{Sagrado Santuário} Capitulo 13


[:: P.O.V.LEETEUK::] 

Saímos correndo em direção ao calabouço, tínhamos que passar por uma porta, descer alguns lances de escadas, passar pela prisão para poder chegar no local onde Hyukjae estará acorrentado. Ao passar pela prisão tivemos que diminuir a nossa velocidade. Enquanto passávamos pelo local, um rosto conhecido estava perto da porta que dava ao calabouço de Hyukjae. Olhei para o homem que estava preso, mas Donghae me puxara. 

- O que aconteceu exatamente? – Perguntei á Kangin. 

- Depois que vocês saíram Siwon e Kyuhyun, trouxe ele, parecia estar desmaiado ou sei lá o quê, mas trouxemos aqui quando percebemos que o cabelo dele estava totalmente descolorido e suas veias exaltadas. 

Kangin abriu a porta e entramos no local, encontramos com Redentor Zhoumi que parecia avaliar tudo o que mais cuidado possível. 

- É assim que fica, durante as transformações? – Perguntou o Redentor. 

- Ele ficava se arranhando, ás vezes batia a cabeça na parede para tentar parar com a dor, no final se rendia. Segundo ele parecia que o corpo formigava, coçassava e ardia. 

O Redentor se pôs a pensar, deu ordens para Donghae sair de perto, mas o mais novo parecia não dar ouvidos, se eu soltasse ele, com certeza iria tentar acordar Hyukjae. Kangin pegou Donghae, com cuidado, e o levou para fora, assim que o mais forte saiu, Kyuhyun adentrou no local. 

- Pai, quero que me acompanhe. – E saiu, dei uma ultima olhada em Hyukjae e segui o moreno. 

Este estava parado em frente a uma cela dos prisioneiros. Olhei para a pedra que dizia o nome de quem estava por trás daquelas grades, mas fui fraco. Assim que li aquele nome, senti meu peito doer, meu coração começou a bater mais forte e acelerado, direcionei o olhar para quem estivesse dentro daquele pequeno lugar, e lá estava ele. 

Seus cabelos e barba pareciam ter sido feito horas atrás, seu rosto, seu corpo, tudo era o mesmo. Era como se o tempo tivesse o conservado, assim que ele percebeu o meu olhar surpreso, ele fez o mesmo. 

- Jung Soo – Disse ele, sua voz era grossa como sempre fora, a voz pelo qual eu havia me apaixonado perdidamente. 

- Junyoung, não acredito, está vivo. – Me prendi nas grades sem me importar com o barulho que a mesma fez ao receber o meu peso. Junyoung se aproximou da grade e posou suas mãos nas minhas. 

- Como você está, e o nossos filhos? – Suas lágrimas inundavam o seu belo e juvenil rosto. 

- Kyuhyun. – Me virei para encarar o moreno. – Venha cumprimentar seu pai. 

Kyuhyun deu passos pequenos e se aproximou da cela, Junyoung tocou de leve no rosto do filho, deixando as lágrimas escapar, o que acontecia o mesmo com o moreno. 

- Como você cresceu meu pequeno, da ultima que te vira você tinha dois anos de idade. – Disse com um sorriso no rosto. 

- Desculpa, da ultima vez eu não o reconheci. – Kyuhyun, se pós a chorar, virei seu rosto para que apoiasse em meus ombros. Assim que ele se acalmou, começamos a responder as perguntas de Junyoung. 

- O que estão fazendo aqui em baixo? Por que entrou no calabouço? 

- Um de nossos acólitos é a mão esquerda de Deus. Ele conseguiu fugir e nos encontrou. Ficou conosco até poucos dias atrás. 

- Ah e aquele menino que passou com você agora a pouco… 

- Ele é Donghae, pai. – Completou Kyuhyun. 

- Donghae??? Ele engordou? 

- Não – Ri - Ele está grávido do menino que está preso no calabouço. 

- GRAVIDO?????????????? EU FICO POR FORA MAIS DE DEZ ANOS E AGORA FICO SABENDO QUE MEU FILHO ESTÁ GRÁVIDO… – Ele iria continuar a gritar se não fosse pela minha mãe calar a sua boca. 

- Eu sei como se sente, dei uma bronca neles, mas os jovens de hoje em dia não escutam os mais velhos. – Expliquei. 

-Me conte tudo, e não me esconde nada. – Pediu ele. 

Enquanto eu explicava tudo o que havia acontecido pedi para Kyuhyun trazer seus irmãos. Assim que toda a história foi explica os três irmãos chegaram. Ouve mais choro, não podíamos aguentar, a cena era bonita, se não fosse pela grade poderíamos estar nos abraçando. 

Donghae contou nos mínimos detalhes os seus sentimentos com Hyukjae, também desabou assim que contou o corrido de hoje de manha. Junyoung deu conselhos ao filho mais velho, deu-lhe apoio, e pediu sobre a vida dos outros filhos. Poderíamos ficar mais algum tempo conversando se não fosse um grito vindo do calabouço. Donghae já estava para correr, mas Henry o segurou. 

- Você está louco? Você acabou de dizer que o cara tá bravo com você e ainda quer ir lá vê ele nesse estado? 

- Henry está certo, Donghae, fique aqui e deixe seu pai entrar. – Disse Junyoung. 

Adentrei no local vendo Hyukjae se arranhar. Juntei-me a ele, impedindo que o fizesse. 

- Hyukjae, pare com isso, você não sabe que essa sua dor está deixando Donghae agoniado? – Tentei parar. 

- Leeteuk, - Ele olhou para mim chorando, ver o seu rosto daquele jeito, me deixou surpreso, a minha vontade era de chorar novamente. – Po-po-po-porrrfavooor, nãooo abadann-dodo-dodone o Hae. 

- Hyuk-ah, se você quer protegê-lo faça você mesmo. 

- Por favor, Leeteuk. – Em sua voz podia ser ver a suplica, seus olhos deixaram sangue escapar, aquilo era demais, quando ele ia terminar de falar seus olhos ficaram cinza soltando uma risada… Diabólica. – HAHAHAHAHAHA’ cadê o guerreiro? Cadê, cadê? – Sua voz parou novamente e seus olhos voltaram ao normal. – Saia daqui Leeteuk e proteja Donghae. 

Os olhos de Hyukjae ficaram variando entre os castanhos escuros e a cinza. Aquilo estava me deixando assustado, ao invés de ele chorar como uma pessoa normal, sangue saiam de seus olhos. Sai correndo em direção á porta, olhei para Kyuhyun e pedi para que chamasse todos. Donghae estava me olhando nervoso, estava ansioso pelo o que acontecia. 

- Donghae, você está proibido de vir aqui. – Esbravejei. 

Donghae iria responder, mas o Redentor Zhoumi apareceu, ele me olhou como se eu tivesse tirado ele de algo importante. 

- O que aconteceu? – Perguntou ele. 

- Os olhos, além de ficar variando de cor, estão vazando sangue, se isso continuar, Hyukjae não sobrevivera por muito tempo. 

O olhar do Redentor de arregalou ele prontamente entrou juntamente á Shindong, Ryeowook, Kibum e Yesung. Olhei para Junyoung dizendo que voltaria só iria deixar os meninos em um local seguro. Assim empurrei Kyuhyun, Henry e Donghae para o meu quarto. 

Assim que chegamos ao local, tranquei a porta. Donghae começou a fazer perguntas, o que estava me deixando irritado. 

- Donghae, Hyukjae me pediu, no meio de suas lágrimas de sangue, para que não te abandonasse, ele estava se arranhando como na ultima vez, mas hoje parecia… Que ele estava… Não sei dizer ao certo. Enquanto ele estive no calabouço você não irá vê-lo. 

-Mas… 

- SEM MAIS DONGHAE, ME OBEDEÇA. – Gritei. Donghae começou a chorar, sendo aparado por Henry – Desculpa Donghae, mas entende que eu quero o seu bem e de sua filha, apenas fique junto comigo e não saia de perto de mim, hum? – Perguntei. 

O mais velho assentiu, e começou a se acalmar. Deitei-me na cama, iria dormir estava cansada demais, muita coisa aconteceu hoje. Hyukjae e sua fúria, Donghae chorando, reencontrar com Junyoung, ver Hyukjae chorar. Aquilo era demais para mim. Senti a cama pesar abri os olhos e vi os meninos se deitarem ao meu lado, apoiando suas cabeças em meu corpo. Passei as mãos em seus cabelos. 

- Vai ficar tudo bem, vai ficar tudo bem. 

[:: P.O.V.HYUKJAE::] 

Estava tudo escuro, não sabia onde estava. Você está no seu subconsciente, Hyukjae. Uma voz ecoara em minha mente. Como eu poderia estar em meu subconsciente? E as minhas dores? Lembro-me de estar com um horrível dor de cabeça. Você está no subconsciente, por isso não sente dores físicas. Quem é você? A voz de sua consciência. 

Donghae, você esta aí? Donghae-ah! Ele está ao lado do pai, bem longe de você, Hyukjae. Por que isso está acontecendo comigo? O que fiz? Você nada fez meu caro, apenas descanse. Mas não me sinto cansado. 

O que devo fazer? O que está acontecendo? Hyukjae, você se sente incompleto? Sim eu me sinto assim. Onde está a sua besta Hyukjae? Minha besta? Minha besta… Está no meu corpo. Você quer que ele fique no seu corpo? Não. Você quer que ele toque em Donghae e na sua filha? Não! Então descanse Hyukjae, assim terá energia o suficiente para proteger a quem ama. 

Nada eu sei, apenas fechei meus olhos e esvaziei a mente, deixando tudo ir embora. 

[:: P.O.V. DONGHAE::] 

Estava ficando cada vez mais preocupado com Hyukjae. Já se passara uma semana e nada dele acordar. Depois que uma semana havia se passado, colocamos Hyukjae em nosso quarto. A cada dia fico ali ao seu lado velando, esperando o seu sono terminar. Não sentia fome, mas Leeteuk sempre me trazia algo para comer, ás vezes Henry ficava em meu lugar para que eu pudesse tomar um banho. 

Shindong pediu para eu tomasse cuidado, pois as emoções podem ser transmitidas ao bebê, mas não aguentava sair do quarto sabendo que Hyukjae estava em um sono tão profundo que pudesse durar para todo o sempre. 

Redentor Zhoumi juntamente com os outros, começaram a fazer uma pesquisa em relação ao sono de Hyukjae. Eu sempre me alternava em ficar no quarto ou na biblioteca ajudando na pesquisa. 

- Ah não aguento mais! – Exclamei. – Faz uma semana que vocês estão só pesquisando, mas nada em que faça Hyukjae acordar. 

- Calma Donghae, você acha que a gente já nasceu inteligente? – Perguntou Sungmin. 

- Eu só quero que ele acorde. 

- AHHHH SAAA. EU SOU DEMAIS!! – Gritou Kyuhyun, desviando nossa atenção para ele. – O que Hyukjae está passando é o que chamam de inicio da fase final. 

- Tá… Continue. – Disse Heechul. 

- Significa que a próxima transformação será definitiva. Ou ele perde o corpo para a besta ou ele tira a besta de seu corpo. 

- Tem como tirar a besta? – Perguntou Siwon. 

- Têm, mas para isso temos que ter alguém com essa cicatriz. – Kyuhyun mostrou a pagina do livro em que a tal cicatriz se encontrava. Ela se aprecia com que Hyukjae tinha no braço, mas segundo livro ela se encontra no pescoço. 

- Eu conheço alguém que têm essa marca. – Disse Leeteuk. Parei para pensar em quem seria tal pessoa, e me lembrei de quem ele se tratava. 

- Junyoung. – Afirmei. 

Assim, Redentor Zhoumi, foi até o calabouço e trouxe meu pai. Agora com bastante luz, podíamos ver nitidamente a tal cicatriz em seu pescoço. Explicamos a situação á ele, que prontamente entendeu tudo. 

- No caso, tirar a besta dele até seria fácil, mas não muito. 

- Ou ele é fácil ou não. – Reclamou o Redentor Kibum. 

- Agora sei com quem Heechul aprendeu a ser tão ignorante – Disse Kangin. 

- E como faz isso? – Perguntei. 

- Bom, primeiro, a besta ira fazer sua ultima parição cinco meses depois da ultima. Ao invés de ser na lua minguante será na lua cheia. Precisamos de uma barra de ferro banhado no vinagre, um livro de maldições. 

- Pra quê tudo isso? – Perguntou Kangin. 

- A barra de ferro banhado no vinagre, ao entrar em contato com o corpo do amaldiçoado irá fazer com que a besta fique no consciente. O livro de maldição para preparar o elixir. 

- Que elixir? – Perguntou novamente Kangin. 

- É como se fosse uma poção, nela irá conter ingredientes que fará com que besta nunca mais retorne ao corpo do hospedeiro. O único problema é como saber expulsá-lo. 

- Tá então, você sabe como deixa-lo consciente e como fazer uma barreira para que ele nunca mais retorne no corpo de Hyukjae, só não sabe como expulsá-lo? 

-É isso mesmo, por que tem alguma ideia do que seja? – Perguntou Junyoung, mas Kangin apenas fez que não com a cabeça e se manteve quieto durante o resto da conversa. 

O que me deixou pensativo foi o fato do Redentor Zhoumi agir como se fosse um ser humano qualquer. Aquilo foi muito estranho, ele nunca se preocupa com Hyukjae, segundo ele, então qual seria o motivo de agora bancar o pai dele? Aí tem coisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário