{Sagrado Santuário} Capitulo 9


Acordei, e apesar de minha visão estar um pouco embaçada pude ver a silhueta de Donghae, que me olhava tão intensamente que podia-se notar sua preocupação. Assim que minha visão voltou ao normal, tentie juntar minhas forças para me sentar, sentindo um par de mãos me ajudar. 

- O que aconteceu? - Perguntei, claro que me lembrara de enforcar o líder, mas não lembro depois de tal ação. 

- Você desmaiou, nas ultimas semanas você não têm descansado direito. - Explicou Donghae, sua doce e aveludada voz. 

Ahhh, lembro-me de colocar meu ouvido em sua barriga na tentativa frustante de escutar o nosso futuro bebê. Apesar de ser muito cedo para fazer tal ação, já me deixava feliz saber que nosso amor foi direcionado a um pequeno ser. Donghae acariciava meus cabelos, enquanto eu pensava no que fazer de agora em diante. Sabia que nada seria facil, minha prioridade agora é Donghae e nosso filho. Eu tinha um objetivo que era destruir o Sagrado Santuário, e estava treinando para tal feito, agora eu não treinava para aumentar minhas forças mas sim para defender as pessoas que me são importantes. Fui tirado de meus pensamentos quando Donghae separou minhas pernas e se colocou entre elas, deixando suas costas descansarem em meu peito. 

- Obrigado. 

- Pelo quê? 

- Por me defender. - Disse Donghae, virando seu rosto para me fitar deixando um selar em meus lábios, logo ele pediu passagem que foi permitida iniciando um beijo carinhoso e sem malicia. Nosso breve momento foi forçado a parar quando escutamos alguém pigarrear. 

- Desculpa imcomodar - Disse Leeteuk. 

- Se você sabe que está incomodando então vaza. - Disse dando um sorriso para mostrar que estava tudo bem entre nós. 

- Ahh que saco, o velho Hyukjae voltou. - Disse Kyuhyun entrando juntamente com os outros membros. 

- O que querem aqui? Se vocês não viram eu estava muito ocupado. - Logo recebi um pequeno e fraco tapa vindo de Donghae. 

- Vim pedor desculpas, pela minha atitude de mais cedo. 

- Ahh sobre isso, eu sei sendo um pai e não gostar do genro.- Os olhos de Leeteuk arregalaram juntamente com Sungmin Heechul, Siwon e Kangin. Ah então todos eles sabiam. 

- Como você sabe? - Perguntou Siwon. 

- As ações de Leeteuk mostraram isso. 

- Sabe do quê? - Perguntou Donghae. 

- Bom já que eu causei isso, acho que tanto Kyuhyun, Henry e Donghae estão prontos para saberem. - Logos o três se juntaram na cama em que eu e Hae estavamos sentados. 

- Hyukjae, você conhece o Redentor Enforcado? - Perguntou o líder. 

- Já bisbilhotei um pouco sobre seu passado, mas não faço ideia de seu nome e aparência. 

- Bom á mais ou menos 17 anso átras, eu Kangin, Heechul e Siwon éramos Redentores do Sagrado Santuário. Na época eramos os únicos que não puniam os acólitos, Naquela época o Redentor Zhoumi trouxe um homem. Ele não era um prisioneiro, o que me deixou um tanto confuso. Teve um dia em que estava pesquisando na biblioteca, e acabei me deparando com tal homem. Ele era bonito, seus olhso castanhos me prenderam na primeira vez que o encarei. Ele me deu um breve sorriso e se desculpou por me tirar a concentração. Depois desse desencontro acabamos começando uma amizade. Gostava de como ele cantava, sua voz era tão máscula e tão gostosa de se ouvir, que eu não me importaria de escuta-lo por toda a eternidade…. 

- Tá tábom já entendemos o cara era um Deus grego, dá pra ir pra parte que interessa? - Perguntou Heechul, já se irritando com os rodeios do líder. 

- Bom, não demorou muito para que começassemos a ficar proximos, depois de alguns meses acabei por….me declarar . - A face de Leeteuk começou a ficar corada, o que fez soltarmos pequenas risadas. - Depois de minha declaração, começamos a namorar escondido. 

- AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH Leeteuk safadinho - Disse Kangin tentando amenizar a atmosfera tensa que emanava alí. 

- Não demorou muito e acabei por engravidar. 

O silêncio se propagou no quarto. Leeteuk acabara de dizer que ficara grávido. Se eu já não soubesse disso eu teria ficado surpreso, assim como Henry Donghae e Kyuhyun. Os meninos se mostraram bem interessados em tal assunto. 

- Bom e onde está seu filho? - Perguntou Donghae. 

- Você quer dizer filhos - Donghae me encarou estupefado - Ele teve três. 

- É engravidei, e o primeiro filho nasceu, um ano depois tive o segundo e ano seguinte o terceiro. Mas eu não pude cuidar de todos eles. Então pedi para que Siwon cuidasse do Segundo e Sungmin cuidasse do terceiro. Os dois caçulas ficaram do lado de fora do Santuário. Mas o mais velho ficou sob os meus cuidados. O pai das crianças logo fazia sucesso entre os Redentores, por fazer planos infaliveis e tudo mais. Mas quando estav no sétimo mês de gestação do meu caçula, o Padre Tae - Hwa descobriu nosso relacionamento e sobre as crianças. Logo ele mandou os Redentores átras do meu segundo filho que estava com Siwon. O meu mais velho estava perfeitamente escondido entre os acólitos. Eu tentava com a ajuda dos outros a esconder a barriga. Para proteger á mim e as crianças ele foi setenciado á morte, ele foi enforcado. Depois disso tudo, ele ficou conhecido como Redentor Enforcado, por criar os melhores planos e ajudar o Santuário a ser grande como ele é hoje em dia. O Redentor Hankyung, espalhou as lendas de que o Redentor Enforcado havia morrido para nos salvar, para fazer com que os acólitos pensarem como o falecido. 

- E o que aconteceu depois - Perguntou Henry. 

- Bom, ficamos mais de dez anos, e logo que fomos descobertos, fomos expulsos, mas ele acharam o meu filho do meio e o levaram até o Santuário. 

- E quem são os seus filhos? - Perguntou Kyuhyun. 

- Donghae, é o meu mais velho, Kyuhyun você é o do meio e Henry meu caçula. 

Os três ficaram assustados com tal revelação. Donghae olhou para mim, como se me pedisse uma explicação, mas apenas confortei ele em meus braços, mostrando que aquele assunto era algo que eu não podia interferir. Donghae logo se levantou e abraçou o pai juntamente com seus irmãos. A pequena familia se abraçou e deixaram lágrimas rolarem por seus rostos. Sentí um peso nas costas se aliviar. Eu havia descoberto que o Redentor Enforcado não havia morrido por salvar nós, mas sim por ter quebrado a maior regra do Santuário, que era de não se apaixonar. Sabia que a pessoa que o Redentor havia amado estaria do lado de fora, e assimq ue me encontrei com Leeteuk percebi que era ele, pois nenhum Redentor era expulso, se fizesse algo de errado era morto na hora. Então começei a prestar atenção em suas ações. Quando recebemos a noticia que Donghae estava gravido, quando eu e Siwon fomos buscar Kyuhyun na floresta, ele nos seguiu pensando que eu não havia notado sia presença, e quando sai do rio na noite em que Sungmin havia me beijado na frente de Henry e Donghae. Ele estava lá e me olhou com raiva. Todas as suas ações demonstraram uma grande proteção com aqueles três. 

- Desculpa interromper o momento familia. - Eu disse tentando saciar a minha curiosidade. - Mas Leeteuk, qual era o nome do Redentor Enforcado? 

- Ah, era Joonyoung, por quê? - Ao escutar aquele nome, fiquei estático. Sabia muito bem quem era ele, e como ele “morreu”. 

- Então senta que eu vou contar uma coisa para vocês. - Assim todos se entreolharam e se acomodaram começei a contar o resultado de minhas antigas visitas á biblioteca. - Pelo o que eu sei, Joonyoung era um homem que viva aqui no Palazzo de IdrisPukke. Se não me engano ele era irmão mais novo do Rei Doojoon. 

Os olhares se arregaralaram novamente, não era por nada não mas estava começando a me achar o esperto dalí. 

- Ele vivia aqui, mas logo o Redentor Hankyung o levou até o Santuário, por causa de suas estratégias e tudo mais. Claro eu sabia que ele havia se apaixonado, mas não sabia quem era. Mas uma coisa me chamou a atenção. 

- O que foi? - Perguntou Leeteuk. 

- Kyuhyun, lembra daquela vez que invadimos o calabouço do Santuário a procura de comida? 

- Sim eu me lembro, você ficou encarando um cara moreno. - Disse o mais novo se recordando de nossas travessuras. 

- Ai meu Deus, não acredito que vocês entraram lá - Bravjou o lider, mas eu ignorei ele e continuei a contar. 

- Então aí você se juntou a mim e ficou encarando o cara também. 

- Sim achei ele bem familiar, os olhos dele se pareciam com os meus. - Logo abri meu sorriso. 

- Ele é o Joonyoung. 

- Tabom Hyukjae e eu sou o papai noel. - Disse Kangin. 

- Hyukjae não brinque com isso. 

