calmamente sobre as atividades da semana desportiva. Ajeitando sua roupa apressadamente, o vice-presidente aproximou do ômega quando o mesmo lhe direcionou atenção. – Duas ômegas estavam brigando por conta de um alfa, a diretora está lhe chamando.
- Aish esses seres - Resmungava o ômega retirando do avental e indo para a estufa, deixando os outros dois sozinhos. O rosto avermelhado de Min Seok não passava despercebido por Jong Dae que arqueava a sobrancelha levemente irritado por ter sido interrompido. O mais velho se aproximava com a mochila e olhou para o alfa sorrindo levemente – Bom até que foi confortável conversar contigo, mas ainda assim termine as tarefas não vai se livrar do seu castigo tão cedo.
- Ah que presidente malvado.
Jun Myeon apenas rira acenando para o alfa ao se retirar junto com o outro ômega. Jong Dae voltava a olhar para o jardim e suspirou baixo mordendo o lábio inferior.
- Até por alguém eu vou ter que brigar contigo irmãozinho.
Já era noite e Jun Myeon olhava para a tela de seu computador lendo as explicações para a resolução de uma equação complicada. Anotava em seu caderno e tentava resolver a questão, apagava quando errava e voltava a deslizar o gravite pelo papel. Anotava alguns meio de conseguir o resultado, assim como fazia observações em seu livro apontando possíveis erros e pegadinhas que os autores teriam feito. Estava concentrado em seu dever que não ouvira a porta se abrir mostrando a figura materna que segurava duas xícaras de leite quente.
A mulher de cabelos negros e face ainda juvenil sorrira em ver a fisionomia séria do filho enquanto anotava em seu caderno, encostando a porta conseguiu chamar a atenção do garoto, que se afastou da mesa e lhe direcionou um belo sorriso. Como adorava aquele sorriso, era idêntico ao do pai quando jovem. Não conseguia esconder sua preocupação, sorriso sorrateiramente se aproximou do filho lhe entregando a caneca branca com alguns detalhes em azul. Ao ouvir o agradecimento, sentou-se na cama do filho bebendo um gole do leite enquanto olhava para os cadernos do mesmo. Sempre impecável em sua caligrafia, e organizado com seu material.
- Estava fazendo o dever? – A pergunta parecia boba, mas era a única forma que a ômega encontrou de iniciar o assunto com o filho. O mesmo apenas assentira olhando para a figura materna sobre a borda da xícara. – Espero não ter te atrapalhado.
- Está tudo bem mamãe. – Sussurrava o ômega deixando a xícara pousar em sua coxa, deixando as pontas dos dedos na porcelana sentindo a quentura quebrar um pouco de gelidez de suas mãos.
- Sabe filho, tenho notado que está um pouco... Silencioso. – O coração do garoto se acelerara e o leve cheiro denunciou seu nervosismo. A ômega semicerrou os olhos e suspirou baixo sorrindo para a cria. – Aconteceu algo na escola?
- Por que acha isso?
Voltando a beber do leite, o ômega via sua mãe em um mínimo sinal de nervosismo. Ela mordia os lábios e colocava algumas mechas negras atrás da orelha, para então direcionar os olhos amendoados ao garoto á frente. Olhos esses percebiam o corpo do filho, o garoto usava uma bermuda deixando á mostra seu joelho com um hematoma. Algo acontecia.
- Normalmente passa a noite comigo e com seu pai, nesses dias tem ficado somente em seu quarto. – Apontando timidamente para a perna do filho, o garoto corava puxando a pernas para trás como se tentasse desviar da atenção da progenitora – Sem falar seus óculos, nunca fora um garoto de cair á ponto de se machucar e quebrar óculos. O que está havendo Jun Myeon?
Agora era vez de o menor morder o lábio inferior, tomava cuidado com o aparelho para não machucar de sua boca. Olhando para sua mãe e vendo os olhos brilharem em expectativa, suspirou ao notar que não conseguiria fugir de suas suspeitas. Nunca havia se importante com questões sexuais, na verdade quando entrou em seu primeiro cio, se quer tinha interesse em namoro. Seus pais apenas lhe ajudaram á passar o cio, mas com o passar do tempo criou técnicas novas que fossem confortáveis para si. Entretanto á três anos atrás encarou a primeira atração que sentia por alguém, e ainda um garoto. Sabia que seus pais não gostavam muito daquilo, já que os olhares curiosos e levemente suspeitos fazia o menor pensar que pessoas do mesmo sexo só ficariam juntos com a intenção de sexo e nada mais.
Mas ao entrar na escola pensou diferente, não foi apenas um cheiro, ou sua voz que o encantou, fora tudo. Jun Myeon não conseguia controlar os sentimentos que tinha por ser sua experimentação, e mesmo assim se perguntava como aquilo poderia ser certo, ou errado. Já era pecado por se apaixonar por um alfa que é líder de uma gangue que domina sua escola, só isso seria motivo para diversas punições ao ômega, e acrescentar o fato do mesmo ser homem apenas lhe faria ter certeza de trancafiar seus sentimentos. Como era seu plano original.
A questão principal era, estava ficando evidente e difícil de esconder, e sua mãe iria descobrir cedo ou tarde.
- Estou passando apenas por algumas dificuldades com os líderes, só isso. – Sussurrou tendo sua face ruborizada. Os olhos atentos da mãe e o cenho que franzia, deixava o menor ansioso e apertava cada vez mais da xícara morna.
- Sabe que pode nos contar tudo. Quer que eu peça á seu pai que...
- Quero aprender a resolver meus problemas sozinho – Pedia o filho sorrindo para a progenitora que olhava surpresa. Sabia que estava entrando em uma área restrita e perigosa, mas mesmo assim queria dar mais passos á diante e descobrir o que ele escondia de si.
- Me conte o que é. Nunca nos escondeu algo, porque isso agora meu filho?
- Mamãe eu sei como irão reagir e eu não quero acabar com a harmonia de nossa família – Bebia o restante do leite, agora morno, o garoto esticou a mão segurando a semelhante de sua mãe, passando o polegar pela pele macia. – Eu vou ficar bem.
- Se ficar tenso demais, prometa que irá nos chamar.
Não demorou para que as palavras da diretora no dia anterior ressoassem em sua mente. Ah aquilo era o instinto materno? Soltando uma risada baixa por conta da semelhança, e vendo o bico meigo nos lábios da mãe, assentia selando de sua promessa.
- Eu prometo mamãe.
❖❖
30 de março
Passava pelos portões da escola suspirando ao sentir que a semana se passava lentamente. O vento gélido da primavera balançava os galhos de árvores, deixando as pétalas de cerejeira voarem pelo céu e pousarem sob os fios negros do presidente do grêmio. Este caminhava pela entrada da escola, sentindo que sua pequena infâmia por conta do diário tivesse finalmente passado. Os alunos não lhe olhavam mais com tanto interesse, e agora parecia que seus dias voltariam a ser monótonos. O que por um lado seria um alivio poder ter sua privacidade de volta e admirar o alfa líder de Zagan secretamente sem ter olhos curiosos sobre si. Por outro lado, poderia Yi Xing se esquecer de seus sentimentos e voltar a não se falarem mais quando a semana desportiva se encerrar? Afinal seria esse o único motivo dos dois manterem contato.
Caminhando pelo prédio principal seguindo pelo caminho para o segundo prédio, vira o grupo de Zagan próximo ao chafariz, que ficava de frente ao segundo prédio. Via de longe Yi Xing, trajado em sua calça jeans escura habitual, a camiseta social com as mangas dobradas perto do cotovelo mostrando as tatuagens de seus braços, a camisa que não estava totalmente abotoada mostrava as caveiras desenhadas em seu pescoço, e sobre a camiseta social um colete azul escuro aberto. Estava vestido formalmente e parecia ainda mais belo, Jun Myeon parara de caminhar para admirar daquela beleza e até mesmo registrar em sua memória aquela visão para que de noite sonhasse consigo.
Sentindo de um aluno trombar consigo, o ômega acordou de seus devaneios e voltou a caminhar tendo sua face ruborizada. Yi Xing não demorou para avistar o garoto, o jeito apressado que corria. Ignorando de seus amigos, que comentavam sobre festas para o final de semana, olhava diretamente para o ômega e correu em sua direção, uma corrida em câmera lenta pela visão do menor quando o avistou. O alfa sorria belamente mostrando suas covinhas, que somente agora Jun Myeon percebera que ele as tinha.
- Bom dia Jun Myeon, posso tirar uma duvida contigo?
- Bom dia Lay-ssi. – Vendo o nariz do maior se franzir o menor corou e baixou o olhar de imediato – Quer dizer Yi Xing.
O ômega estava parado e logo voltou a encarar do alfa quando ouvia uma risada nasalada, ou algo parecido. Olhando de canto encontrara os amigos do mais alto lhe encararem sem demonstrarem muita alegria com aquela aproximação. Quantos problemas poderia arranjar por apenas ter atenção do alfa para si? Dando um passo para trás e olhando para o garoto novamente, o ômega apertava a alça de sua mochila respirando fundo tentando trazer novamente o seu olhar rígido.
- Alguns alunos querem participar de várias modalidades, quantas são permitidas?
- Ah bem – “nossa como é macho hein Jun Myeon, seja forte garoto” sua voz falhara, soltando de um pigarreado baixo coçou a nuca timidamente, deixando de lado a pose séria. – Todas as modalidades são permitidas, desde que o aluno esteja bem preparado fisicamente.
- Entendi. – Os olhos de Yi Xing transbordavam alegria naquela manhã, e notar aquilo fazia o menor ruborizar enquanto fitava sem piscar aquele ser em sua frente. Desviando os olhos sobre os cabelos do garoto, o alfa deslizou os dedos sobre os fios sedosos, segurando a pétala de cerejeira e sorriu abertamente, mostrando ao menor – Parece que essa flor fica bem em você.
- O que?
                Não escondendo a risada, Yi Xing apenas voltou a acariciar os cabelos do mais novo os bagunçando e então lhe agradeceu pela informação para seguir de volta ao grupo de amigos. Jun Myeon sentia seu coração bater aceleradamente, tendo seus olhos fitarem o alfa caminhar de sua forma despojada com as mãos no bolso. Pousando seus dedos sobre o peito, sentia aquela pequena bomba fazer seu sangue ir para o rosto.
- Por que me faz te amar cada vez mais?
Ao longe a garota ômega observava aquela cena franzindo do cenho e cerrando os punhos em raiva. Alguém estaria roubando o seu alfa de si.
A garota esperava pelo presidente do grêmio junto com outras duas ômegas, estalava a língua cruzando os braços impacientes pela demora do garoto em terminar suas atividades. Havia se escondido mais cedo quando os lideres saíram da sala do grêmio. Não compreendia o motivo do alfa agir daquela maneira com o garoto ômega, ele era estranho e isso seria o suficiente se não fosse por sua preferência sexual. Para a garota aquilo era repugnante em demasia.
Esperou impacientemente, até vê-lo sair desacompanhado, desviando o olhar para as duas outras garotas o pequeno grupo fora até o ômega, tampando de sua bunda e seus olhos, seguraram firmemente seus braços e o guiavam tentando mantê-lo quieto durante o caminho.
Jun Myeon estava assustado, se debatia para soltar-se de quem o segurava, mas os dedos da pessoa lhe apertavam o braço. Tentando falar algo enquanto sua visão e boca eram tampadas por algum tipo de venda, o garoto sentia as pernas ficarem fracas de medo. Ouvindo o eco de seus murmúrios e o som de porta sendo aberta, logo tivera seus sentidos livre. Olhou em volta reconhecendo o ginásio de natação, onde já havia sido escolhido para competições interescolares, inclusive o time de natação da escola era uma das melhores.
Acariciando seus braços olhou para trás encontrando as três garotas ômegas lhe fitarem com um sorriso irônico no rosto. Claramente estava com medo, não poderia ir contra uma garota e quem dirá três delas. Caso reagisse poderia acabar lhe trazendo problemas mais tarde, e isso estava fora de cogitação.
- Não fique todo alegrinho por ter atenção do Lay.
A garota dava passos pequenos em direção do ômega, o mesmo se mantinha parado e olhava atentamente para as três moças á sua frente, nenhuma delas parecia gostar de quaisquer aproximações no alfa, seria isso ciúmes ou apenas possessão. Sorrindo levemente, o garoto apenas cerrou os punhos em volta da mochila, tentando encontrar a coragem que sempre busca ter.
- Não estão aqui apenas para me dizer com que devo conversar.
- Estamos – O sorriso largo da garota parecia cada vez mais assustador junto com o brilho peculiar de seus olhos. Esticando a mão para trás, outra garota lhe entregara um livro de matemática. – Aliás sua função seria apenas nos ajudar á colar nas provas.
- Não me interessa o que espera de mim garota. – Jun Myeon retesava a mandíbula e cerrava o cenho desafiadoramente. – Se está com raiva por eu ter a atenção do Yi Xing, então o problema não é meu.
- Yi Xing? Como ousa pronunciar o nome dele com essa boca suja!
As pupilas dilatas da garota ômega fora o suficiente para que o menor desse um passo para trás, o movimento brusco resultado pela perca de controle da garota, fez com que o livro grosso fosse direcionado ao ômega. A capa dura acertou-lhe a boca, sentindo da ardência de seu aparelho ter rasgado de sua pele interna, o garoto passava os dedos na boca sentindo a mesma arder enquanto olhava para a garota que estava vermelha em raiva.
- O que? Acha que ele virá te resgatar como um príncipe? – Os passos da garota eram diretos e sua mão não se demorava em estapear a face do garoto que tentava se proteger com os braços. As duas outras garotas saíram de seus lugares e seguravam firmemente os pulsos do ômega. – Ele nunca irá se misturar com híbridos nojentos como você! Desapareça sua escória!
O passo adiante da garota e suas mãos que empurravam o ômega, fez o presidente do grêmio cair na piscina funda. Sentindo da ardência em sua boca aumentar, o garoto se debatia sentindo dos pulmões endurecerem no mesmo instante. Movendo os braços e pernas, tentava voltar á superfície para respirar, porém não conseguia fazer os movimentos coordenados. “Que droga, eu não sei nadar”.
Olhando em sua volta encontrava a imensa escuridão lhe rodear, não havia prendido ar suficiente para se manter abaixo da água por muito tempo, o peito começava a arder e a boca latejava intensamente. Aos poucos, soltou o ar e perdia da consciência sem ter chances de ver se seria aquela a sua ultima visão naquele mundo.
Jong Dae e Yi Xing corriam pelos corredores afobados, ouvindo do barulho da água direcionaram os passos apressados para o ginásio coberto onde se encontrava a piscina. Encontrando as três garotas fitarem a piscina horrorizadas, os dois alfas se aproximaram olhando a mesma vendo nenhum movimento ali além da mancha avermelhada na água. Ambos os garotos retiraram dos sapatos, trocaram olhares assentindo antes de pularem para a água. Mergulhando para o fundo da piscina, os garotos avistaram o corpo de o ômega afundar na piscina, Yi Xing esticou os dedos conseguindo segurar o blazer do garoto o puxando para si, Jong Dae puxava a cintura do outro alfa trazendo os dois corpos para a superfície.
Ainda olhando para a piscina, as três garotas olhavam aflitas para a água, Baekhyun e Min Seok já haviam chego com a enfermeira e trancavam as saídas para que as ômegas não saíssem do local. A sorte de terem visto as três levarem o presidente com o rosto coberto por um lenço, quando voltavam de suas atividades do grêmio. Os dois rapazes teriam saído por milésimos de segundos, apenas para seguirem ao almoxarifado e copiarem os documentos de contratação para a viagem de formatura. Conversavam tão animados que congelaram ao ver a cena, do ômega sendo levado á força para algum lugar, Baekhyun e encarregou de ir seguir as garotas, enquanto Min Seok chamaria por ajuda.
Claro que a primeira pessoa que Min Seok encontrara fora Yi Xing e Jong Dae no corredor enquanto se encaravam desafiadoramente, e em meio de ofegos chamou-lhes a atenção para o socorro, e vira os dois garotos já corriam rapidamente pelos corredores. O ômega lia as mensagens de Baekhyun afirmando o lugar, mas não conseguia acompanhar o ritmo dos alfas, resolvendo assim seguir o pedido do outro ômega em chamar pela enfermeira.
Todos olhavam para a piscina e suspiravam aliviados em ver os três ressurgirem. Yi Xing e Jong Dae dividiam o peso do ômega desacordado, e nadavam até a beira da piscina, onde apoiaram o corpo no chão. Jong Dae rasgava as roupas do ômega e começava a realizar a massagem cardíaca, Yi Xing olhava assustado para as marcas arroxeadas nos pulsos e no braço do menor, desviou a atenção para sua face e via o sangue ainda escorrer de sua boca. Rasgando de sua camiseta o alfa colocou sobre os lábios do ômega tentando conter do sangramento, logo a retirou para que Jong Dae realizasse a respiração boca a boca.
Mesmo sentindo-se incomodado com aquilo o alfa apenas observava o outro atender ás pressas os primeiros socorros. Assim que um ofego fora ouvido, Jun Myeon cuspia da água com sangue e gemia em baixo tom. Yi Xing não se demorou quando ouviu o pedido da enfermeira que o levasse para um quarto, o alfa segurou o ômega em seus braços e saíra em disparada.
Jong Dae sentou-se no chão com a respiração ofegante, olhou para as garotas atrás de si. As mesmas estremeciam ao olhar raivoso que o alfa tinha, cerrando o punho o garoto olhava fixamente para a garota que sempre via em companhia de Yi Xing.
- Sumam dessa cidade, porque se eu te encontrar farei questão de matá-las.

❖❖

Nenhum comentário:

Postar um comentário