{Sagrado Santuário} Capitulo 7


[::P.O.V. HYUKJAE::] 

Estavamos todos reunidos na mesa de jantar, pelo que entendí Leeteuk e Siwon finalmente conseguiram achar algo interessante sobre a minha marca. Estavamos todos sentados sendo que na ponta se encontrava o líder com um olhar totalmente sério. Algo me dizia que não seria coisa boa que estaria para nos contar. 

Donghae, estava nervoso, suas mãos não paravam quietas, e quando eu as segurava ele balaçanva as pernas. De vez enquando lançava-me o olhar. Ele sabia que teriamos que tomar muito cuidado, isso quer dizer que Donghae deveria ficar bem longe de mim, mesmo sendo contra a minha vontade, mas eu prefiro tê-lo á salvo, do que sofrendo com os meus ataques repentinos. 

- Bom gente, acredito que todos vocês sabem o motivo de se reúnirem aqui. 

-Fala logo Leeteuk, se não alguém - Disse Heechul jogando a cabeça para Donghae - vai ter um ataque cardiaco daqui a pouco. 

- Bom eu e Siwon estudamos com cuidado todo o conteúdo do livro que Hyukjae trouxe. 

- Em uma noite vocês fizeram isso? - Perguntouo Kangin 

- E você acha que eles são como você que só de olhar para a capa já começa a sentir sono? - Retrucou Heechul, tirando sarro do mais novo. 

- Enfim, anotamos as partes que falavam sobre os “ataques” parecidos com o que Hyukjae teve - Disse o mais velho me dando algumas folhas. A letra legivel, me permitia ver que a coisa era sério. Depois de analisar o conteúdo com cuidado não tive outra reação a não ser a de surpresa. 

- O que têm aí? - Perguntou o meu pequeno peixe curioso. - Fala logo Eunhyuk. - Todos, menos eu claro, olharam para Donghae surpreso com o apelido, principalmente Sungmin. 

- Vocês poderiam me explicar isso melhor - Perguntei, claro que tinha entendido o conteúdo, mas eu precisava saber mais, afinal tal coisa aconteceria comigo. 

- Bom, vocês podem achar que eu estou brincando, mas tudo que está aí são instruções de como devemos nos proteger contra suas tranformações. - Tentou explicar Siwon, mas estava deixando tudo mais confuso. Heechul tirou a folha de minhas mão e leu, dando uma risada sarcástica. 

- Ha, isso aqui parece mais algo contra lobisomens. 

- HYUKJAE É UM LOBISOMEN?????????? - Gritou o pequeno Henry totalmente assustado, sungmin acalma o pequeno tentando explicar o poco que havia entendido dalí. 

- Bom se vocês me deixarem explicar - Interrompeu o líder - Hyukjae está em um tipo de fase de mutação, sendo que vai piorando a cada vez. Por exemplo, toda vez que o corpo de Hyukjae sente perigo ele mostra uma feição totalmente assustadora. 

- Achamos que Hyukjae tenha uma outra personalidade. 

- Como assim? - Perguntou Donhgae tentando entender a situação. 

- O Hyukjae que conversou comigo não era o que conhecemos. Digamos que era sua besta interior. 

- O livro diz que essa segunda personalidade seria a fúria de Deus sobre os humanos, trazendo ele para a destruiçãos dos mesmo. 

- Cada aparição dessa besta, Hyukjae muda, por exemplo, segundo Ryeowook Hyukjae demonstrou um olhar, um sorriso e gestos demoniacos. Ontem de manha ele estava com cabelos descoloridos, olhos acinzentados, e também conversou comigo, deixando claro que teria uma proxima vez. 

- Baseado no que Leeteuk disse, parece que essa besta escuta, sente, vê tudo o que acontece a sua volta, mas algo o deixa aprisionado. Caso ele quisesse se manifestar ele não poderia, teria que chegar um momento apropriado. - Siwon tentava explicar da maneira possivel, mas eu estava começando a ficar confuso. 

- Então… - Interrompeu Kangin - Hyukjae têm outra alma dentro dele que pode ver ouvir sentir tudo o que Hyukjae sente, porém ele não se manifesta por ter alguma força que o impede de faze-lo, sendo assim tendo uma data em especial para fazer tal efeito? 

- É isso mesmo - Concordou o líder. 

- E quando é essa data em especial? - Perguntei. 

- É aí que nós não sabemis, o livro só menciona que têm métodos de aprisionar a besta para não destruir o local e matar pessoas, e sobre a existência de uma data em especial para sua aparição. - Explicou Siwon olhando todos seriamente, como se passase a mensagem de que todos deveriam ficar atentos a meus movimentos e marcar tal data. 

Leeteuk iria continuar a conversa, mas um barulho vindo da entrada do acampamento nos chamou a atenção. Viramos o rosto em tal direção, avistando um homem com um pequeno exercito, vasculhando o local. 

- Podemos ajudar? - Perguntou Heechul com um tomde irônia na voz. O guarda se virou para nos encarar e já foi se proclamando. 

- Sou o mensageiro do Palazzo de IdrisPukke, recebi a honra de procurar a mão esquerda de Deus, em nome de meu rei. 

Kangin, Heechul e Kyuhyun começaram a dar risada, o probre homem falava com a lingua totalmente presa, deixando seu sotaque estranho. Leeteuk olhou feio para eles e depois me encarou como se me perguntasse se eu conhecesse o tal rei. Fiz sinal de não para o líder que entendeu a mensagem. 

- Me desculpe, mas não sabemos sobre o fala. 

- Um jovem, com uma cicatriz estranha no braço esquerdo, o meu rei quer ve-lo agora. - Quando minha cicatriz foi mencionada, percebí que aquilo não seria um bom sinal, puxei donghae para trás de mim, sentindo o mesmo segurar a barra de minha camisa e se encolher nas minhas costas. 

- O que querem comigo? - Perguntei, todos alí presentes se viraram para mim, Leeteuk com o olhar totalmente assustado, como se eu estivesse fazendo o contrário de seu planejado. O tal mensageiro se aproximou de mim olhando para a tal marca e sorriu. 

- Bom, meu rei pretende apenas conversar comsua senhoria. - Senhoria????????? - Peço que me acompanhe, se quiser - O mensageiro olhou para Donghae que ainda se escondia atras de mim - pode levar seus amigos juntos. 

- Bom vou ver com os meus companheiros e já lhe dou uma resposta. - O mensageiro pareceu entender o meu motivo e se retirou deixando claro que estaria esperando no lado de fora do acampamento, se é que um acampamento têm um lado de fora. 

- ESTÁ TENTANDO SE MATAR É??? - Perguntou Sungmin pensando que o que eu fiz seria um caminho certo para a morte. 

- Não, não estou. Esse tal rei se não me engano ele era um dos inimigos do Redentor Zhoumi. 

- Sim, isso nós sabemos, por isso estamos achando que você está correndo para a morte de braços abertos. 

- Bom, pensem comigo, ele deve saber algo que nós não sabemos. Vamos ouvir ele e dependendo do que o tal rei falar iremos tomar nossas decisões. 

Todos assentiram e seguimos para perto dos guardas reais. Começamos a caminhar em direção do Palazzo. 

Já ouvira falar sobre eles, Redentor Zhoumi, me dissera uma vez que eles eram um bando de riquinhos que manipulavam as pessoas com se tivessem mesmo uma fonte de poder. Já deixara claro que eles queriam todas as posses do SS, que apesar de não parecer, eram muitas. Algumas terras, algumas minas, algumas fazendas tudo, que poderia fazer com que o Sagrado Santuário se expandisse mundo a fora. O Palazzo era nada mais e nada menos do que um pequeno palácio com um cara de dizia ser rei, mas na verdade era só um homem com preguiça de trabalhar. As pequenas aldeias que rodeavam o tal palácio acreditavam que o rei era bem poderoso, então sempre fazem o que ele quer. Se ele quer 80 % das plantações eles dão, sem saber o motivo, e sem serem pagos para tal feito. Pelo menos era isso que o Redentor Zhoumi falava para mim, para me deixar com raiva de algo. 

Depois de andar algums metros dentro da floresta avistamos as fazendas, casas e cabanas de trabalhadores. A pessoas saíam detrás de cercas vivas e carroças abarrotadas para nos ver passar, como se fossemos algum tipo de bandidos ou monstros. Porém não olhavam por muito tempo, depois de ficarem olhando para nós durante uns vinte segundos, todos menos as crianças voltavam aos seus afazeres. Pelo resto daquele dia e durante todo o seguinte, o número de casas e perssoas foram ficando maior. Apesar de chegar ao vilarejos, demoraria mais ou menos duas horas para chegar ao tal Palazzo. Depois desse tempo, uma grande muralha era vista, no meio da mesmo um grande portão que era vigiada por guardas reias, era aberta para dentrarmos. Todo o local por trás daquelas muralhas, era grande mostrando sua beleza e elegância para o céu. O que era totalmente o contrário do Santuário, que todos os corredores eram iguais, deixando-nos perder facilmente. Tudo nos deixava impressionado, o cheiro que aquele local emanava era doce mais ao mesmo tempo enjoativo, talvez por não estar acostumado a tal fragância. Olhei para os outros que observavam tudo o que podiam de tal lugar. Fui tirado de meus devaneios quando Donghae puxa meu braço. 

- Eunhyuk, olha alí. 

Desviei o meu olhar para a minha esquerda sem deixar de ficar boquiaberto com o que via. Uma fileira de meninos por volta de nove anos de idade, presos por correntes em volta de seus pescoços. Eles eram conduzidos rumo a um porão sendo vigiado por homens troncudos e rancinzas, porém o que mias me surpreendera era que o olhar dos pequenos garotos era de despreocupação como se soubesse o que estaria por vir e que aceitavam aquilo numa boa. 

- Para onde aqueles meninos estão sendo levados - Perguntei para o tal mensageiro que caminhava na minha frente. 

-Ah eles, não sei, mas te aviso fique longe daquele lugar. 

-Por quê? 

-Ouvi dizer que aquele lugar pertence a um seifador, não sei…. - Disse o mensageiro dando de ombros, como se aquilo fosse algo tão natural. Donghae se encolheu perto de mim, abracei o mais novo pela cintura depositando um beijo em sua testa, como se aquele pequeno gesto deixasse o meu fishy mais calmo. 

- Chegamos, por favor esperem a vossa majestade - Disse o mensageiro depois de adentrarmos em uma sala totalmente clara e praticamente vazia, se nçao fosse pela mesa e a cadeira perto da janela. Um homem que deve estar nos seus vinte e seis anos de idade, adentrou no local acompanhado de guardas, pelo suas vestes chamativas ele deveria ser o tal rei. 

- Boa tarde meninos. - Disse o homem - Sou o Rei Doojoon, agradeço por terem aceitado o meu convite. 

- Bom, vossa majestade, espero que tenha um bom motivo para me tirar de minhas aodraveis férias - Perguntei sendo arrogante, aquele cara queria algo de mim e provavelmente teria algum tipo de documento que falasse sobre a maldita marca. Leeteuk e os outros olharam para mim, como se eu tivesse ficado louco. 

- Ah… me desculpe por isso…. 

- Hyukjae. 

- Hyukjae - Repetiu o rei - Mas eu acredito que você sabe muito bem o motivo de eu ter lhe chamado. - O rei deu um sorriso, que me atrevo dizer era bonito, mas ele perdia para o meu fishy. 

- Provavelmente por minha causa - Leeteuk e os outros olharam novamente me minha direção, e aquilo estava começando a deixar o meu ego inflado, pis parecia que ele não tinham notado isso. 

- É, pela cara de seus amigos você deve ter desoberto tal motivo atraves de meu mensageiro. 

- Pois é, ele não sabe esconder suas intenções, e pelo que te conheço acredito que me quer para destruir o Sagrado Santuário. - Disse convicto, era aquilo que ele queria, se não por qual motivo ele me chamaria, e deixaria que meus amigos me acompanhassem? 

- Éeee, Hyukjae….como você sae disso? - Perguntou Kyuhyun. 

- Fácil, o Redentor Zhoumi sempre me disse que esse cara - Disse apontado para o Rei - adora roubar informações sobre o Santuário para poder destrui-los. 

- Ha - bufou o rei - Você até que é ousado meu jovem. 

-Obrigado, faço o que posso. - Sorri falsamente. - Mas o que você quer com a minha pessoa. 

- Bom irei direto ao ponto, realmente eu quero destruir aquele lugar, como é o nome mesmo? Sagrado Sanitário? Enfim, quando soube que você fugiu e que os Redentores estavam loucos a sua procura, pensei que seria o tal furia de Deus e resolvi agir. 

- Tá e daí? 

- Quero que se junte a mim e me ajude a expandir o Palazzo de IdrisPukke, para depois destruirmos o Santuário. 

Olhei para Leeteuk, que parecia absorver tais informações, iria aceitar, mas não deixaria barato. 

- Aceitamos, mas com uma condição. 

- E qual seria? 

- Você nos dará livre acesso á seus documentos, principalmente sobre a minha cicatriz, reservará um local de treinamento. 

- Ok - Disse o rei se levantando e estendo a sua mão para que eu a segurasse. - Caso eu a quebre tens a permissão de minha capitação. 

- Agora a coisa ficou divertida - Sorri segurando as mão do jovem rei como um selo de nosso acordo. 

Um dos lacaios do rei nos levou até uma sala para que esperassemos nossos aposentos ficarem prontos. Heechul andava de um lado para o outro como se estivesse entrando em panico em 5….4….3…2….1…. 

- O QUE VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FAZENDO HEIN HYUKJAE? 

- Relaxa, eu tenho um plano. 

- E que plano é esse? - Perguntou Kyuhyun. 

- Saberão, por enquanto fazem o que digo, e mais tarde estaremos longe daqui. 

- Confio em você - Disse Donghae, acompanhado de Sungmin, os dois se encaram com olhares raivosos, Heechul bufou virando os olhos, enquanto Leeteuk se aproximava de mim depois de tanto pensar. 

- Sei o que pretende Hyukjae, irei seguir seu plano, mas saiba que se algo acontecer com…. - Não era preciso ser um genio para entender sobre quem leeteuk falava. 

- Não se preocupe, se fizermos direito, não iremos ter imprevistos. 

Estava em meu quarto, observando o céu pensando nos detalhes de meu plano, enquanto Donghae tomava banho. O plano parecia não ter nenhum furo, no dia seguinte treinaria juntamente com Kangin, Kyuhyun, Siwon e Leeteuk, enquanto Heechul Ryewook Sungmin, Henry e Donghae leriam os documentos. Apesar de achar que os meninos estavam mais com medo de apanharem de mim durante o treinamento, fiquei quieto, não seria eu que iria questionar, pois sabia que eles seriam os mais fracos e indefesos caso eu deixasse a minha besta interior me dominar. 

Fui tirado do meus devaneios, quando senti dois braços circundarem a minha cintura, um aroma doce de cacau tomou conta de minhas narinas, só poderia ser ele. 

- Sobre o que está pensando? - Perguntou Donghae, enquanto eu me virava para fita-lo. 

- Sobre você - O rosto de Donghae, começaram a ficar coradas, abaixando seu olhar deixando fitar qualquer coisa que não fosse meus olhos. Levantei seu rosto e selei nosos lábios. 

- Por que me sinto tão indefeso nos seus braços Eunhyuk? 

- Porque você sabe que sempre estarei ao seu lado para te proteger. 

- Eunhyuk, você me machucaria? - Perguntou o mais novo, voltando a me fitar com aqueles mares negros. 

- Eu com certeza não, mas o meu outro eu, jpa não tenho creio. 

Donghae, selou meus labios nos seus, logo em seguida pedindo passagem que foi aceita no mesmo momento. O beijo não era doce e não tinha um pingo de sanidade, eu podia sentir o medo de Donghae, podia sentir o desejo e a luxuria em seus pequenos e avermelhados lábios. Sabia o que ele queria, mas não sabia se poderia mesmo realizar tal feito. Parei o beijo e fitei o seu olhar, ele apenas assentiu, me deixando claro que iriamos porsseguir. Donghae, retomou meus lábios, deixando nossas linguas batalharem por espaço. Logo começei a beijar seu pescoço, enquanto suas mãos puxavam minha camisa. 

Fiz questão de tirar a camisa de Donghae, fazendo-o sem nenhum problema, logo Donghae tirou a minha, deixando selares em minha barriga. Empurrei o pequeno na cama, deitando sobre ele, deixando nossos intimos ligados. Donghae começou a desabotoar a minha calça, enquanto eu deixava um rastro de saliva entre seus lábios até seu pescoço. Logo estavamos unidos, como se fossemos uma única pessoas, cada beijo, cada gemido, cada gota de suor se juntou em nossa memoria como uma noite infinita. Infinita por querermos congelar aquele momento, queriamos selar nosso relacionamento deixar claro para todo o mundo a quem aquele homem perfeito pertencia. Donghae pertencia somente a mim e não deixaria nada acontecer com ele. Não viveria sem ele, não deixaria a solidão correr atrás de mim novamente sendo que o tenho tão perto de mim. A cada movimento que Donghae fazia sobre meu corpo, era prova disso, um pequeno movimento era motivo para deixar o meu coração acelerado. Ouvir meu nome sair entre gemidos da boca do fishy, era de certo prazeroso para mim. Despois de chegarmos em nosso ápice Donghae se deitou ao meu lado me abraçando, deixando sua cabeça repousar em meu peito. Ambos estavamos ofegantes. 

- Eu te amo Donghae, nunca se esqueça disso - Disse olhando em seus olhos, que eram iluminado pela pouca luz que a lua trazia. 

- Eunhyuk, eu te amo tanto que seria capaz de entrar no Santuário e roubar a comida deles para satisfazer seus desejos. - Ri com tais palavras, Donghae, o mue pequeno amigo agora era meu maior amor, que na alegria e na tristeza, iria ficar ao seu lado. 

Selamos nossos lábios, e repousamos, cobri o corpo desnudo de Donghae com o fino lençol que havia na cama, fiz carinhos nos cabelos negro de Hae fazendo o menos dormir em meus braços. Fiquei admirando aquele ser belo e sereno, deixando o cansaço que aquela noite maravilhosa havia trazido para mim. Dormira feliz, afinal estava com a pessoas que mais amava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário