{Sagrado Santuário 2} Capitulo 2 - O Inicio de uma nova Jornada


[::P.O.V. HYUKJAE::]

Um lugar frio. Uma floresta talvez parecesse com a floresta que cercava o Santuário. Mas estava mais iluminada, pois o céu estava em mistura com a escuridão e o alaranjado que o por do sol mostrava, as arvores de troncos grossos e negros seus galhos finos sem nenhuma vida, nem sequer uma folha seca, no chão as raízes das mesmas árvores se misturavam com mato baixo num verde musgo. Não importando por onde andava só enxergava a densa neblina, e o alaranjado do céu. Horripilante, essa era a sensação. Na frente Donghae andava segurando um espelho, seus olhos ainda sem vida, andava descalço no solo seco sem se importar se cortaria a sua pele ou não, apenas andava, eu estava parado, não conseguia entender o que se passava.

- Onde estou? – perguntei olhando o lugar que me cercava, Donghae que andava mais na frente, virou sua cabeça, mantendo seu corpo de frente para a estrada que se seguia, com uma voz calma e baixa, quase parecendo um sussurro.

- Eunhyuk, qual é o seu sonho? – Olhei para ele surpreso, pensei por alguns instantes dando uma leve risada.

- Você não sabe qual é? O meu sonho é viver feliz livre da besta, apenas eu você e Sunny. – Donghae se virou e continuou a andar, sem olhar para trás. – Ei! – Gritei tentando chamar sua atenção, mas ele não se voltara para trás, apenas seguia em frente sem se importar com o que acontecia comigo, logo sua voz baixa voltou a tomar conta de meus ouvidos, deixando a atmosfera mais assustadora.

- Então, te ajudarei a tornar seu sonho realidade.

- Você não entendeu, eu já tenho isso tudo, venha, volte para casa. – Pedi, mas ele continuou a caminhar me ignorando totalmente. 

Continuou a caminhar em direção á uma arvore que estava em cima de um pequeno morro, abaixo de sua raiz havia uma entrada, Donghae entrou na gruta, eu ia segui-lo mas meus pés pareciam colados ao solo, não conseguia me mover. Gritei por seu nome, mas não tinha nenhuma resposta.


Acordei suado, Sunny me olhava preocupada juntamente com Leeteuk, suspirei aliviado por ser um sonho, mas logo me arrependi, pois Donghae não estava ao meu lado. O sonho parecia tão real, os olhos de Donghae no sonho eram idênticos de ontem a noite, me sentei na cama, colocando a mão em meu peito em uma tentativa, frustradora, de acalmar meu coração que batia acelerado.

- Está tudo bem com você Hyukjae? – perguntou o mais velho com um tom de preocupado.

- Sim só foi um pesadelo.

- Bom vim avisar, que jantaremos juntos, para pensar no que fazer.

Assenti limpando o suor em meu rosto, logo o líder saiu do quarto dizendo que cuidaria de Sunny para que eu fosse trabalhar me levantei fui em direção do banheiro, me preparando para ir de encontro com os alunos.

Saí do quarto e fui em direção da cozinha onde estava Leeteuk, Junyoung e Sunny, sentado na pequena mesa de madeira, que eu construirá, tomando o café. Sentei-me perto deles, tomando o delicioso café preto, o gosto era parecido do café que Donghae preparava, deve ter aprendido com o pai. Levantei-me despedindo de todos, dando um beijo no topo da cabeça da pequena, e saí em direção do Campo do palácio de Henry. Pois é ele fizera questão de criar um para treinar soldados e tudo mais caso houvesse guerra, no meu ponto de vista, ele fora inteligente com tal ato.

Ao chegar ao campo vi alguns ‘’alunos’’ se aquecendo para a aula do dia, deixei minhas coisas no banco perto de mim e loco bati palmas para chamar a atenção dos alunos. Dei uma explicação rápida e fácil de entender com direito a demonstrações e segredos para conseguirem deferir um golpe ao inimigo com uma lança. Às vezes soltava alguns berros e chamava atenção tentava mostrar do mesmo jeito que os Redentores me ensinara, porém sem castigos, se algum deles errava eu incentivava a fazer novamente até que acertasse. Não demorou muito e logo era hora do almoço.

Dei as costas para os alunos vendo Sunny parada com uma marmita em suas mãos. Abri um sorriso e os braços me agachando para ficar na altura da pequena, e ela veio correndo em minha direção.

- Appa, eu e o vô Teuk preparamos para você.

- E quem te trouxe aqui, bebê?

- O tio Heechul vai me levar pra fazer compras, só passamos aqui para não te deixar com fome.

Agradeci-a enchendo suas bochechas pequenas e fofas de beijos, ela deu uma risada, que me lembrara de a de Donghae, e logo ela depositou um beijo em minha bochecha e saiu correndo em direção de Heechul e Kibum, que apenas acenaram de longe. Assim que sumiram de vista me sentei no banco desfrutando do gosto belo e gostoso da comida feita pelos sogros e de minha linda princesa. 

Logo retomamos a aula continuando a luta, ensinando e puxando algumas orelhas. O sino da igreja principal da cidade bateu dezenove vezes, mostrando o horário para regressar para casa. Peguei minhas coisas e fui em direção á casa de Leeteuk, onde provavelmente, todos estariam.

Bati na porta sendo atendido por Junyoug, me convidando a adentrar no local. Passei pela porta branca, vendo todos reunidos na sala, logo Sunny veio em minha direção dando um abraço, não me segurei e senti seu perfume leve e gostoso, igual a de Donghae, ela puxara tudo do mais novo, a única coisa que se lembrava de mim são seus olhos roxos e sua atitude brava, o resto é parecido com Donghae. Sentei na cadeira, segurando a mais nova em meu colo, logo depois de botar todo o assunto em dia, resolvemos comer. 

Não demorou muito tempo para Sunny cair no sono, a levei para a cama de casal dos avós e voltei para a sala onde todos mudaram a fisionomia para sério. Kyuhyun se levantara levando o pequeno Minwoo até o quarto em que Sunny se encontrara.

Assim que o mais novo retornou o silencio foi constante, resolvi tomar as rédeas e contar o que me deixara assustado. 

- Tive um pesadelo essa noite. Foi com Donghae, parecia ser bem real. – Todos me olharam curiosos, logo não perdi tempo comecei a contar tudo que havia sonhado, não escondendo nenhum detalhe.

- Bom, pelo que me parece você ainda têm ligação com a besta, e ela está tentando te levar para algum lugar. – Comentou Junyoung.

- Será que se o Hyukjae dormir novamente, ele irá sonhar com o local onde Donghae está? – Perguntou Sungmin, enquanto recebia caricia na barriga de 5 meses do amante.

- É uma boa pergunta. – Disse Siwon, logo se virando para mim. – Tente dormir, sem pensar em nada, eu Leeteuk e Junyoung ficaremos de olho em você, caso sentirmos que algo irá dar errado te acordaremos.

Assenti assim Junyoung me deu algumas roupas confortáveis e fui tomar banho, pois ele seria essencial para deixar com que o sono pesasse o que realmente aconteceu. Depois fui para o sofá enquanto Heechul fazia uma massagem para me ajudar a cair no sono, o que não demorou muito.


Uma caverna, escura e fria, ela tinha a água batendo na altura de meu tornozelo e embaixo dela pedras, porém não eram grandes o suficiente para me fazer andar com grande cuidado. Na minha frente andava Donghae, ainda com o espelho, dessa vez pude ver que sua vestimenta estava branca, tudo branco, seu olhar ainda parecia estar sem vida, sem nenhuma chance de ser o velho Donghae do qual havia me apaixonado. Mais a frente, entre algumas pedra grandes, estava uma espécie de capela feita de rocha, no meio um espelho, pude então perceber que o espelho que Donghae carregava antes, não estava mais em seus braços. Seus pés pararam de andar, e o imitei fitando o pedaço de vidro na frente.

- Um espelho? – perguntei baixo, logo Donghae começou a falar uma espécie de poema, não pude entender direito.

- ‘’Qual a utilidade do esboço da imortalidade para mim agora que nunca mais poderemos ns ver de novo, e eu passo todos os dias derramando lagrimas o suficiente para flutuar o seu despertar?’’

Me senti nostálgico, conhecia aquele poema, já estudara sobre ele no santuário, meus pensamentos fora tirados quando meus pés se moveram sozinhos, não havia vontade de caminhar, andei até perto do espelho, e ergui a mão, só então vendo que as minhas roupas eram diferentes também, pareciam compridas, meus braços se levantaram involuntariamente tirando a poeira no espelho, assim pude ver que o espelho que Donghae não carregava antes, estava em suas mãos como um passe de mágica. Nela foi refletido o além dos rochedos que estavam sob nossas cabeças, ela refletiu a lua minguante, a luz fraca que a lua trazia foi refletida no espelho de Donghae, logo em seguida no espelho que estava na minha frente, uma luz clara porém forte, tive que colocar o braço em cima de meus olhos, pois os mesmos ardiam.

- Conseguistes dar o primeiro passo Hyukjae, não temerei em te mostrar onde estou,- uma voz muito conhecida ecoou na caverna, olhei para o espelho e vi a besta, que antes ocupava meu corpo, preso no espelho. – pois preciso de você para eliminar a vida desse mundo e trazer a noite eterna para quem me resignou essa missão.

A caverna subitamente começou a tremer, me segurei na ponta de uma das rochas e olhei para a minha esquerda vendo que o rio que havia perto se movia. Uma construção saiu das águas, ela parecia velha e sombria, logo a voz da besta se tornou eminente.

- Esse é o castelo detrás do espelho, eu e Donghae estaremos a sua espera.

Novamente, acordei gritando o nome de Donghae, senti o suor inundar meu corpo e algumas mãos repousarem em meu abdome para me fazer acalmar, como haviam prometido eles estavam ali, caso algo de ruim acontecesse.

- Conte-nos. – Ordenou Junyoung, logo eu conte0lhe todos os detalhes, tudo o que havia visto e ouvido. – Como pensei a besta quer atraí-lo através de Donghae.

- O verso que Hyukjae contara me parece ser um dos versos do poema da Tenyo. – Disse Henry.

- O que é Tenyo? – perguntou Sungmin.

- Uma virgem celestial, coisa assim. – Explicou Henry.

- Reza a lenda que ela tinha um caso com um rei de não sei de onde e mandou cinco servos fazerem cinco tarefas impossíveis, depois ela largou o cara e voltou para a lua. – Resumiu Heechul. 

- Andei pesquisando durante o dia, o encantamento que usamos para lacrar a besta, tem algo haver com a lua, não dizem que o paraíso é no céu? O que têm além do céu?

- O universo, digo os planetas. – Comentou Kyuhyun.

- Pois bem, parece que lacramos a besta em um espelho, e ele deve estar procurando por Hyukjae para usar seu corpo e, digamos, continuar a sua missão.

- Então vamos segui-lo, quando chegarmos lá faremos de tudo para derrubar ele de novo, e dessa vez de uma vez por todas.

- Partiremos amanha mesmo, Kyuhyun, Henry, Sungmin, Ryeowook, Shindong e Siwon fiquem aqui e cuidem das crianças, o resto partirá comigo amanha. – ordenou novamente Junyoung.

Depois de cuidarmos dos detalhes de nossa jornada, todos foram dormir desta vez dormi ao lado de minha pequena Sunny, queria passar o Maximo de tempo com ela, já que ficarei um tempo fora de casa. Doía-me pensar que estaria longe dela, mas precisava fazer isso. Logo caí no sono, dessa vez sem nenhum sonho ou pesadelo.

Quando o dia amanheceu, todos estavam reunidos nos portões de Memphis, dei um abraço grande e prazeroso na minha filhota, deixando algumas lágrimas escorrerem em seus olhinhos.

- Você tem que ir mesmo? O Appa Hae não consegue achar o caminho de volta? – perguntou com um olhar triste, limpei sua lagrimas com o polegar e lhe dirigi um sorriso.

- Eu te prometi que traria o Appa de volta, e é isso que farei não se preocupe, logo estarei de volta.

Depois de mil abraços e trezentos beijos, colocamos o pé na estrada, indo em direção á floresta, que depois de muito tempo pesquisando, Junyoung achara a localização, ficava á sete horas de Memphis no lado sul da cidade, caminhamos sem nenhum medo, e com apenas um objetivo matar a besta e uma prioridade resgatar Donghae.

Nenhum comentário:

Postar um comentário