{Dance For You} Capitulo 5 - Teather


Donghae ficou com a boca aberta, mas não proferia nenhum som, como se as palavras tivessem sido roubadas. Ficou fitando-o esperando uma reação sua que não fosse surpresa. Estiquei a corrente para ele, fazendo uma cara de que esperava sua resposta. Ele brevemente sorriu assim ficando mais calmo.

- Foi em você com quem esbarrei então.

- Parece que sim, então aqui está, sua corrente.

- Obrigado.

Donghae colocou a corrente em seu pescoço e se virou para frente prestando atenção no professor que acabara de chegar. Fiquei pensando comigo mesmo como ele poderia fingir tamanha surpresa sendo que fora ele mesmo que me dera a dica? Fora ele mesmo que agira como um anjo em minha frente, fora ele mesmo que resolvera ser misterioso me deixando á beira da curiosidade, me induzindo ir até a biblioteca publica para pesquisar sobre ele e sobre aquela escola sombria.

Se não fosse pelo sei jeito, tudo poderia ser diferente. Mas algo nele, me diz para ficar longe de seus mistérios, para ficar quieto em meu canto que alguém cuidaria de mim. Mas nunca dei atenção á minha consciência gosta de provar do além que o humano poderia chegar. E nesse caso, eu teria um anjo á minha frente.

Poderia ter fugido, poderia sair contando para a escola inteira, mas eu seria tachado de louco, ou então que eu sentia minha popularidade ameaçada pelo garoto novo. Sei que meus sonhos são irreais, mesmo tendo os detalhes da realidade. Sei diferenciar um sonho da realidade, e posso jurar de pé junto, que suas aparições em meu quarto nada mais são do que meu desejo de estar ao seu lado, de ver como seria a sua expressão em saber que eu estaria doente ao sair na chuva naquele dia.

Donghae é um ser humano qualquer, era isso o que eu pensara. Mas no dia em que ele me salvara do espírito da garota, ele me provara que seus mistérios são na verdade um segredo da qual eu não poderia saber. Porém a confissão de meus amigos, principalmente a de serem homossexuais, me fizera levar até a biblioteca publica, encontrando um livro de autor desconhecido que por algum jeito atualiza o livro a cada ano que se passa, não deixando de fora os detalhes. E lá estava escrito que eu fui até a Falls School, encontrei um espírito e que fui salvo por um anjo, que no caso seria Donghae. Agora, pensando seriamente no assunto, o livro me fizera despertar uma curiosidade, uma vontade de saber se mundos paralelos ao dos humanos, existem. E eis que encontro um site que falaria sobre os anjos.

Uma corrente, com uma pedra azul safira, poderia ser imitação, mas o detalhe do gancho me faz acreditar que Donghae é um anjo, e sua reação de agora a pouco, fora a prova convicta disso.

O professor Jung Soo chegara à sala com alguns papéis nas mãos. Alguns alunos ratearam dizendo que seria prova surpresa. Mas o professor estava animado demais para ser uma prova surpresa. Ele se se sentou à mesa e olhou os alunos de forma avaliativa, e logo tomou fôlego para iniciar seu discurso de como seria a aula de hoje.

- Bom alunos hoje terá uma aula diferente. Irei fazer uma prova em forma de teatro. Irei selecionar um grupo de alunos que irão receber esse roteiro. O roteiro terá alguns buracos, que será aonde você irão por suas respostas. Cada grupo terá uma matéria.

- Como assim cada matéria, sendo que o senhor só dá aula de coreano. – Perguntou Kangin.

- Apenas façam o que digo e ganhem a nota que precisam. –O professor pegou os roteiros, que antes da capa havia uma folha de papel com o nome dos alunos, e assim foram chamando os grupos dando instruções. - Lee Hyukjae, Lee Donghae, Choi Siwon, Kim Yoong Woo.

Levantamos-nos e fomos até a mesa do professor, ele logo se aproximou de nós sussurrando para que nenhum outro grupo escutasse-nos.

- Vocês farão uma peça teatral surreal, o tema tem que ser algo que já tenham estudado na matéria de história, darei a dica que é a seguinte:. Não se esqueçam dos mitos.

Voltamos para nossos lugares e nos sentamos em uma roda, dando uma lida no roteiro, vendo que os espaços em brancos teriam de ser respondidos nas folhas mesmo. Cada um leu e respondeu do jeito que acharia certo, assim passamos as respostas para o professor, que corrigiu mostrando onde havíamos errado. Depois de acertar as respostas passamos á limpo no roteiro, assim começando a ensaiar.

O professor tinha avisado que deveríamos deixar um espaço em branco que seria onde os alunos iriam tentar responder, caso não conseguisse a peça seguiria em diante. A parte em que eu escolhera seria perfeita para que pudesse fazer um dialogo com Donghae, assim nos mantendo juntos por alguns segundos. Fiz de tudo para deixar aquela parte para mim.

Vinte minutos depois de ensaiar, as apresentações começaram, assim fazendo com que a sala inteira se divertisse. Alguns alunos fizeram peça sobre Einstein, outros sobre Picasso, Livros do século VIII, sobre os continentes e tudo mais, sendo a nossa deixada por ultimo. Para falar a verdade eu me sentia ansioso, eu faria Donghae surpreso pela segunda vez no dia, e assim acabando com a distância que há entre nós.

-Bom o próximo grupo, falará sobre a matéria de história. Podem começar meninos. – Disse o professor, assim Kangin começou a falar.

- Como podes tu acreditar em pessoas sendo que nunca as viu?

- Oras, e você têm provas de que tais seres nunca existiram? – Foi a vez de Siwon.

O roteiro fora se passando e a minha vez de entrar em cena finalmente chegara. Tudo o que eu tinha que fazer era iniciar um dialogo com Donghae, que fazia o papel de um ser sobrenatural, e eu havia descoberto seu segredo porém não acreditaria, e para isso teria que usar um termo que os alunos iriam me ajudar a falar. Alguns termos da época, palavras enfeitadas e formais, para deixar com um toque de realidade. Logo entrei em ação.

- O que queres de mim? Porque me chamaste? – Começou Donghae.

- Quero saber se andastes bem, pareces tão afastado das pessoas. Sabes que me preocupo contigo.

- Estou perfeitamente bem meu caro amigo. Se me dás licença, irei embora para cumprir os meus compromissos.

- Espera. – Fora nessa hora que os alunos gritavam nomes de todos os deuses do olimpo, cada nome que me era diferente do que eu havia pensado, mas uma ideia me surgira na cabeça, se fosse para acabar com a distância que fosse agora, e ninguém além dele entenderia. – Como podes ir embora antes de eu te confessar meus sentimentos?

- O quê? – Donghae se mostrou perfeitamente surpreso, a minha ideia estava fazendo efeito.

- Você, não tens coração, irás partir e deixar esta pobre mulher indefesa nesse mundo, sendo esta é a vossa missão?

- Eu não entendo – Donghae percebeu que eu não seguia o roteiro, que eu estava falando algo aleatório, talvez ele ache que eu esteja me confundido, mas o choque será agora.

- És um anjo. Como posso ficar ao lado de tal criatura divina? Seus olhos negros que me deixa calmo, seus cabelos acobreados que voam com o vento em uma valsa harmoniosa, seu sorriso inocente e doce que pode ser igualado ao de uma criança. – Donghae me olhava com os olhos arregalados, eu estava me declarando para ele no meio de uma peça teatral. Aproximei-me dele, tocando levemente as pontas de meus dedos em seu rosto, sentindo a maciez de sua pele. – Como posso ficar perto de tal criatura divina, sem ter medo de corrompê-lo como um vidro? Digas-me, és meu anjo e estás aqui para me proteger, então porque irás embora?

Donghae me olhava assustado, seu olhar era desviado para qualquer outro ponto, mostrando que eu havia o pegado de surpresa. Fiz de tudo para deixar meus olhos lacrimejados, assim, derramando algumas lagrimas, captando seu olhar de arrependimento. Mas a figura entrara em meu jogo, assim virando o placar.

- Me desculpes, não sei como devo agir, um anjo não deve amar, anjo não podem ter tais sentimentos, principalmente com humanos. Sinto muito. – ele se virou me deixando sozinho á meio das lágrimas. Segurei a barra de sua camisa, eu venceria aquele jogo.

- Me digas, do que será necessário para que eu ficasse ao seu lado para toda a eternidade. Meu anjo sei o que és, não precisamos mais de segredos. A sociedade pode estar em guerra por causa da igreja, mas estou em guerra contra a igreja por ela não aceitar que um anjo aceites meu amor. Eu te peço meu anjo, fiques comigo.

Donghae se virou para me olhar, sua mão encostara-se à minha, pude assim sentir que ele estava nervoso e que suas palavras eram verdadeiras. Alguns sussurros vinham dizendo para ele me abraçar, e fora o que fez. Donghae me abraçara e pela primeira vez senti o calor de seu peito contra o meu. Os gritos da sala eram altos, assim que os aplausos vieram, me separei de seus braços, mesmo não querendo. Limpei minhas lagrimas dei um sorriso, assim podendo mostrar que aquilo fora apenas uma atuação, sendo que eu realmente queria que aquele anjo ficasse ao meu lado.

Havia pensado em uma maneira de deixá-lo saber de que eu sabia de seu segredo, de que ele mesmo havia falhado em sua missão de ser discreto. Mas desse jeito eu o deixaria confuso, ele viria me perguntar e eu direi a verdade e dessa vez irei me declarar á ele de forma digna, e tentarei fazer de tudo para que ele fique ao meu lado.

Sentamos em nossos lugares, e Donghae nada disse, apenas ficou virado para frente. Fiquei me perguntando se deveria falar com ele, mas resolvera que não, quando ele estivesse disposto a vir falar comigo poderia ter uma conversa.

-x-
As aulas foram se passando, não devo mentir que alguns alunos vieram até mim elogiando a minha atuação e que eu deveria ser ator. Algumas paparicavam Donghae, mas ele não ligava, deveria estar muito chocado com a minha ‘’revelação’’.

Logo depois da educação física, um papel estava dobrado em minha mesa. Abri-o lendo o recado que deveria ser de Donghae.

‘’Me encontre nas escadas de emergência no almoço. ’’

Só poderia ser dele, Donghae simplesmente desapareceu na aula de educação física, e para varias o professor Kyuhyun me fez correr o dobro do normal, ao redor da quadra, apenas por ter cabulado aula naquele dia. O diabo que está no pé.

Finalmente o sinal do almoço tocara e eu corri em direção ás escadas de emergência, mas ao me aproximar da porta, parei respirei fundo acalmei minha respiração, abri a porta fazendo de conta que no caminho eu vim andando ao invés de correr como um condenado.

Donghae estava sentado em uma das escadas e me olhou profundamente, sem piscar seus olhos. Ele suspirou, e logo começou as perguntas, que no meu interior me deixavam mais nervoso do que já estava.

- Como descobriu?

- Falls School, você me deu uma resposta muito ridícula.

- Porque na ignorou aquela desculpa?

- Não sou o tipo de cara que gosta de ficar sentado. Gosto de diversão.

- E você acha que isso tudo é diversão?

- Então me diga Donghae, porque não tomou conta do que faz? Toda vez que te encontro algo acontece, você quebra a perna, perde uma corrente, me salva de um espírito e agora quer bancar o durão comigo. Fora você quem não conseguiu disfarçar.

- Sabes muito bem, que isso não irá acabar bem.

- Sei de nada, apenas sei quem você é. Nada farei, apenas faça o que tiver que fazer e suma daqui. Antes que se machuque.

- Só poderei sair daqui quando você morrer. Até lá, não largarei de seu pé.

- Então comece a agir como um humano.

Donghae umedeceu os lábios secos, passou as mãos em seus cabelos afastando os fios que teimavam em cobrir seu rosto. Vê-lo daquele jeito era tão tentador, era tão convidativo. Se eu não saísse da li não aguentaria muito tempo e o beijaria.

- Donghae, se te magoei, se me intrometi em algo que não deveria, peço desculpas. Mas a única coisa que eu te peço é que fique longe de mim.

Ele fizera uma expressão de surpresa, seus olhos começaram a lacrimejarem, me deixando com dor no peito. Se eu não podia tê-lo para mim, de nada adiantaria tê-lo por perto, assim eu me machucaria. Ver Donghae é algo que me atrai, eu sinto vontade de sentir o gosto de sua boca, quero sentir sue corpo colado ao meu, quero descobrir seus segredos. Mas ele é uma criatura divina, não pode cometer tais pecados, ele é doce e gentil demais, ele quer cuidar de mim, igualmente um anjo da guarda faz com uma criança. Mas eu não sou criança, sou adolescente, quase adulto, tenho sentimentos e desejos, hormônios á flor da pele. Isso não seria legal de se fazer com ele, não quero corromper seu doce coração.

Fechei os olhos, tentando controlar meus desejos, pedi algumas vezes para que ele fosse embora, mas nada de Donghae se levantar. Ele ficara ali sentando no degrau esperando alguma reação minha.

- Por favor Donghae, vai embora.

- Não até me explicar porque me quer longe.

- Não te entendo, você briga comigo por ser intrometido de mais e agora pede para ficar ao meu lado sem motivo algum.

- Eu tenho meus motivos, apenas não te contarei.

- Mas eu te contarei do porque eu quero você longe de mim.

Segurei o pulso de Donghae, o levantei e colei seu corpo no meu. Pude sentir seu corpo se recontrair. Mas se ele queria saber o motivo de eu o querer longe, ele saberia de um jeito inesquecível. Tanto para ele quanto para mim.

Aproximei meu rosto do seu, assim tendo finalmente, a chance de sentir seus lábios. Selei seus lábios , sentindo um gosto doce e gostoso. Pude sentir que ele se entregara ao beijo, pois retribuía. Pedi passagem para sua boca, e ele a concedeu, assim pude aprofundar o beijo, sentindo cada canto dele em meus lábios e língua. Seus braços agora me puxavam para perto de si, assim circundando o meu pescoço e massageando meus cabelos. Passei meus braços em sua cintura, e assim continuei o beijo, acabando cada vez mais o espaço entre nós. Nos separamos, quando sentimos necessidade de ar, Donghae me olhava calmo e confiante, mas eu não podia repetir esse erro novamente.

- Fora como eu disse antes, Donghae. És um anjo uma criatura divina, não posso ficar ao seu lado se poder te tocar e te sentir. Sinto muito, mas eu me apaixonei por você.

Donghae me olhara surpreso, acariciou meu rosto não largando de mim um minuto se quer, não fiz questão de separar nossos corpos, mas ele me deixara surpreso.

- Apenas me ame, fique ao meu lado e tudo ficará bem. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário