{Seulement Vous} Capitulo 16

Fanfic / Fanfiction Seulement Vous - Capítulo 16 - Capitulo 16
Londres, Reino Unido, 03 de setembro, 13h da tarde
Profissões era algo extremamente difícil de entender, teria de escolher uma para poder se aprofundar em seus estudos e realizá-los futuramente para poder ganhar o seu salário e sobreviver á selva de concreto. Entretanto o que dificultava era saber no que exatamente é bom, qual a profissão que demonstrará mais facilidade em aprender e que não sentirá entediado. Uma profissão que possa ser interessante á todo momento, e que realmente goste. Esse era o dilema de Jun Myeon, não fazia ideia no que era bom e em qual ambiente poderia se imaginar trabalhando. Faltavam apenas alguns minutos para poderem sair do apartamento, e ainda não haveria escolhido a profissão que levaria o primeiro lugar para conhecê-la.

A lista que deveria estar pronta era como um cardápio, o ômega seguiria a lista para conhecer os trabalhos que os seus veteranos preparam, deixando o primeiro e o segundo lugar por ultimo. As duas escolhas de cursos deveriam ser consideradas as mais importantes e quase impossível de se decidir qual será a escolhida. O segundo curso que pensa em fazer, caso suas notas na prova final do vestibular não atinja as metas da primeira escolha, seria administração. Não que se sentisse á vontade com tal escolha, na verdade era o único curso que passava por sua mente e que seria produtivo e mais fácil de atuar após de formar.
Enquanto o alfa se arrumava, o ômega já pronto precisava apenas concluir a lista e então poderiam ir para a universidade. Tamborilando os dedos sobre a pequena mesa de madeira, o garoto olhava  alguns prédios pela sacada e suspirava entediado. Talvez devesse fazer algum curso no ramo empresarial além de administração. “Mas ficar sentado em frente de uma mesa fazendo tabelas para contabilidade não me parece legal”. Bagunçando os cabelos castanhos, soltando um baixo rosnado desistiu de pensar e deitou a cabeça sobre a mesa fechando seus olhos.
Yi Xing que terminava de se arrumar, observou o amante e balançava a cabeça. Durante toda aquela semana o garoto parecia imerso em pensamentos, quase parecendo uma tortura, apenas para saber no que era bom. O alfa observava-o durante seus estudos á tarde, e na escola sempre soube que o primeiro lugar em todas as matérias era dele. Entretanto havia uma matéria na qual Jun Myeon se dava melhor. Aproximando do ômega, massageou de seus ombros o deixando em uma postura mais ereta, inclinando-se conseguira selar de sua testa abrindo um largo sorriso.
- Já está cansado?
- Pensar cansa. – Jun Myeon esticava o papel branco com sua caligrafia, os dez cursos que iria conhecer naquele dia e apenas o primeiro lugar em branco. – Não sei mais o que pensar.
- Pesquisou na internet? – O alfa se sentava do lado do ômega, enquanto lia os tópicos. Porém nenhum deles parecia ser o suficiente para Jun Myeon, nenhum deles era interessante ou que combinasse com ele.
- Sim, mas apenas vi uma parte, lá tem tanta coisa.
- Hum... – Yi Xing baixava o papel entregando ao menor, sorrindo levemente segurou-lhe a mão e selou seus dedos – Vamos para sua universidade, conhecerá todos os cursos, enquanto isso eu irei anotar alguns que eu ache que seja perfeito pra ti.
- O que seria de mim sem você? – Jun Myeon acariciava o rosto do alfa, que sorria gradativamente.
- Com certeza sua vida seria bem chata.
Entre risos, o casal logo saía do apartamento para seguirem rumo á universidade. De mãos dadas o casal percorriam as ruas conversando calmamente, Jun Myeon sempre narrava o seu dia quando chegava das aulas, principalmente depois de ter feito amizade com um pequeno grupo de diversas nacionalidades, contendo apenas três jovens além de si mesmo. Suas turmas eram sempre cheias, e alguns alunos iam saindo quando percebiam que a universidade não era suficiente para o que procuravam. No primeiro dia de aula o ômega ficou sozinho apenas olhando no celular durante os intervalos, conversando com sua mãe e contanto como era e como estava. No segundo dia um rapaz chinês de belos traços sentou-se ao lado do ômega e os dois começaram a conversar. Somente pelo cheiro Jun Myeon descobriu que seu mais novo amigo também era um ômega.
Em apenas uma semana conseguira novas amizades, graças á trabalhos em grupos e demais atividades que os professores pediam. Entre esses trabalhos conheceu uma jovem garota de cabelos descoloridos, os olhos grandes e negros destacavam a pele branca além da armação de seu óculos também destacar sua beleza, não demorou para que em breve conhecesse o rapaz com quem namorava, um jovem de traços asiático e cabelos azulados. Os três amigos que Jun Myeon teria feito eram gentis e brincalhões, e sempre demonstravam intenso interesse em conhecer Yi Xing, já que o alfa era o assunto predileto do ômega.
Já tentaram pegar do celular do garoto para poderem ver alguma foto do famoso Yi Xing, porém Jun Myeon colocava senha em quase todos os seus aplicativos. Essas façanhas que eram sempre relatadas ao alfa, fazia o mesmo rir e se sentir envergonhado. Não teria ficado tão pressionado quando conheceu os pais do amante, mas os novos amigos... parecia que estava se alistando no exército e que precisava passar em todos os exames para se tornar um soldado.
Parando diante do imenso portão, o casal suspirava em ver o intenso movimento que havia. Jun Myeon guiava o namorado para o primeiro prédio enquanto seguia as direções que foram colocadas em cartazes para os visitantes. A imensa quantidade de pessoas que ali haviam era semelhante a um formigueiro, Yi Xing segurava firmemente a cintura do menor enquanto o mesmo guiava para o pátio central onde haveria mais barracas com os estudantes veteranos.
Assim que chego no pátio central, Jun Myeon olhava a lista e começava a suspirar baixo. Tendo do alfa abraçado á si não demorou para que se sentisse energizado e confiante para dar inicio á caminhada que poderia levar o dia todo. O que os alunos dos cursos teriam preparado seria uma curta apresentação de como era cursar aquela faculdade, quais as matérias e quais as dificuldades que tiveram, e então um professor que atue na área pode tirar duvidas dos calouros, além também te haver um convidado que trabalhe sem dar aula naquele ramo.
Jun Myeon usava o mapa que teria ganho de um estudante quando passaram pelos portões, nele mostrava onde estavam as barracas dos cursos que ali apresentariam, sendo mais fácil de se localizarem e menos chances de se perderem. Os cinco primeiros cursos que visitaram não chamou tanta a atenção do ômega quanto se esperava, o que pesquisou na internet parecia ser mais empolgante e interessante, mas os profissionais retiravam essa ilusão ao serem sinceros quanto á dificuldade que passavam. Obviamente foram dito os pontos positivos, mas para Jun Myeon nenhum deles parecia sedutor.
Demorariam algumas horas até que a lista toda tivesse sido visitada. O ômega estava cansado e ainda precisava de um curso para poder se decidir e prestar o vestibular. Durante todo o percurso Yi Xing prestava atenção nas barracas aos lados, conseguia ouvir uma coisa ou outra e ia anotando mentalmente qual barraca deveria levar o mais novo. Antes de dizer algo via o cansaço do menor, o guiando depois de avistar um banco em frente á uma árvore Jun Myeon se sentava podendo relaxar sua coluna, não estaria tão acostumado a ficar em pé por tanto tempo.  
- Vou pegar algo para bebermos – O mais alto acariciava os cabelos do ômega, logo se afastando. O ômega suspirava assentindo olhando em volta para então passar a mão sobre o rosto.
- O que eu devo fazer?
O suspiro prolongado que soltava deixava o menor mais perdido, detestava o fato de não saber qual o próximo passo que deveria dar. E mesmo que o alfa lhe desse todo o apoio, não parecia ser o suficiente. “Não queria que ele me visse dessa forma, devo parecer patético”.  Olhando em sua volta ficou a observar o movimento sem ter o menor interesse, teria perdido de sua vitalidade nas ultimas três horas em que estiveram ali. Sem o alfa por perto, o ômega esvaziava sua mente e tentava se acalmar e relaxar.
- MY-EO-NNIE.
Erguendo os olhos sorrira intensamente ao encontrar seus três amigos. O ômega erguera a mão em um aceno discreto, ainda era tímido com os três.
- Por que parece tão desanimado? – O mais velho entre eles, o chinês ômega, se sentou ao lado de Jun Myeon e pousou a mão em seu ombro – Triste, desolado, solitário sem ninguém.
- Não estou desolado nem solitário –Ria corando levemente, fazendo os amigos se entreolharem. – Eu só não sei que curso escolher como principal.
- Mas ainda está nisso? – A garota beta acariciava a mão do namorado alfa. Os dois se entreolhavam e negavam com a cabeça em reprovação diante da indecisão do amigo. – Por favor Myeonnie, pensei que já tinha superado essa etapa.
- É difícil poxa – O bico manhoso que o ômega fazia os demais rirem. – O Xing disse que ia me ajudar, bom vamos ver o que ele achou pra mim.
- PARA TUDO, o teu bofe veio? – A garota olhou para o chinês e ambos sorriam abertamente passando a olhar em volta. Os dois eram companheiros em tentar desvendar o mistério que era a vida amorosa de Jun Myeon. Durante as aulas tentavam pegar qualquer informação e até mesmo esperavam o ômega sair da universidade para ver se alguém viria buscá-lo, porém o mesmo ia embora sozinho. Por contar apenas histórias, ficava cada vez mais difícil de acreditarem que o suposto Yi Xing era real. – Finalmente iremos ver a cara desse ser.
- Eu já pensava que ele era um delírio seu. – O chinês ria animado apontando para os homens em sua volta e que teria boa aparência. – Qual deles deve ser ele...vamos ver. O que o Myeonnie descreveu sobre o suposto namorado?
- Chinês – O alfa finalmente falava sorrindo com a animação dos demais. – Com tatuagens e romântico.
- Ah claro...que tipo de tatuagem ele tem? - Os três observavam o ômega intensamente, e a curiosidade deixava o menor mais ansioso e envergonhado.
- Xing tem várias tatuagens – Jun Myeon se divertia com a empolgação dos novos amigos. – Desde caveiras até desenhos tribais.
O chinês e a garota beta tentavam o seu máximo em tentar adivinhar quem era o famoso namorado de seu colega de classe. Porém minutos se passaram e logo toda a animação se perdia, e voltava a hipótese de ser apenas um delírio do ômega. Jun Myeon não se importava muito se os amigos iriam ou não acreditar em si, mas com a demora do alfa logo começou a ficar preocupado.
Por volta das cinco da tarde o pátio começava a se esvaziar, e os amigos ficaram sentados no banco apenas conversando. A beta estava determinada em achar um curso que o amigo pudesse se interessar, e por mais que dissessem vários deles nenhum chamava a atenção do colega. Até que um aroma doce e forte se fizera presente, Jun Myeon em meio á conversa apenas abrira um largo sorriso e suspirava aliviado, mesmo que os demais não tivessem percebido.
- Saio por um tempo e logo sou substituído?
As atenções seguiram para o dono daquela voz, os olhos se arregalavam diante da beleza que o alfa emanava. A camiseta¹ com as cores azul, branco e preto misturados realçavam a sua pele branca, as mangas que estavam dobradas perto do cotovelo revelava as tatuagens que tinha em seu braço, assim como a pequena gola mostrava as duas caveiras tatuadas em seu pescoço. A calça preta e o tênis social eram de menos, o que chamava a atenção eram os fios negros e os olhos da mesma cor. Segurando dois copos o alfa sorria de lado e caminhava em direção do ômega que apenas balançava a cabeça.
- Demorou um bom tempo. – Jun Myeon olhava para os amigos e rira baixo em vê-los observarem boquiabertos o rapaz alfa. – Bom...eles queriam te ver para verificar a minha sanidade.
- Sua sanidade?- O alfa olhava os amigos e os analisava, deixando o sorriso de lado. Observando que um ômega abraçava de seu amante, arqueou a sobrancelha e suspirava baixo esticando o copo contendo a bebida quente para o mesmo – Beba antes que esfrie.
- Obrigado. – Jun Myeon estalara os dedos para os amigos, e os mesmo despertavam do pequeno transe. Rindo divertido das reações apontava para os amigos enquanto olhava para o namorado – Este é o Luhan, ele veio da China, e estes são Katherine e Dylan vieram do Canadá.
- Hum – Bebendo um gole do cappuccino, o alfa olhava para os amigos que foram apresentados e logo sorria cordialmente – Prazer em conhecê-los, sou Yi Xing, namorado do Jun.
- A-A claro – O ômega chinês recém nomeado Luhan sorria levemente, logo olhando para a beta. – Está vendo o mesmo que eu?
- Estou vendo o mesmo que você. – A garota sorria e olhava para o ômega coreano que parecia confuso enquanto bebia do cappuccino. – O Myeonnie fala muito de você, mas me diga por que não usam alianças?
- Aliança? – Yi Xing se encostava no tronco de uma árvore, que ficava rente ao banco onde os amigos estavam sentados.
- Nunca pensamos em usar algo do tipo – Jun Myeon se posicionava e olhava para os colegas – Já disse, não nos importamos muito com isso.
- Deveriam usar – Dylan mostrava a mão em que usava uma aliança prateada, Katherine levantava a semelhante e mostrava o outro par. – Deixa claro que a pessoa está compromissada e que os outros não podem tocá-la.
- Resolvo isso de outra forma – Jogando o copo vazio no lixo, o alfa sorria sorrateiramente enquanto olhava o namorado – Toque nele que eu acabo com a vida de quem ousar.
Os três amigos olhavam o alfa com os olhos arregalados, Jun Myeon escondia o rosto na mão enquanto balançava a cabeça, rindo por ter adivinhado aquela frase. O ômega contava quantas brigas teve que apartar, a maioria envolvendo Yi Xing e seu irmão mais velho, que quase sempre se saíam aos socos e pontapés. A forma como o mesmo havia contado sobre as brigas parecia ser pesado demais, então os três amigos não acreditavam naquilo também, mas ver o próprio Yi Xing falar daquela maneira causara arrepios nos novos amigos. Imaginando quais as demais besteiras que seriam ditas, o ômega se levantou indo diretamente para o lado do alfa.
- Temos uma missão aqui, lembra? – O alfa assentia passando o braço em torno da cintura do menor. Sorrindo o mesmo olhava em volta e então prestou atenção no papel enquanto analisava a própria caligrafia. – O que acha que devo cursar?
Os demais se inclinavam curiosos para o que o alfa teria escolhido. Se durante todos aqueles dias nada chamou a atenção do ômega, então naquele momento tudo poderia estar perdido e Jun Myeon deveria colocar a segunda opção como a principal. Apesar de ter visitado a banca de administração, achou que perderia interesse logo nas minhas primeiras aulas.
Finalmente organizando de seus pensamentos o alfa olhou para o ômega e acariciou de sua cintura.
- Eu pensei em um curso que é a sua cara e que também te encantará. – O alfa pegou um panfleto de seu bolso e entregara ao menor. A sua demora para ir buscar algo para beberem não era por conta de uma intensa fila de espera nas lanchonetes, mas sim por ter ido á uma barraca sozinho e ter tirado algumas duvidas. Pegando o panfleto que um dos professores lhe entregou o alfa sorria abertamente diante da oportunidade. – Letras.
- Letras? – O ômega, assim como os demais, olhavam surpreso para o alfa que assentia apontando para o panfleto. Jun Myeon passou a ler e logo ria surpreso com o que o amante teria pensado para si. – Essa ideia se quer passou pela minha cabeça, como pensou nisso?
- Gosta de ler, principalmente livros vitorianos, e de vez em quando seus trabalhos são bem escritos. Sem falar que nossas brincadeiras demonstram isso.
- Que brincadeiras? – Luhan sorria curioso, porém sua cabeça imaginava outra situação mais maliciosa.
- Ás vezes ficamos criando história de como nos conhecemos – Jun Myeon ria imaginando que os momentos de bobeira entre eles acabou por ser uma grande ajuda. Durante á noite se juntavam na sala de jantar para observar as estrelas pelo telhado de vidro, e ficavam a contar diversas formas como poderiam ter se conhecido. Na maioria das vezes, o ômega pensava de imediato diversas tramas e formas criativas para a primeira conversa, principalmente para os ocorridos durante a viagem de formatura. – Cursar letras e me tornar um escritor....eu realmente consigo me ver fazer isso.
- Então temos uma barraca para visitar.
Os cinco jovens animados pela descoberta, e fim da angustia, seguiam pela universidade para a barraca do curso de letras. Assim que duvidas foram encerradas, resolveram aproveitar o resto da noite para se conhecerem melhor a foram para o restaurante Victorian London onde brindaram o futuro dos quatro universitários.
Coreia do Sul, 03 de setembro, 22h da noite
Passar por um estupro não era prazeroso, romântico e muito menos seria uma boa recordação. Baekhyun teria superado a pequena parte das memórias sobre aquele dia graças á Chanyeol, que sempre o fazia rir. Sentia que em breve ficaria bem o suficiente para voltar á sua vida corriqueira como se nada tivesse acontecido, deixar aqueles momentos angustiantes presos no fundo da mente, bem no inconsciente. Mas a descoberta da gravidez não permitiu isso.
Teria pensado que existia um pequeno ser dentro de si, alimentando das memórias que passou. Imaginou como seria criar um filhote que toda vez que o olhasse o faria se lembrar do rosto daquele alfa. Não aguentaria. As suspeitas da gestação deveriam ter sido mantidas em sigilo, o ômega imaginava diversas formas de acabar com os enjoos e matar o feto dentro de si, isso se não fosse por Chanyeol.
O alfa não permitia que Baekhyun ficasse sozinho, mesmo dormindo deveria estar diante de seus olhos vigilantes. As refeições não devem ser puladas, e somente alimentos saudáveis. O ômega seguia totalmente o que o alfa lhe pedia para fazer, não teria como negar os seus pedidos uma vez que ele teria sido o seu salvador, tirou do pesadelo que passava e o recebeu em sua casa. Não tinha o menor interesse em ter aquele filhote, e quando se olhava no espelho encarando do pequeno volume em seu abdômen, o misto de emoções surgia.
Sentado na cama apenas pensando no próximo passo, o que deveria fazer para poder se livrar dos seus sentimentos,e no fim tudo resultava no aborto. Chanyeol saía do banheiro já devidamente vestido, observando aquele ômega sério sobre sua cama e com a troca de olhares rápida já deixava claro o que teria acontecendo. Aprendera o significado daquele olhar e fisionomia tão áspera, sentando-se ao seu lado o encarava também sério.
- Por que eu tenho a impressão que de somente eu estou a lutar pela vida desse filhote?
- Eu nunca disse que o teria – Erguendo o rosto, o ômega apertava de seus braços. – Porque raios vou criar um filhote daquele cara? Prefiro morrer.
- E é somente nisso que pensa? Quando desconfiou dessa gestação a única coisa que pensou foi naquele cara?
Baekhyun se manteve em silencio, obviamente teria pensado no alfa que teria lhe abusado, já que fora a ultima pessoa com que teria tido uma relação sexual, mesmo que forçada. Não teria como contestar com aquilo.
- O médico lhe disse quanto tempo estava?
- E isso importa?
- Para mim importa – O alfa segurou delicadamente o rosto do garoto. Ainda não conseguia tocar nele sem imaginar que doeria, estava vivo em sua mente o ocorrido, Chanyeol não sabia ainda como conseguir apagar aquele inferno. – A nossa noite, aquela noite esquecida para mim importa.
- É uma noite esquecida Chanyeol.
- Eu fiquei atado em ti! – Baekhyun se surpreendia, a voz do alfa era séria e tremula, assim como seus olhos que pareciam implorar por alguma coisa. Não era um alfa bravo que estava diante de si, era alguém... – Existe a possibilidade dessa criança ser minha Baekhyun.
Como se uma luz surgisse em fim de um túnel o ômega lembrou-se que havia essa possibilidade, mesmo assim não queria ter uma criança. Entretanto isso explicaria o motivo de Chanyeol ser tão cuidadoso consigo, ele pensava naquela única possibilidade que poderia ter uma porcentagem baixa. Agora Baekhyun entedia o motivo do maior não ter entrado em nenhuma consulta feita até então, ele também estava com medo de descobrir a verdade.
- E se não for? Eu irei abortar de qualquer forma e tudo voltará ao normal. Não quero ser pai, não quero ter que passar por tudo isso, e sem falar que nem casa eu tenho! Como que eu vou criar uma criança?
- N-Não aborte.
Chanyeol segurava firmemente o rosto do menor o permitindo ver o seu lado frágil, as lágrimas que começaram a rolar livremente por seu rosto, pareciam pequenos diamantes brilhando. Os dígitos soltavam as bochechas do ômega, apenas segurando suas mãos. Deixando de lado qualquer imagem de um alfa poderoso e inabalável, o maior apenas demonstrava aqueles sentimentos que sufocou durante aqueles dias. Baekhyun observava ainda mais surpreso, sentindo seus próprios olhos lacrimejarem.
- 5 semanas – Sussurrava o menor olhando o alfa, que retribuía o olhar cheio de esperança. – Bom devo estar na sexta agora.
- S-Seis semanas? – Relembrando da conversa que teria com Min Seok o alfa conseguia voltar a sorrir. – E-Então é minha!
- Existe a maior chance desse filhote não ser Chanyeol, não crie esperanças. – Soltando das mãos do maior, Baekhyun se levantava da cama depois de limpar seu rosto. Sentia-se nervoso novamente e isso lhe causava mais enjoos.
- DNA! – Impedindo o garoto, segurava de suas pernas o olhando piedosamente. – Me dê a chance, pelos céus.
- Quer fazer um exame de DNA em um feto? – Baekhyun olhava para o maior e suspirava passando a mão pelo rosto. - O que fará se for seu?
- O que mais quer? Obviamente cuidarei dos dois, darei proteção acima de tudo! Por que raios você não me aceita?
Baekhyun furiosamente segurou os ombros de Chanyeol o deixando deitado na cama, ficando sobre o maior deixava suas pernas em cada lado do corpo do outro e o olhava com determinação. Mordendo o lábio inferior o ômega suspirava apertando os ombros do maior.
- Por que raios ficaria com alguém tão sujo quanto eu Chanyeol? Somente um cara completamente louco e cego me aceitaria. Sou o ultimo ômega desse planeta com quem deveria ficar. Por isso irei tirar essa criança.
Sem dizer absolutamente nada, o alfa puxava do menor para deitar sobre seu peitoral, acariciando de seus cabelos limpava o rosto das possíveis lágrimas que ainda insistiam em derramar. Suspirando tremulo, apertou aquele garoto em seus braços, sentindo o mesmo retribuir do gesto.
- Você me pergunta o por que...que pergunta mais idiota. É porque eu te amo.
Coreia do Sul, 04 de agosto, 19 h da noite
A cada vez que escurecia, mais o ômega se prendia em seus estudos, já que assim as pessoas iam dormir deixando a casa mais silenciosa e fácil de se concentrar. O tempo que havia passado fora tão ligeiro que agora conseguia entender cada vez mais as suas obrigações, além de estudar e manter as boas notas Min Seok precisava estudar em casa sobre a doença de Jong Dae. Os remédios que criava iam surtindo efeito, as manchas não desapareceram, mas deixaram de serem avermelhadas e inchadas. Porém lidava com o intenso problema dos efeitos colaterais que eles causavam no hibrido.
A pele que descasava, a vista que embaçava, o cabelo que caía e principalmente a mudança de humor. Min Seok era o novo presidente do grêmio estudantil de sua escola, em uma semana já fora chamado na diretoria por briga entre as gangues, algo que não esperava acontecer. Quando entrava na sala sempre via Jong Dae sentado de olhos fechados e o rosto cortado, levando as advertências e ouvindo aquele mesmo discurso sobre o comportamento e regimento escolar. Quando saíam da sala da diretoria, o alfa se quer olhava para o ômega e apenas saía andando ainda irritado.
Isso fez com que o garoto se sentisse culpado pelos efeitos, além de estar preocupado. Pensou diversas vezes se deveria realmente continuar, porém não desistiu quando viu um exame rotineiro do alfa e ver que seu estado de saúde estava melhorando. Acabou se afastando de Jong Dae, por medo de sua irritação e por vergonha, talvez ele descontasse em si tudo o que estava sentindo. Entretanto o alfa não gostou daquele afastamento, e logo visitava o companheiro em sua casa onde dormiam juntos.
Mas naquela noite estava apenas pesquisando o próximo remédio que deveria dar, o ômega continha todos os resultados de exames do alfa pendurado em sua parede, tendo ao lado papéis com detalhes sobre algumas questões nas quais tirou duvidas recentemente com seus professores. Seu quarto estava uma bagunça com livros abertos e folhas espalhadas. A mesa continha apenas seu material onde misturava as químicas e tentava desenvolver alguma medicina que pudesse diminuir os efeitos colaterais.
Rabiscando seu caderno em seu colo, assustou-se quando o celular vibrou sobre a mesa fazendo um grande estrondo. Cerrou o cenho quando notara ser a mãe de Jong Dae lhe ligando aquele horário.
- Alô.
- Minnie, Jong Dae está ai?
- Não, eu não o vejo desde sexta feira, por quê?
- Ele tava reclamando de dores de cabeça e disse que ia comprar algum remédio, mas até agora não voltou.
- Ah quanto tempo ele saiu?
- Cinco horas? Por volta disso.
Deixando com que o celular caísse no chão o ômega se levantou ás pressas indo para fora do quarto. Pegou um casaco e logo calçava seus tênis para então sair de sua casa e correr pela rua sem saber onde deveria ir. Nervoso, ansioso, com medo e preocupado apenas cruzava as ruas para o centro da cidade, observando atentamente para os becos e ruas pouco movimentadas.
O casaco que segurava passou a ser um objeto que ao apertar descontava seu nervosismo, os olhos não paravam assim como os pés apressados que atravessavam as ruas seguindo para uma região mal iluminada. Parou de caminhar quando vira uma movimentação perto de uma fábrica desativada, as pessoas que ali passavam olhavam a briga e saíam correndo temendo se tornarem vitimas. Atravessou as ruas ás pressas, por pouco não era atropelado por sua imprudência em não olhar para os dois lados.
- JONG DAE!
Não demorou em reconhecer que mais uma vez Zagan e Phenex se enfrentavam, dessa vez fora dos muros da escola onde não poderiam ser repreendidos, respirando fundo o ômega aproximou dos alunos puxando alguns para trás.  Jong Dae segurava o pescoço de um jovem Zagan entre seu braço direito e socando-lhe o estomago com a mão esquerda, enquanto o garoto em questão tentava se soltar para poder desferir algum golpe. Min Seok conseguira separar os dois rapazes que brigavam, todos ofegantes com todos machucados e sangrando.
- Que sorte a minha, presidente do grêmio encontrar vocês aqui heim – O ômega virou de frente aos alunos Zagan que não pareciam contentes em vê-lo ali. – A diretoria e seus pais vão adorar saber disso.
O garoto que estava diante do menor desferira um soco perto da sobrancelha do ômega, que cambaleou para trás. Jong Dae rosnara alto puxando o menor contra si o deixando para trás, e a briga recomeçava. Os dedos que se passavam no corte mostrava que seu sangue saía, já perdendo da paciência se levantou novamente tentando apaziguar abriga, mas logo fora empurrado para longe. Suspirando sem saber o que fazer, o ômega encontrou um celular com a tela quebrada jogado no chão, reconhecera que era de Jong Dae. O pegou de imediato e tratou de ligar para a única pessoa que seria capaz que acabar com aquela folia.
Assim que a ligação se encerrava o ômega voltava a tentar separar os garotos, eram cerca de cinco Zagan contra Jong Dae. Tentou não demonstrar o seu favoritismo, ou o relacionamento com o alfa, e empurrava Jong Dae para longe. Min Seok que fechava os olhos em reflexo ao perceber que levaria outro soco, abrira os olhos quando nada sentiu e somente então pode suspirar aliviado. Não demorou para que toda aquela movimentação encerrasse.
- O que raios pensam que estão fazendo?
A voz grossa e sua fisionomia nada contente fora o suficiente para que os Zagans temessem o que viria. Os cinco rapazes se afastavam ainda olhando furiosamente para Jong Dae.
- Ele acha que pode tudo só por ser líder dos Phenex, e ainda acha que manda na escola só porque o Lay saiu.
- E então vocês saem na rua pra ficar brigando? – Chanyeol ficou de frente aos garotos deixando as mãos no bolso – Então vou contar á vocês como que funciona. Primeiro estão usando o uniforme da escola e estão na rua, é fácil identificar vocês. Se amanhã eu for chamado na diretoria outra vez porque vocês não conseguem segurar o nervinho, então a briga vai ser comigo.
- Mas Chanyeol foi ele.
- Não to pedindo opinião, eu que mando e vocês obedecem – O sorriso sorrateiro do alfa surgia novamente, Min Seok que ajudava o outro alfa a se acalmar, apenas mantinha-se em silencio enquanto ouvia – E outra, Jong Dae é o irmão mais velho do Lay, vou me divertir vendo ele voltar pra cá e arrebentar a cara de vocês por causa disso. Agora sumam da minha frente.
Não foi necessário outro mandato do maior para que os rapazes saíssem correndo da pequena rua. Min Seok conseguira encostar Jong Dae na parede, o mantendo sentado, ao tocar em seus braços sentia a pele gelada e não tardou em envolver a blusa em seus ombros. Acariciando de seu rosto ficou a encará-lo percebendo que o mesmo já teria se acalmado o suficiente para entrar em transe.
- Ta se rebelando por quê? – Chanyeol se agachava ao lado do ômega, enquanto olhava para Jong Dae- Pensei que já tivesse parado com isso depois que o Xing foi embora.
- É minha culpa – Sussurrava o ômega seriamente enquanto ajeitava o casaco no hibrido. – Jong Dae está doente e eu dei remédios á ele, a alteração de humor é...uma consequência.
- Ah...o Xing sabe?
- Não – O ômega olhou para o amigo mais alto e sorria levemente. – É algo que os dois irmãos tem que resolver sozinhos.
- Entendi.
Chanyeol segurava Jong Dae o subindo em suas costas com a ajuda do Min Seok, logo começavam a caminhar pelas ruas em rumo á casa do ômega.Não deixaria o garoto andar sozinho com o outro quase desacordado, provavelmente ele não aguentaria de seu peso. Pelo menos ficaria tranquilo em saber que ambos estariam em um lugar calmo e bem protegidos. Os passos lentos que seguiam pela calçada não parecia ser um caminho curto em direção da casa de Min Seok, e muito menos aquele curto silêncio aparentava um abismo. Encarando seus próprios pés, o ômega mexia os dedos segurando o celular do alfa, os lábios torcidos e o cenho cerrado eram sinais de que seus pensamentos eram culposos.
- Me desculpe ter te tirado de casa, principalmente com...a situação em que está.
- Tudo bem, Baekhyun ficou preocupado com sua ligação então ele praticamente me chutou pra fora de casa para que eu viesse.
- Como ele está?
O alfa de cabelos platinados tinha uma boa relação com Min Seok e Jong Dae, até mesmo estava voltando á conversar com Yi Xing apenas por mensagens. Para evitar de ligações e visitas desnecessárias contava tudo sobre a situação, principalmente para pedir conselhos. Quem mais ajudava eram os dois amigos de Baekhyun, por também serem ômegas eles conseguiam direcionar o rapaz quando o mesmo se sentia perdido. Ainda mais com a tensão que haveria passado na noite anterior.
- Hum... iremos fazer o exame de DNA para ver de quem é a criança, ele não está bem.
- Imagino – Min Seok olhava para Jong Dae que parecia entorpecido, os olhos abertos e a pupila dilatada assim como os lábios fechados e pálidos – Estamos com problemas por aqui, fico me perguntando de Myeonnie e o Yi Xing estão bem por lá.
- Ah com certeza estão, ás vezes Baekhyun telefona para ele e ficam conversando. Mas fico imaginando, o que ele faria se não tivesse ido para lá.
- Provavelmente puxaria a orelha de Jong Dae e iria aconselhar Baekhyun...  De qualquer forma vamos ficar todos bem.
O caminho em seguida ficou em silencio assim que chegaram em frente á casa de Min Seok, o mesmo se prontificara em levar o alfa para dentro. Queria que Chanyeol fosse para casa e ficasse com Baekhyun, assim como queria ficar sozinho com Jong Dae. Assim que a despedida fora feita, o ômega  levou Jong Dae para dentro de seu quarto, silenciosamente para não despertar seus pais, e o deitou sobre sua cama  onde poderia cuidar de suas feridas. Enquanto passava o algodão para limpar dos cortes, sentia os músculos rijos como mármores do alfa. Acariciando de seu rosto depositando um selar em seus lábios o ômega permitia que uma fina lágrima caísse sobre seu rosto.
- Me desculpa. – Sussurrando o ômega selava a testa do alfa e deixava um triste sorriso em seu sorriso – Me desculpe.

❖❖

------------------x--------------------------x--------------------------x------------------------------x

Nenhum comentário:

Postar um comentário