{Seulement Vous} Capitulo 1

Fanfic / Fanfiction Seulement Vous - Capítulo 1 - Capitulo 1
Os Kim é uma família calma e tradicional, o Sr. Kim conheceu sua esposa na época da faculdade onde trocaram sorrisos e caricias de forma boba e apaixonada. Ele um alfa que herdou a empresa de seu falecido pai, cuidava de sua mãe que já não poderia mais trabalhar devido á situação de saúde. Ela uma ômega inteligente que cursava administração e era filha única. Os dois tinham muito em comum e aproveitavam de sua juventude com direito á passeios e namoros com troca de recados e presentes.

Quando Sr. Kim a pedira em casamento ambas as famílias pareciam surpresas e felicitou aos noivos. Não haveria combinação tão perfeita quanto a deles, sendo assim sua prole seria como tal. O casamento fora feito em um sitio reservado para poucos convidados, a cerimônia curta estava repleta de sorrisos bobos e lágrimas de alegria, o jantar que se seguiu distraiu a todos de seus respectivos cansaços da vida adulta.
O mais novo casal não se demorou para mobiliarem a casa nova e deixarem os planos sobre a empresa para tão logo, pois dali a nove meses teriam seu primeiro filho. Sr. Kim era um homem astuto, sério em seu trabalho e amoroso com sua esposa, a senhora Kim era doce em todo o seu tempo, em seu rosto estava estampado a alegria de sua vida de casada. E em cada ultrassonografia, ambos planejavam tudo sobre o filhote que viria.
Mesmo á espera que um alfa viesse não se deixaram magoar quando um ômega nasceu, na verdade os mimos eram enormes da mesma maneira. Jun Myeon havia nascido em uma noite de inverno, quando a neve caía do céu se acumulando em todo lugar deixando a paisagem branca. O pequeno garoto da pele clara e olhos amendoados trouxe uma alegria intensa para sua família.
Os primeiros passos, as primeiras palavras tudo fora registrado. Jun Myeon era um garoto que apesar das regalias, não era egocêntrico e muito menos ambicioso. Sempre dividia de seus brinquedos com os coleguinhas, e até mesmo dava de seu lanche favorito, sanduiche com salada de cenoura e maionese, para aqueles que não tinham nada para comer. Sempre sendo amável e doce como sua mãe, durante seu período escolar se mostrou um grande espertalhão, com altas notas ganhou elogios de seus professores.
Um orgulho, aquele garoto era um orgulho inato para a família Kim. Afinal de contas, era sua joia preciosa.
O inicio da primavera
                A pequena cidade estava coberta de flores róseas que nasciam nos galhos das árvores no inicio daquela estação. O sol brilhava após o seu nascer, não deixando que as nuvens impedisse seu majestoso brilho de iluminar as casas do bairro calmo. Em um sobrado, os raios solares iluminava o quarto do rapaz ômega que acabava de sair de seu cio. Seu corpo já havia parado de latejar e sua temperatura retornara ao normal assim como o seu cheiro, se sentando da cama o garoto de cabelos castanhos bagunçados olhava em volta ainda sonolento. Olhou para o relógio e sorriu aliviado em não estar atrasado para seu compromisso daquela manhã.
Era seu primeiro dia de aula no ensino médio e uma nova etapa para sua vida. Ansiara por aquele momento á dias, reparando que ansiava pelo primeiro dia de sua juventude plena desde que estava no sexto ano. Em sua antiga escola, via os alunos mais velhos andando juntos e trocando risos como se a puberdade fosse a melhor coisa do mundo. E de fato era. Para o ômega seria o inicio da fase de experimentações, onde poderia saborear de tudo o que a vida lhe traria.
Levantou-se de sua cama e correu para o banheiro, tirava em meio do caminho a camiseta de malha fina branca e a jogava para trás, apoiando-se no pé direito puxando a barra da calça de moletom cinza para terminar de se despir e finalmente tomar o banho quente. Passava o sabonete incessantemente em sua pele, passava a esponja cheia da espuma esbranquiçada e a manuseava sobre a pele branca. Os cabelos eram lavados sem pressa, tirava por completo das espumas causada pelo shampoo e assim poderia terminar o seu banho.
Enrolando a toalha em sua cintura seguiu para o quarto ficando de frente ao seu armário, em uma das portas e pendurado em um cabide estava, impecavelmente passado, o seu uniforme.  Vestiu a boxer nova que havia separado e logo acima colocava a calça cor caqui a prendendo com um cinto de couro preto. Abotoou a camiseta social branca e ajeitava a gravata listrada ao redor do colarinho da camisa, feito o nó vestiu do blazer xadrez azul marinho para finalizar com os sapatênis que havia ganho de seus pais em seu ultimo aniversário.
Penteava os cabelos molhados e ajeitava os óculos depois de limpar as lentes, estava apresentável como deveria. Olhando para o seu reflexo no espelho abriu um sorriso encontrando o brilho do aparelho sobre seus dentes. Suspirou em baixo tom, precisava aguentá-los por um curto período de tempo, em breve o retiraria, assim como poderia dar adeus á armação em seu rosto e olá ás lentes de contato. Baixando o olhar para a cômoda, encontrou o pequeno frasco de perfume, havia comprado no dia de sua formatura no ano anterior depois de experimentar a fragrância na loja. Espirrou uma generosa quantidade em ambos os pulsos e em seu pescoço, aspirou o ar e sorriu satisfeito. Agora sim, estava pronto.
Quer-se ouviu seus pais desejarem bom dia para si, estava atrasado por tentar encontrar seu celular em meio da pequena bagunça de sua mesa de estudos. Pegou uma torrada a colocando na boca e saíra em disparada para a rua onde precisaria caminhar um pouco rápido para chegar á tempo de ver a recepção aos calouros. A cada passo que o deixava próximo da escola, maior era o número de estudantes que apareciam, porém eram poucos que estavam usando o uniforme apropriadamente, uns usavam calça jeans ou, no caso das garotas, saias curtas com saltos altos. Estranhou aquilo, a maioria tinham emblemas diferentes bordados na manga do blazer, outros apenas usavam o mesmo emblema, porém abaixo do da escola em suas camisetas brancas.
Engolindo o ultimo pedaço de torrada parou diante do prédio majestoso, os portões dourados tendo os muros altos e brancos escondendo a imensa construção que havia ali, mas o que lhe chamou atenção foram as árvores de cerejeira com seus galhos totalmente cobertos pelas flores róseas. De acordo com o vento as pétalas seguiam voando pelo céu azulado, como uma bailarina em pleno giro. Realmente uma visão digna de um colégio de elite.
Dando passos pequenos e demorados pelo gramado, o garoto ainda estava entorpecido pela beleza das árvores naquele primeiro dia de primavera, entretanto precisava se apressar ou atrasaria ainda mais. Olhou para a folha em suas mãos, lia as recomendações que a diretora havia feito para si assim que ganhou a bolsa de estudos, teria de passar pelo prédio A que era o principal, seguir pelo pequeno parque que se encontrava ao fundo e então encontraria o salão onde eram feitos as palestras. Não se perdera no caminho, já que a escola era bem sinalizada e tinha a grande movimentação dos alunos que seguiam o mesmo caminho que si mesmo.
Como havia pensado não se demorou em chegar ao grande auditório onde teria a recepção. Entretanto estranhara o vazio que o mesmo se encontrava, não teria errado o caminho já que alguns alunos residiam uma ou outra poltrona. Dando de ombro e formando um pequeno bico nos lábios, escolheu um lugar para se sentar algo bem no meio que não o fizesse se destacar, mas que também não o impedisse de enxergar direito o palco.
Deixando a mochila sobre suas coxas, olhava em volta tamborilando os dedos sobre o encosto de braço, os alunos que ali estavam também tinham os brasões em seus blazers. “Mas o que raios é isso?”, não se lembra da vendedora da loja de uniformes ter-lhe dito á respeito daquela marca adicional. Pegando do celular, olhou despreocupadamente para a tela acessando a rede social da escola buscando quaisquer informação sobre o emblema dos uniformes. Mas como era esperado nada havia sido encontrado.
Aos poucos os estudantes adentravam no auditório e se acomodavam nas poltronas, não demorou para que o evento começasse em silêncio com as palavras da diretora sobre as expectativas daquele ano. Jun Myeon escutava aquilo atentamente já podendo se imaginar nas salas de aulas tirando ótimas notas e entrando na faculdade com honras. Esses eram seus planos para todos os três anos que seguiriam.
Em meio da fala dos professores, duas portas que ficavam a lateral do auditório foram abertas simultaneamente. Os alunos começavam a se remexerem em seus lugares e o silêncio era preenchido com murmúrios. Esticando do pescoço, o ômega vira um grande numero de estudantes adentrando no local, o misto de aromas que sentiu o fez torcer o nariz em enjoo. Os gritos femininos ecoaram quando dois estudantes ficaram de frente um para o outro.
- Silêncio, por favor – A voz estridente da diretora retomou do silêncio pedido, olhando para os dois estudantes que ainda se encaravam, a senhora de cabelos acinzentados segurou no microfone antes de proferir – Rapazes, espero não ter que começar o primeiro dia com ambos em minha sala. Vão para seus lugares.
Os dois garotos seguiam para lados opostos sendo seguidos por um grande numero de alunos. Jun Myeon observava aquilo espantado, imaginando o que poderia ser aquilo, de inicio pensou ser algum tipo de apresentação feita pelas outras turmas, mas com a seriedade da diretora a ideia caiu por terra. Voltou a se encostar-se à poltrona e a prestar atenção na fala dos professores, mesmo com os murmúrios ao seu redor tentando tirar de sua atenção.
- E para os interessados – A diretora retomava a fala, abrindo um sorriso cordial enquanto olhava superficialmente pelos alunos que estavam sentados – As vagas para a candidatura do grêmio estudantil será abertas semana que vem, aos interessados busquem informações com seu professor responsável pela turma, e preencha o formulário necessário.
- Grêmio Estudantil?
O ômega inclinou a cabeça para o lado e sorriu com a oportunidade. Havia concorrido á vaga na outra escola, infelizmente não a ganhou tendo o cargo de tesoureiro, mas seus feitos foram anotados em seu histórico e isso poderia lhe dar uma grande chance, assim como suas notas. Ajeitando a bolsa em seus ombros, se levantou para poder seguir á sua nova turma.
As primeiras aulas haviam sido apresentação dos professores sobre as matérias que seriam dadas naquele ano, Jun Myeon anotou tudo o que achou importante tentando esconder sua ansiedade para conhecer o professor responsável pela turma. Á respeito da mesma, o ômega tentava não reclamar sobre seus colegas de classe, todos se davam bem em seus respectivos grupos. Enquanto esperava o professor de história chegar do intervalo, o garoto se pôs a observar os seus colegas de forma atenta.
Reparou nos emblemas e ficou surpreso de ver que haviam somente dois deles estampados em uniformes. O primeiro era um semblante de um pássaro, podia-se ver a mesclagem das assas com as chamas que o desenho proporcionava, assim como as cores quentes pintadas dava a sensação de fogo. Não demorou em raciocinar, era uma fênix desenhada ali e até mesmo dava uma boa realçada no uniforme, principalmente na camiseta social branca. Os estudantes que tinham tal emblema estavam sentados á direito da sala, perto da porta e das janelas que davam vista para o corredor.
O segundo emblema era mais simples, era um contorno azulado de um dragão. Na verdade era mais simples em comparação com o outro emblema, este só tinha uma cor, azul celeste escuro tendo em seu centro um delineado branco que seguia as linhas curvas do desenho, quase parecendo um raio, e o desenho aproximava do tribal. Mesmo assim era um emblema charmoso, combinava com o blazer da escola. Os alunos que estavam com o dragão se sentavam no lado esquerdo da sala, próximos á janela que dava vista para todo o campus.
A sala era divida, na verdade achou estranho aquilo. Talvez tivesse perdido alguma coisa no dia de visitação da escola, uma semana antes daquele dia, onde os calouros passavam a conhecer o campus e os alunos. Ah com certeza algo deveria ter acontecido.
Esperou pacientemente pelo professor em frente á sua sala, balançava as pernas lentamente riscando algo imaginário no chão com a ponta do sapato. Assim que se encontrou com o mesmo e retirou de suas duvidas, caminhou pelo corredor deserto olhando atentamente para as folhas em suas mãos. Ali continha uma lista que o professor fez que poderia ajudá-lo a se candidatar ao grêmio, e em seguida os formulários já assinados pelo mesmo que precisavam ser preenchida para serem entregues á diretoria. Poderia fazer isso no dia seguinte, e assim se concentraria em criar seu discurso para que os estudantes votassem em si,
Sentindo a brisa gélida tocar em sua face lhe arrepiando, farejou no ar um cheiro delicioso e adocicado. Erguendo os olhos vira um estudante longe de si, era um garoto de cabelos negros e pele alva, a regata branca amostrava as tatuagens que tinha em seus braços, parte do peito e subiam até seu pescoço. Jun Myeon ficou a olhar o garoto totalmente fascinado, nunca vira tanta beleza em uma única pessoa. Sentindo sua face ruborizar quando aproximava mais do garoto, mas sem desviar a atenção do mesmo que agora passava ao seu lado. Agora ele erguera o rosto e lhe fitava, os olhos negros que lhe miravam trazia uma calma sem igual, ou pelo menos se sentia assim naquele momento. Desviou o olhar para seus próprios pés e aumentara o ritmo de seus passos passando rapidamente pelo garoto desconhecido.
- Que perfume adorável.
O ômega parou de caminhar no mesmo instante, olhou para frente vendo que não havia ninguém ali, se virou encontrando apenas aquele garoto caminhar calmamente com as mãos no bolso da calça jeans preta. “Isso... foi pra mim?”, corando violentamente pousou a mão em seu peito sentindo de seu pobre coração se apaixonar por uma frase soada em uma voz doce e um par de olhos negros que lhe incitava a coragem.
❖❖
3 anos depois - 27 de março
Olhar seu reflexo no espelho apenas fazia ter a certeza de uma coisa, nunca chamaria a atenção de alguém. Na verdade nunca havia se importando com sua aparência ou com a opinião alheia á seu respeito, apenas fazia o que gostava. Mas agora tudo em si lhe incomodava, parecia ser uma conspiração de sua mente refém do coração. Ajeitava a gola da camiseta polo e suspirava em desistência, por que queria se arrumar para ser notado por alfa? Apesar de já ter passado pelo seu cio diversas vezes sem precisar de alguém lhe tocar e dar prazer, não conseguia compreender do por que desejar tanto ser notado por ele.
Colocando o blazer azul marinho com listras avermelhadas formando uma estampa de xadrez, se virou pegando sua mochila para sair de seu quarto e ir á cozinha tomar o café da manhã com seus pais. Mas antes teve de passar um perfume leve e sutil, gostava de sentir aquele aroma tão adocicado que lhe acalmava. Ou seria para que ele olhasse para si por míseros segundos de novo? Ah claro o motivo de sua euforia era apenas aquele perfume tão gostoso, por causa dele é que ouvira o garoto lhe dirigir a palavra pela primeira vez elogiando apenas o seu perfume. Apenas uma frase, alguns segundos de conversação, apenas isso e seu coração batera ritmado como se fosse um trem bala indo de uma região á outra.
A casa parecia vazia, inclinando a cabeça o ômega seguiu para a cozinha encontrando na mesa apenas o seu café da manhã, perto da xícara um bilhete de sua mãe avisando da saída repentina para o trabalho. Não tinha jeito, seu pai dono da própria empresa e sua mãe como secretária faria com que os dois fossem consideravelmente ausentes. Sendo assim teria de passar aquela manhã sozinho, mais uma vez.
Sentou-se na cadeira e começou o seu desjejum, era apenas café misturado ao leite e uma fatia de pão com provolone derretido com uma camada sutil de margarina. Não tinha muito do hábito de comer de manhã, e o fazia minimamente já que estava acostumado á acordar tarde durante seus dias de folga. Durante suas férias apenas dormia tarde por assistir seus seriados favoritos, e acaba por levantar no horário do almoço. Com isso se quer tinha habito de tomar café da manhã, mas sabia que sentiria fome antes do intervalo. Sendo assim, apenas comia pouco para deixar o seu sistema digestivo trabalhar.
Olhava para o celular e via as mensagens de seus amigos, ou deveria chamá-los de colegas? Os dois garotos, também ômegas, apenas lhe avisavam de seus afazeres para aquela manhã, já eram tantos que seus ombros pesavam antes mesmo de por os pés na escola. Deixou o aparelho de lado e terminou seu desjejum, ajeitando a bolsa nas costas pegou as chaves e saiu de casa para seguir á escola. O caminho era curto, seus pais escolheram uma casa perto para evitar pagar tarifas dos transportes públicos, preferiam carro ou apenas seguir á pé. Sendo menor de idade, o ômega ficara com a ultima opção.
Mas aquilo era por pouco tempo, em breve faria dezessete anos e com suas notas teria o necessário para começar o curso teórico para aprender a dirigir. Essa era a sua ambição para aquela primavera. Apreciava o cenário que a estação proporcionava, as ruas estavam cheias de árvores que tinham suas flores brotando nos galhos, a luz do sol apenas animava o dia. Sorrindo largo o ômega caminhou pela avenida até chegar a seu final onde estava os portões dourados da escola do ensino médio da qual estudava.
Adentrou sendo cumprimentado apenas pelos funcionários, os estudantes não pareciam muito propícios á conhecê-lo, mesmo sendo o presidente do grêmio estudantil. Aquele era seu terceiro ano consecutivo como presidente, havia cumprido todas as horas complementares além de ter em sua ficha escolar todos os méritos necessários para poder ingressar em uma faculdade publica e bem prestigiada, onde seus pais estudaram e se conheceram. O que precisava decidir ainda era o seu curso.
Infelizmente ainda era inicio de ano e teria um longo tempo para pensar no que deveria fazer. Adentrando no prédio norte seguiu pelos corredores até encontrar o seu armário, pegou seus livros para as primeiras aulas e seguiu seu caminho para a sala do grêmio. Faltavam ainda quarenta minutos para o inicio das aulas, teria tempo suficiente para filtrar seu serviço como presidente para que mais tarde não ficasse sobrecarregado. Caminhava pelos corredores novamente seguindo para a escadaria, encontrava alguns estudantes sentados em grupos enquanto olhavam os celulares e conversavam sobre alguma coisa, passando por um desses grupos olhou em curiosidade para o celular nas mãos de uma garota.
Não acreditava que aquilo acontecia mais uma vez, balançando a cabeça entrou em seu pequeno escritório encontrando os dois amigos que também olhavam seus respectivos aparelhos. Arqueando a sobrancelha o ômega deixou a mochila sobre a mesa fazendo com que o pequeno som chamasse a atenção dos garotos. O mais velho entre eles ajeitou o boné sobre a cabeça e esticou o aparelho para si.
- Parece que eles brigaram de novo. – A voz do pequeno ômega fez o presidente do grêmio estremecer, olhava as redes sociais do amigo encontrando diversos posts á respeito da suposta briga. – A diretora irá chamar eles...
- Esses idiotas deveriam pelo menos tirar o uniforme – Bufava o outro garoto de cabelos platinados, jogando o celular na mesa. Ajeitando seus cabelos levemente ondulados o tesoureiro ficava ereto na cadeira e olhou para o presidente. – Ne Jun Myeon, o que vai acontecer se a diretora chamar dessa vez?
- O que deveria fazer? – o ômega de cabelos negros devolveu o aparelho para o vice-presidente, então olhou para Baekhyun soltando um suspiro – Acho que serei pulso firme.
- Eles não me parecem acatar ordens nem da diretora – Murmurava o outro guardando o aparelho em sua bolsa. Debruçando-se na mesa, o garoto pegava as pastas e entregava aos demais. – Eles poderiam te importunar por achar que tem poder sobre eles.
- Tecnicamente eu tenho, mas... Eles complicam tudo e esses anos tem sido horrível para os professores darem as aulas por causa dessa.... Hierarquização. – Jun Myeon olhava a pasta e lia as avaliações dos professores sobre o ano passado. – Por mais que eu trabalhe duro, eu sinto que não faço a diferença.
- Claro que faz, os seus projetos trouxeram certa ordem. – Baekhyun apontava para os gráficos e sorria para o líder que parecia desanimar naquela manhã. – Recebemos muitos elogios quando fizemos o baile de formatura para o terceiro ano antes das férias, sem falar que o numero de alunos interessados em participar foi maior do que o esperado.
- A feira cultural também teve bons resultados.
- Claro que teve bons resultados, os dois alfas que se acham a ultima bolacha do pacote resolveram criar uma aposta de qual gangue daria a melhor ideia para a decoração. – O ômega deixou a pasta sobre a mesa e olhou para os dois amigos. – É como se precisássemos deles para fazer o que propomos.
- Mas... Precisamos. – Baekhyun abriu um sorriso malicioso para o ômega. – Por que não se declara? Vai que ter um pequeno caso com ele nos ajude a ter mais influência.
As feições do ômega passaram a ser um misto de emoções, da qual a predominante era a vergonha. Sua pele avermelhou-se e a risada de seus colegas era evidente que aquilo seria plenamente ridículo. Fazendo uma careta e pigarreando o ômega voltou a olhar as pastas e analisar os relatórios feitos pelos presidentes das turmas. Em breve teriam a semana desportiva, onde as turmas competiriam em diversos esportes. Tinham que planejar os prêmios para os três primeiros vencedores, era necessário criar uma tabela de pontos para os juízes usarem. Ah eram muitas coisas apenas para aquela semana.
Tanto Min Seok quanto Baekhyun já haviam se dirigido para as respectivas salas de aula, apenas Jun Myeon ficara na sala do grêmio terminando de organizar as pastas em sua mesa. Vendo estar finalmente sozinho, puxou sua mochila retirando o pequeno caderno de capa azul deixando sobre a mesa. Pegando uma caneta, folheou as páginas que estavam rabiscadas e ilustradas até encontrar uma folha em branco. Colocando a data atual, começou a escrever em seu diário pessoal suas primeiras emoções daquele dia, sem deixar de anotar sua ansiedade em encontrá-lo...
Sorria largo ao lembrar-se do dia de seu primeiro ano na escola, á dois anos atrás, tudo o que aconteceu de diferente foi no seu horário de almoço, apenas estava sentado na mesa sozinho e observava discretamente os dois lideres se encararem. Fazia algumas semanas que as aulas tinha se iniciado e apenas via aquela divisão entre os alunos á mercê dos garotos. Na verdade não entendia o motivo deles se odiarem tanto, ambos poderiam ser amigos já que tinham gostos similares... ou pelo menos imaginava que teriam. Na verdade tudo o que via era o alfa do Phenex tentar, de modo falho, deixar o alfa do Zagan com raiva. Mas isso era algo curioso, aquele rapaz nunca ficara com raiva.
Pensando naquilo nesse momento, em seus três anos que estudava ali, nunca vira aquele alfa brigar com alguém. Mantinha sua fisionomia sempre calma, porém nunca sorria para as pessoas. Era literalmente uma pessoa passiva, sem esboçar muitas emoções. Ah claro que reparava naquele garoto, ás vezes que fora chamado na diretoria por causa deles lhe rendia em grandes momentos de resmungo enquanto o fuzilava. Sendo assim, sabia que a pele tatuada era o único sinal de uma possível rebeldia, sua fisionomia e ações apenas lhe mostrava um ser calmo que não sente interesse por nada. Observava-o apenas por sentir de sua raiva em ter atenção chamada pela direção...
A não ser pelo dia em que o elogiara, o dia em que o vento estava forte deixando com que seus cabelos negros fossem levados para o lado, e então os seus olhos lhe fitaram e um esboço de um sorriso foi o que vira.
- Que perfume adorável.
Foi tudo o que havia dito para si, e o suficiente para que seu coração fosse bobo em se apegar por apenas aquilo. Não havia notado tanto daquele rapaz, como notou naquele dia. O corpo todo tatuado em desenhos grandes com grossos traços até seu pescoço onde se destacava uma caveira com rosas, os olhos amendoados e brilhantes, o pequeno sorriso que poderia ser considerado bonito, até mesmo teria parado de andar no corredor vazio para fitar aquele ser caminhar para a sala de aula com as mãos no bolso da calça. Claro que sentia seu rosto ficar avermelhado naquele mesmo instante, e obviamente começou a notar mais do alfa como jamais havia feito.
Estudavam na mesma classe em todos esses anos, apesar de que aquele garoto ser mais velho que si por ter reprovado antes de sua entrada na escola. Já aconteceu de passar a aula toda prestando atenção em seus rabiscos, apenas fazendo círculos sem conexo. Até mesmo tinha perdido para sua curiosidade, e olhou por cima de seus ombros vendo o garoto dormir sobre a mesa. Mesmo com os olhos fechados, e daquela distância, percebia que ele era bonito. Sua beleza era estonteante, sentia que poderia admirá-lo á distância por muito tempo, e de fato o faria. O problema era saber que ele seria uma pessoa difícil de lidar, além der ser um líder de uma das gangues que tinha mais influência na sua escola, ele era um alfa muito bem cobiçado pelos alunos que o apoiavam.
Nunca teria uma chance.  Tudo o que lhe restava era...
(...) tudo o que posso fazer, é ficar te admirando ao longe desejando apenas que sorria, aquele sorriso tão belo que eu aprendi a amar.”
Terminando de escrever em seu diário se assustou ao ouvir o sinal tocar, dando inicio as aulas. Era sempre assim quando escrevia em seu diário, aquele caderno tão precioso para si que lhe permitia entrar em um mundo totalmente intimo e fantasioso, lhe fazendo perder a noção de tempo. Com a pressa pegou o diário e a mochila para correr em direção do terceiro andar, onde sua sala ficava. Esbarrando em alguns alunos, não notou que seu precioso diário havia caído no chão do corredor, diante do líder da Phenex.
O alfa havia parado ao ver aquele ômega correr, admitia que adorava implicar com aquele garoto mesmo sem obter as respostas que tanto desejava. Na verdade Jun Myeon era o ômega mais desafiante do colégio, não o via com nenhum alfa e sempre sozinho durante o almoço. Por mais que tentasse deixá-lo envergonhado, tudo o que ganhava daquele garoto era uma revirada de olhos e um suspiro em deboche enquanto dava nota para a brincadeira, em comparação com as já feitas consigo.
Ele era um verdadeiro desafio para se entreter naquele colégio tão tedioso.
Não se demorou para que o alfa abrisse um sorriso largo ao ver o caderno no chão, agachou-se para pegar olhando as folhas em total curiosidade com o capricho apesar das folhas amareladas. Passando a língua no doce que tinha em sua boca, mudava o pirulito de um lado passando os olhos pelas primeiras folhas até arquear a sobrancelha e abrir um sorriso largo.
- O que temos aqui? – Folheava as páginas se levantando, olhou para os dois companheiros atrás de si e sorriu largo. – Acho que temos um novo brinquedinho.
As aulas pareciam ser uma tortura para o presidente do grêmio estudantil, tamborilava os dedos sobre a mesa enquanto olhava para fora á espera do professor de educação física. Ansiava aquele momento desde a sua segunda aula da matéria em seu primeiro ano, quando sua ficha caiu ao relembrar do grande cenário que lhe era disposto. Sempre ficava a aula de educação física sentado na arquibancada por conta de seu problema respiratório, apenas observando os garotos jogarem basquete com o uniforme desportivo, que se regia apenas á uma camiseta regata e um calção. Sentia uma imensa curiosidade para apenas observar aquele alfa, seria patético aquela obsessão tão repentina e mesmo assim não conseguia evitar. Ele havia conquistado sua atenção.
Ajeitou-se na cadeira quando o professor apareceu na sala, arrumou o blazer e os óculos olhando atentamente para o mestre que iniciava a chamada. Apertava os dedos em um nervosismo eminente, mordia o lábio inferior olhando fixamente para o livro de chamada desejando que o tempo passasse mais rápido. Segurou sua vontade de sair correndo para o ginásio, apenas esperou que todos saíssem para poder seguir os colegas de classe ao ginásio onde os alunos teriam outra aula de basquete.
Seria aquele o destino? Esperava que sim.
Sentou-se na arquibancada e apoiou as mãos em seus joelhos, olhando nervosamente para o vestiário. Notou a aproximação de outra turma no ginásio, o representante do outro terceiro ano conversava com o professor que apenas assentia e anotava algo em sua prancheta. Algum professor teria faltando, apenas revirou os olhos ao ver o outro líder da gangue Phenex aparecer com as mãos no bolso seguir em sua direção.
Mas que droga” xingava mentalmente em ver aquele garoto sentar ao seu lado, apenas manteve o controle olhando fixamente para o vestuário.
- Eae Myeonnie – Jong Dae sorria travesso para o ômega, via o mesmo lhe ignorar mesmo ao chamá-lo. Formando um bico nos lábios apoiou os braços no joelho e se inclinou para frente. – Ah que feio o presidente do grêmio estudantil ignorar um aluno que veio tirar uma duvida.
O ômega mordeu os lábios e torceu o nariz imaginando o sorriso vitorioso que o garoto teria, e de fato tinha em perceber as feições de derrota do mais novo. Virando-se lentamente para o alfa, respirou fundo sentindo de seu cheiro forte, se fosse um ômega no cio teria certeza que pularia no pescoço do outro, louco por uma transa.
- Em que posso te ajudar Jong Dae?
- Hum – O alfa sorria largo umedecendo os lábios com a língua, passou a fitar os olhos escuros do ômega que pareciam maiores por causa da lente presa na armação negra. – Só para eu saber, os alunos não são muito receptivos quanto á roubos de parceiros, certo?
- Seja direto.
Arqueando a sobrancelha o alfa sorriu com a pontuação do menor, adorava isso nele. Se ajeitou olhando para os lados e baixava o tom de sua voz.
- Pode parecer esnobismo, mas acho que nós alfas causamos muitos problemas entre os ômegas não? – Jun Myeon olhava apoiando o rosto na mão, suspirou sem sentir-se surpreso com o egocentrismo que o estudante mostrava para si – Principalmente, á mim e á Lay.
- E...?
- Ah pensei que isso fosse contra as regras da escola. – O sorriso brincalhão e o brilho peculiar de seus olhos fez Jun Myeon espreitar os olhos. – Sabe as brigas que causam pra ficar com a gente, os responsáveis sempre são punidos.
- Dependendo da gravidade da situação – O ômega olhava pensativo relembrando alguns parágrafos do manual do estudante, havia lido no primeiro dia após sua inscrição á presidente do grêmio. Queria tanto ganhar o cargo, que criava o seu discurso e o rabiscava até se sentir completamente satisfeito. – Mas sim levam punição se os alunos brigam por conta de parceiros sexuais, é contra as regras brigas e demais confusões... Mas achei que saberia melhor do que ninguém não é mesmo?
- Falando assim, me sinto um garoto rebelde que arranja briga com qualquer pé rapado.
- Arruma briga até com o asfalto.
- Sempre pensei que fosse do Zagan... Mas não te vejo com a trupe deles....
- Jong Dae – O ômega olhou para o alfa cerrando o cenho. – Espero ter tirado a sua duvida por completo, sendo assim peço para se junte aos seus colegas de classe para participar da aula.
- E poderia perguntar por que nosso presidente não participa também?
- Poderia saber, mas sabe como é – O sorriso sádico do presidente deixara o alfa surpreso – Não precisa saber e eu não estou afim de te contar.  
A atenção do ômega fora roubada quando sentiu o cheiro forte no ar, desviou o olhar para o vestuário ao ver que na porta estava aquele alfa tatuado indo para a quadra de basquete enquanto ajeitava os cabelos negros. Era como havia pensado, a regata realçou os bíceps levemente vantajosos o deixando incrivelmente atraente, conseguia perceber pela regata que a cintura dele poderia ser grossa e sem nenhuma gordura ali. Abriu um sorriso discreto e teve toda a atenção para a aula que se iniciaria em minutos.
Jong Dae sorriu largo ao observar o ômega ao seu lado, se levantou e fora até a quadra ficando de frente ao outro alfa, o líder da gangue Zagan. Os dois se encaravam intensamente, Jong Dae se sentia desconfortável com os olhos calmos que aquele garoto lhe direcionavam.
- Não se importaria que a minha turma jogue contra a sua em um amistoso, não é Lay?
O alfa olhou para trás de Jong Dae vendo que os garotos já retiravam os blazers e arregaçavam as mangas prontos para jogarem. Não tendo outra escolha apenas piscou lentamente dando de ombros.
- Que seja.
Jun Myeon sentia a tensão no ar mais uma vez, já era esperado que Jong Dae fosse provocar o outro líder. Era como se ele se aproveitasse de cada chance que lhe era dada para poder provar quem era o melhor. Torceu os lábios quando os dois lideres se posicionaram ao centro da quadra esperando pelo apito do professor que segurava a bola. O jogo começara com Lay tendo a posse da bola, a quicando para o centro da quadra até arremessar para o outro jogador do time. Jun Myeon apertava os dedos, fazendo com que suas unhas curtas deixassem uma marca fina na palma da mão, sorria quando via o alfa ter a posse da bola e avançava na quadra. Até se permitia fazer uma discreta comemoração quando o primeiro ponto fora feito.
Percebia que aquela paixão estava lhe sufocando por ver tanta beleza em um jogo tão chulo como aquele, a forma como os fios balançavam deixando mais á mostra o rosto de pele alva do alfa, as veias que ficavam nítidas na pele ocasionavam arrepios no ômega. Era insuportável ter que se sentir tão afoito com aquele garoto, eram quase três anos de um amor platônico. Mordia o lábio inferior quando Jong Dae pegara a bola e avançava na cesta do time adversário, o jeito como ele jogava poderia lhe tornar o capitão do time da escola. Isso sim seria algo da qual Jun Myeon gostaria muito de ver, mesmo não sendo amigável com o rapaz.
Não demorou em que o jogo empatasse, deixando as garotas ômegas gritarem em torcida para os lideres. Jong Dae se aproveitava da fama que tinha, Lay estava totalmente concentrado no jogo. O alfa pegara a bola do adversário e arremessou com precisão para outro jogador que estava mais á frente perto da cesta, Lay havia corrido uma grande extensão da quadra e recebia a bola de volta, pulando em impulso arremessou a esfera para dentro da cesta marcando três pontos.
O jogo se encerrava ali, a corrida entre os garotos fazia o tempo passar rapidamente. Jun Myeon sorriu internamente com a vitória de seu alfa. Ah era tão estranho pensar daquela maneira, rindo silenciosamente o ômega se levantou para voltar á sala de aula pegar sua mochila e ir para as suas atividades no grêmio. Afinal o dia estava somente começando.

❖❖

Nenhum comentário:

Postar um comentário