- Mas eu estou falando sério. 

- Eu o ví morrer Hyukjae não tem como ele ter vivido. - Bravejou novamente o líder. 

- Leeteuk, pensa bem, você acha mesmo que o Padre Tae Hwa mataria o cara que o ajudou a expandir o Santuário? Joonyoung tinha cada ideia, que mesmo se juntasse todos nós, não dariam nem 5% do que aquele trama. 

- E como você sabe que era ele? - Perguntou Siwon. 

- Do lado da cela tinha o nome gravado em uma pedra. 

Os olhos do Leeteuk começaram a mareja, toda a verdade tinha sido exposta naquele momento. Todos sabiam de seus passados e da verdade. 

- Então, eu ví o meu pai? e estou com o meu outro pai aqui? - Perguntou Kyuhyun tentando entender o que se passava. 

- Por isso Leeteuk gritou comigo hoje de manha? - Perguntou Donghae. 

- Sim - Eu respondi dando de ombros. 

- Tá certo, agora resumindo a situação aqui, Leeteuk é pai de Donghae Kyuhyun e Henry, o pai deles é um tal de Joonyoung que havia sido enforcado por quebrar uma das regras, sendo que na verdade ele está vivo e vivendo em um calabouço. É isso mesmo? - Perguntou Kangin. 

Ficamos conversando sobre o passado por algumas horas, depois fizemos nosso desjejum juntamente com Doojoon que esclareceu as duvidas de seus sobrinhos e cunhado. Logo fomos dormir pois o dia seguinte recomeçariamos a rotina. Doojoon havia me dito durante o jantar que o motivo dele ter me chamado é para resgatar seu irmão e procurar seus sobrinhos. Agora todos alí tinham um motivo para destruir o Santuário. Resgatar o Joonyoung, Yesung e Kibum. Se bem que eu quero mesmo é acabar com a raça daqueles Redentores. Mas ninguém sabia direito o que queria, muito menos eu. 

Assim se passou dois meses. Leeteuk começou a me treinar de forma mais intensiva. Donghae começava a ficar mais gordinho o que deixava ser mimado por seu pai e irmãos. Estavamos todos reunidos juntamente com o Rei Doojoon, na sala de estudos. Siwon disse que encontrara as datas das minhas tranformações. 

- Bom segundo os documentos que o Rei Doojoon me dsisponibilizou, as transformações ocorrem sempre que a lua estiver minguante. Antes de se tranformar Hyukjae provavelmente sentirá uma dor de cabela intensa. 

- Mas a lua minguante será daqui á dois dias, o que faz com que Hyukjae começe a ter a dor de cabeça hoje? 

Assim que Sungmin termina de flar, a bendita da dor de cabeça toma conta de mim. Como na ultima vez que ela apareceu, só que mais forte. Cada pontada parecia rasgar meu nervos da forma mais bruta possivel. De imediato levei ambas as mãos na cabeça. Donghae olhou para mim e me segurou. 

- Acho que já começou, o que fazemos? 

- Donghae se afaste dele, Siwon e Kyuhyun levem ele para o calabouço - Ordenou o rei, sendo atendido na mesma hora. 

Sentí os braços fortes de Siwon circundarem minha cintura, mas um movimento que eu fizesse era como se alguém arrancasse algum dos meus orgãos sem anestesia. Aquilo me doia, mas quem disse quem aqueles caras escutavam meus gemidos? Kyuhyun me levantou e me ajudou a andar, mas a dor começou a se espalhar. Da minha cabeça, desçeu justamente para o meu braço esquerdo. Agora tudo doia. Uma dor insuportavel, muito aguda, preferia morrer do que sentir aquela dor. Acredito que ser acertado por uma flecha no peito, era como um arranhão em comparação á aquela dor. Logo estavamos em um quarto que era iluminado por dez tochas. Fui colocado sentado no chão que estava frio. Mas logo perdi o equilibrio e caí, mas fui levantado sentindo as mãos de Kangin botando as algemas nos meus pés braços e no pescoço. 

- Isso é para seu bem e do seu filho, Hyukjae. - Disse o líder antes de sair e me deixar sozinho naquele lugar com pouca luz e com uma dor horrivel. 

[:: P.O.V. DONGHAE::] 

Depois de prenderem Eunhyuk no calabouço, Leeteuk juntamente com Siwon foram procurar algo para trancar a porta, enquanto Henry e Kyuhyun me faziam companhia. Toda aquela conversa de ontem havia me deixado surpreso, sempre tinha achado que meus pais estavam mortos, ou que nunca ligaram para mim, sendo que na verdade ele estava do meu lado sempre. Apesar de sempre viver com Leeteuk ninguém nunca me disse que ele era meu pai, muito bem pelo contrario ele sempre fez questão de chama-lo de hyun, agora etendo que ele pediu isso para me proteger. 

Ambos os mues irmão tentavam de todas as formas me tranquilizar, o que surtira muito efeito, pois eu queria estar ao lado do meu Eunhyuk abraçando-o e lhe dando forças para seguir em frente. Mas não tinha que ficar longe dele, só de imaginar ele sentindo dor e sozinho em um lugar escuro e frio me deixar mais preocupado. Já não estava mais aguentando, minhas pernas começaram a balançar, mas kyuhyun jogou suas pernas em meu colo fazendo-as parar. Passei o tique para as mãos que foram seguradas pro Henry. Me levantei ignorando tudo, e andei em direção ao suposto calabouço. Quando me aproximei da porta percebi um silêncio, já estava preste a abrir a porta, quando duas mãos me seguraram. 

- Aonde pensa que vai mocinho? - Perguntou meu pai. 

- Paiiinhê, me deixa ve-lo você sabe que não vou aguentar. - Disse sendo manhoso, Leeteuk sempre se derretia quando eu fazia isso. 

- Agora você me chama de pai néh moleque sem vergonha - Disse ele mostrando suas belas covinhas - Sei que está agoniado, mas não posso fazer nada, não pense em você, Donghae, pense em seu filho. - Disse ele largando as minhas mãos pousando as dele em minha barriga. 

- Leeteul, eu vou entrar e não vai ser você que irá me impedir. - Disse empurrando ele, mas Leeteuk foi mais forte. 

- Entrarei com você. - Disse em um suspiro já de virando e abrindo um pouco a porta - Vou ver como ele está e se estiver tudo bem você entra. 

A única coisa que eu podia fazer era assentir. Leeteuk entrou no quarto e fechou a porta, o silêncio reinara naquele lugar deixando-o mais sombrio do que já era. Aquilo aos poucos fora me deixando nervos, queria vê-lo, queria provar a mim mesmo que ele estava bem e que nada de ruim iria acontecer com ele. Leeteuk abriu a porta e me permitiu entrar. Dei os passos adentrando no local, vendo o quarto ser pouco iluminado. Uma parte em especial estava escuro e um par de olhos surgiu naquela escuridão. Cada olho era de uma cor, um era cinza e o outro era castanhos. Aos poucos a fisionomia que eu reconhecera, surgiu, vendo que além dos olhos estarem de cada cor o cabelo era assim também, metade descolorido e metade natural. Hyukjae, se aproximou em passos lentos e pequenos, apenas saindo da escuridão, mostrando arranhões por todo o corpo, o cheiro de sangue era angustiante, não sabia direito onde olhar, mas de ver aqueles arranhões fundos me deixara claro a quantidade de dor que o meu pequeno principe sofreu. 

- Eunhyuk - Chamei baixinho, queria poder abraça-lo, mas Leeteuk segurou o meu braço impedindo. 

- Finalmente me encontrei com você Donghae. - Disse Hyukjae, sua voz era grossa, com certeza deveria ser a dita da besta 

- O meu Hyukjae, está bém? - Eu perguntei. 

- Sim, no momento ele está louquinho para tomar a consciência e ir ao seu encontro. - Suas palavras pareciam suaves, mas por baixo dos panos eram pequenas chicotadas, engoli em seco. 

- Não posso falar com ele? 

- Não se preocupe, infelizmente não ficarei por muito tempo. Mas eu se fosse você aproveitaria cada momento com ele. 

- Por quê? - Perguntei já sentindo as lágrimas tomarem conta de meus olhos. 

- Own, não chore pequenino, não se preocupe, cuidarei bem do corpo dele. - Hyukjae deu um sorriso cínico. 

- Você não vai levar Hyukjae para longe de mim. Eu não vou deixar - Disse erguendo minha voz deixando-a mais grossa do normal, Leeteuk olhou para mim surpreso. 

- E quem disse que você ficaria para contar história? 

- Há, que vença o melhor - Estiquei minhas mãos, Hyukjae prontamente apertou-a, suas unhas grandes e grossa me arranharam de leve. Dei as costas é ele e saí do quarto. 

Assim que ouvi Leeteuk sair do quarto, o abracei e chorei tudo o que vira me deixara assustado, mas não perderia aquela aposta. Fiquei muito tempo afastado de Hyukjae e com isso eu quase fiquei louco a ponto de me matar. É eu tentei me afogar, mas Leeteuk não deixou. Enfim, já sofrera muito longe do meu pequeno príncipe e não seria uma bendita alma mal amada que o levaria para longe de mim. Eunhyuk é meu e de mais ninguém ou vai viver uma família feliz, ou deixarei esse mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário