{Dance For You} Capitulo 1 - My Life


Ser o garoto mais popular do colégio não é uma tarefa fácil, para falar a verdade eu não faço a mínima ideia de como consegui ser um apenas aconteceu de muita gente querer passar o almoço comigo e meus amigos. Posso dizer que ser popular é ter um grande numero de amigos, sendo que estes estudam na mesma escola ou faculdade que você. Mas, pensando nessa lógica, não tenho muitos amigos, mas sim colegas, pois amigos de verdade, que sempre estão comigo pro que der e vier, são apenas dois Siwon e Kangin. Somos conhecidos como os três mosqueteiros, pois sempre nos metemos em uma enrascada.

Em casa sou diferente, não sei como as outras famílias são, mas a minha é muito rígida e digo isso por experiência própria. Lembro-me de quando estava na quarta série do fundamental. Era a primeira vez que eu estava em uma série que se estudasse pouco era reprovado. Como nunca soube o que ser reprovado ou coisa do tipo, eu não ligava. Quando chegou no ultimo bimestre meus pais ficaram loucos, tiraram meu computador, a televisão, as revistas em quadrinhos tudo que poderia servir de distração. E eu que não era bobo nem nada, fiz um esconderijo secreto para meu game-boy. Lembro-me que meu pai me pegou no flagra, sinto as dores dos tapas na bunda que ele me deu. É depois disso, nunca mais os desobedeci.

Agora tenho 17 anos, estou no 3° ano do ensino médio, sou estudioso, mas ao mesmo tempo vagabundo. Se a aula fica chata dou um jeito de sair, e depois me viro nas matérias á base de cola. Pensando nesse assunto, não acredito que nunca fui pego, eu mesmo acho que minhas técnicas são fajutas. Mas, de nada posso reclamar.

Mas voltando ao assunto popularidade escolar, uma coisa é certa, nunca fico parado quando assunto é relacionamento, ou dizendo melhor, mulheres. Toda festa, toda semana sempre têm uma ao meu lado. Sinceramente está ficando enjoativa essa coisa de trocar de garota a cada festa que eu vou. Depois do escândalo que eu escutei semanas atrás, eu vou é ficar na minha. Bom deixo claro que o escândalo não é para a minha pessoa, mas sim para um dos meus amigos, Siwon. Ele é igual a mim, sempre faz as mesmas coisas que eu, e nem sei do porque, mas enfim. A garota brigou com ele dizendo que ele era um cavalo sem coração, que se fosse para brincar com ela deveria ter procurado por outra. Não é por nada não, mas gostei do que ela falou.

Minha situação atual é pensar em qualquer coisa que não seja o que o professor está falando. Fito a janela que está á minha direita, olhando para baixo, vejo uma turma jogando futebol. Ah como gostaria de estar ali com eles jogando. E não aqui, na sala de aula, mofando com toda essa conversa.

Não demorou para o sinal tocar, afirmando que a hora do almoço havia chegado. Levantei-me na carteira me juntando aos meus amigos, que me esperavam na porta da sala. Caminhamos pelos corredores cumprimentando aqueles não havíamos visto na entrada, e também dando uma geral no pátio á procura de uma mesa para sentarmos. Logo uma mesa estava disponível. Eu e Kangin, corremos para a mesa já escolhendo nosso lugar, sempre fazíamos isso, Siwon chegou escolhendo um lugar qualquer, apenas fazendo a contagem regressiva para que a muvuca de alunos fizessem roda entre a gente.

Não demorou muito, logo aquela multidão estava ao nosso lado contando do final de semana que se passara. Não vou mentir, gosto de escutar as diferenciadas histórias, elas me parecem ser bem interessantes, e humoradas, mas a única coisa que eu não gosto é de ver que eles mentem apenas para tentar fazer daquela história legal e interessante. Sendo que para isso ela tem de ser original. Olhei para Kangin como pedido silencioso de que queria almoçar em paz, e ele logo concordou comigo. Ele fez com que o povo saísse de um jeito tão brutal, que eu ás vezes sinto medo dele.

- Por que todo dia é assim? Nem na hora do almoço temos sossego? – Reclamou Kangin.

- Tudo por causa daquele concurso de dança que participamos. – Argumentou Siwon.

Ah o concurso de dança do ano de 2009, a fonte de toda a minha popularidade. Qual é a sensação melhor do que a de ganhar o primeiro lugar? Não sei, porque não o senti. Naquela época aconteceu tanta coisa, que eu prefiro esquecer, mas sempre que tocam nesse assunto, não tem jeito, as lembranças se tornam muito presentes.

Naquele dia chovia muito, o transito estava um caos e a gente atrasado para a apresentação. Lembro que guando chegamos, o gerente do concurso não deixou a gente se apresentar. Eu fiquei com tanta raiva, havia ensaiado tanto tempo para desistir? Lembro-me de que o gerente havia dito que só restava mais um participante, e que se ele faltasse poderíamos apresentarmos, mas ele já havia chegado. Kangin foi procurar o tal participante, o jogando contra a parede, o garoto quebrou o pé, sendo assim desclassificado, então nós nos apresentamos no lugar dele. Fiquei com a consciência pesada, mas mesmo assim aconteceu e nada pode mudar o passado.

Queria encontrar com aquele garoto e pedir desculpas, mas acho que não teria coragem para isso, pois me sinto culpado.

Voltei ao presente ao ouvir o sinal tocar de novo e ouvir o Kangin reclamando de que o almoço havia durado muito pouco. Dei risada de meu amigo, e logo fui para a sala. No meio do caminho eu andava tão distraído que trombei com um aluno. O garoto deixou cair seus livros, mas antes que eu pudesse ajudar a pega-los ele mesmo o fez e saiu correndo murmurando um ‘’desculpa’’, olhei para o chão vendo que o garoto havia deixado cair um colar. Peguei a corrente de prata com um D como pingente. Poderia até correr atrás do menino, mas chegaria atrasado à aula, e não gostaria de levar advertência só por ter chego atrasado. Guardei a corrente em meu bolso e andei até a sala.

As aulas se passaram tão rapidamente, que eu nem notara, estava tão perdido em meus pensamentos, olhando aquela pequena corrente em minhas mãos. Como alguém pode ser tão desligado? Segurei o riso, nunca vira alguém como ele. Guardei a corrente no bolso e juntei meu material deixando a mochila ao lado de minha carteira, agora seria aula vaga e depois a ultima aula.

- Kangin, Siwon, aonde vocês vão? – Perguntei aos dois que iam á uma direção diferente da minha.

- Vamos sair daqui, têm duas meninas esperando a gente no portão. – Disse Kangin entusiasmado.

- Tá, vejo vocês mais tarde então.

Os meninos apenas saíram correndo em direção do jardim, onde teria um buraco, feito por nós, para poder sair do colégio. Estava com tanto sono, que não aguentaria ficar acordado por muito tempo. Fui em direção das escadas de emergência, e subi até o terraço da escola, vendo o movimento dos alunos que jogavam futebol na quadra de esportes. Ah mas aqueles gritos dos jogadores não me deixariam dormir, teria que ser um lugar mais sossegado. Desci as escadas novamente, parando em um doas andares. Deitei-me na escada mesmo encostando as costas na parede, já fechando os olhos.

Não posso dizer que eu dormi, mas sim que eu cochilei. Pois em mais ou menos 20 minutos um som de musica me fez abrir os olhos. Fiquei com raiva, pois odeio quando alguém me acorda. Abri a porta que ficava perto de mim, vendo um longo corredor onde o som era um pouco mais constante. Andei de porta em porta procurando a sala onde teria a besta que não sabe escutar musica baixo.

Achei a sala de dança, que de vez em quando e eu e meus amigos usamos para ensaiar. Na porta de madeira bege havia um vidro que me permitia olhar para dentro da sala. Vi o chão de madeira claro, a parede com um grande espelho e um garoto.

O garoto estava de costas para mim, vi que seus braços eram musculosos, mas não muito, seus cabelos acobreados, e amarrados em um rabo de cavalo, ele usava uma calça larga negra e uma camisa regata negra também. Olhei para seus movimentos, vendo que ele dançava bem, seus passos eram bons, se não fosse pela sua cintura, ele a mexia demais. Mas ainda sim seus movimentos batiam com o ritmo da musica, casando com a letra, ela era perfeita. Ele tinha uma concentração muito boa, e invejável. Olhei para o espelho para ver seu rosto, mas nada pude ver, pois ele parar de dançar, olhando para a porta onde eu estava. No momento em que nossos olhos se encontraram eu me abaixei, correndo da li para qualquer outro lugar.

Como poderia ter um dançarino tão bom em nossa escola e eu nunca ter visto ele? Ah queria ter visto seu rosto direito, assim o chamar para se juntar a nós. Aish como nessas horas eu posso agir como um perfeito idiota? Saí correndo de volta para a escada, me sentando no mesmo degrau que antes, mas a musica e sua coreografia não saia de minha cabeça. Estava quase perdendo a paciência, resolvi então voltar ao terraço, onde teria mais privacidade.

Quando tive a certeza de que ninguém estaria olhando, fechei os olhos tentando me lembrar da batida da musica e dos movimentos do garoto. Imitei tudo o que pude, e tentando melhora-la. Eu conhecia aquela musica de algum lugar, mas não sabia de onde. Percebi que o que estava fazendo parecia maluquice, mas não posso mentir que tinha de mostrar á aquele garoto um movimento certo.

Peguei minha bolsa e saí correndo a sua procura, novamente criei coragem para espiar a porta, procurando por sua presença, mas nada encontrara. Suspirei, sentindo a minha coragem de lhe falar ir indo embora aos poucos. Caminhei para a sala de aula onde teria a minha ultima aula, assim podendo descansar.

-x-
Não irei mentir, eu o vi apenas alguns segundos, mas se eu fechar meus olhos consigo ver aquele garoto desconhecido dançando belamente, usando sua cintura de forma agitada. Sorri ao lembrar como parecia estranho nunca ter visto ele. Abri meus olhos, sentindo a leve brisa da janela de meu quarto, a brisa que levava meus cabelos para longe de meu rosto, e trazia um aroma consigo que sentia ser tão meu. Por que pensava no garoto, deve ser apenas por ficar impressionado em ver que a escola havia mais um estudante que gosta de dança, além dos que eu conheço.

Tinha que parar de pensar nele, isso está ficando errado, não devo ter tais sentimentos, muito menos esses pensamentos, com alguém que nunca vira e muito menos com um homem. Levantei-me, pegando meu notebook, apoiando-o em meu colo. Olhei as minhas redes sociais, onde tinham muitos convites para festas, mas não estava com vontade de ir a uma, estava cansado e mesmo assim, acredito que seria chato. Recusei tais convites, e tentei procurar pelo garoto. Posso me lembrar de que seus cabelos eram acobreados. Pois fora tudo o que vira, mesmo que seu rosto tenha virado para procurar quem o espionasse, mesmo assim não vira sua face.

- Hyukjae, pare com isso.

Tinha que parar, antes que eu vire para o outro lado. Desliguei meu notebook, pegando um livro que havia começado a ler no inicio da semana. Aproveitando o silêncio de minha casa vazia, posso imaginar as cenas que o livro me traz, de forma bem tranquila, o que fará meus pensamentos irem para longe do garoto da sala de dança.

-x-
Não havia percebido quando caíra no sono, apenas senti meu pescoço doer, por causa da má posição. O livro encontrava-se em meu colo, aberto, pelo menos saberia onde teria parado. Levantei-me olhando para o relógio na parede de meu quarto. Já era cerca de 8h da noite, meus pais chegariam a qualquer momento, do trabalho. Fui em direção do banheiro lavando meu rosto para espantar o sono, que queria se apoderar de mim. Desci as escadas indo para a cozinha, a procura de algo para comer, sendo que só havia lasanha pronta. Peguei a de sabor bolonhesa, colocando-o no micro-ondas já determinando seu tempo de preparo. Enquanto esquentava a lasanha, preparei um suco de uva, que é meu favorito, e logo procurei por algum programa de televisão que pudesse ser de meu interesse. Vasculhei os canais, mas nada me chamara atenção, resolvi botar um filme. Fui até a estante de DVDs que havia na sala, procurando por uma comédia, sendo escolhido ‘’O Grande Dave’’ botei o DVD no aparelho, logo dando pause para poder pegar a lasanha que já estava pronta.

Com a lasanha em mãos, debaixo de um pano para que eu não me queimasse, o suco de uva na mesa ao lado e o filme já pronto, fiz o meu desjejum. Não demorou para a porta ser aberta, mostrando meus pais, que pareciam cansados do dia que tiveram. Eles apenas me deram boa noite, e subiram para seus quartos. Continuei a comer, quando minha mãe descera, indo para cozinhar preparar o jantar dos dois.

- Como foi a escola hoje, meu filho? – Perguntou minha mãe, enquanto escolhia qual sabor de ramyun fazer.

- Normal mãe, não teve muita coisa diferente.

- Hum, bom logo após o jantar vá dormir, e não se esquece de escovar os dentes.

- Sim, mamãe.

Todas as noites minha mãe falava o mesmo, ‘’vá escovar os dentes meu filho’’, o que me faz sentir uma criança, mas no lado bom, pois assim mostra que se importa comigo. Já meu pai não, sempre que vem falar comigo é algo do tipo, ‘’Se quer ter suas próprias regras, compre sua casa, enquanto morar em meu teto e comer de minha comida, me obedecerá. ’’ Ele nunca disse que me ama, nem nada do tipo, mas entendo que ele é tímido e seu orgulho é grande, pois eu puxara isso dele.

Terminei de comer, lavei o que havia sujado, desliguei o aparelho DVD, e subi as escadas sentindo o cansaço pesar em minhas pernas e ombros. Cheguei em meu quarto, peguei meu pijama, e logo fui ao banheiro. Liguei o chuveiro sentindo aquela água quente descer pelo meu corpo, levando embora toda a minha exaustão. Parara para pensar em que momento eu havia usado de minhas energias, para me sentir tão cansado, mas nada viera em minha mente. Dei de ombros a tais pensamentos, apenas tendo em mente, o quão bom seria eu sentir minha cama e dormir confortavelmente.

Desliguei o chuveiro, pegando a toalha enxugando meu corpo, logo vestindo meu pijama. Sai do banheiro estendendo a toalha na cadeira, e a roupa suja no cesto, dobrei meu uniforme, colocando-o em cima da cômoda do notebook. Apaguei as luzes, deitei em minha cama, sentindo a maciez do colchão e do travesseiro, misturado com o calor gostoso das cobertas. Assim pude fechar meus olhos, tendo como ultima imaginação, o garoto acobreado dançando na sala de dança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário