{Baby You Are...} Capitulo 8 - Encontro


[::P.O.V. REYOWOOK::]

Estava ansioso. Era sábado e todos estavam de folga. Sungmin foi conhecer a familiar de Kyuhyun, Hyukjae não tirou folga do estágio, ficando ao lado de Donghae, e eu estou aqui me olhando pela décima vez no espelho, esperando encontrar alguma roupa que me deixe satisfeito e bonito para o encontro com Yesung.

Conhecia-o á anos, mas nunca tivemos um encontro, sendo que já se fazia cerca de um mês que estávamos juntos. Apesar de nos vermos quase todo dia, nunca tiramos um dia para nos descontrair, dar risadas e aproveitar a presença um do outro. Ele sabia disso, e deve ser por isso que me convidou ontem. Seu olhar enquanto fazia o pedido era de pura excitação, estava ansioso para hoje, e essa anciosidade passou para mim.

Já era a décima quinta roupa que provara e não gostara, queria uma que ficasse confortável, mas ao mesmo tempo bonito e elegante, pois iríamos á vários lugares hoje. Olhei para meu guarda roupa que agora estava uma bagunça. Avistei uma camisa tamanho GG branca com alguns desenhos na frente, e uma calça skinny preta. Calcei meu all star preto com azul, pronto finalmente uma roupa descente.

Passei perfume bem doce e suave, não gostava de exageros, e me pus a esperar. Sentei-me no sofá, assistindo televisão, que passava algum desenho animado. Estava tão aturdido na TV, que não vi o tempo passar, e logo a Campânia tocar.

Levantei-me rapidamente, ficando na ponta dos pés para alcançar o olho mágico, vendo Yesung com uma roupa normal, calça jeans clara e camiseta branca, com um sorriso no rosto, não pude deixar de sorrir também, não me demorei e abri a porta, sentindo o vento trazer para mim o doce perfume de Yesung.

- Está pronto?

- Sim, aonde vamos primeiro?

- Como já é 12h vamos almoçar.

Tranquei a minha casa, e logo seguimos a pé mesmo, ao restaurante. O tal lugar era perto do shopping, não era muito ruim, mas também não era chique toso, era normal. Entramos no estabelecimento, sentando em uma mesa para dois. Logo o garçom trouxe um cardápio, me pus a olhar o garçom, ele era jovem, cabelos curtos e negros que batiam em seu ombro, seus lábios eram carnudos e olhos grandes. Em seu peito tinha um crachá que dizia seu nome e sua posição em tal restaurante. Heechul. Nome bonito. Voltei a olhar o cardápio vendo que estávamos em um restaurante de comida italiana.

Yesung pediu um spaghetti com molho á bolonhesa, e eu pedi o mesmo, já que não conhecia muito da comida. O garoto deu um sorriso perguntando-nos o que queríamos beber. Como eu não ingeria álcool, pedi um suco de uva, e Yesung um suco de limão.

Ficamos conversando, o assunto em si não era interessante, mas por querer ouvir a voz um do outro, queríamos manter a conversa a toco finco. Não demorou muito e logo a comida chegou acompanhada das bebidas. Aquilo era bom sinal, normalmente traziam a bebida e vinte minutos depois a comida, mas aqui os dois vinham acompanhados.

Peguei um garfo e a colher, imitando o que Yesung fazia, experimentando do fio de massa com molho, pude ir ás nuvens e voltar. Como era gostosa aquela comida, sério mesmo, como podiam fazer aquilo tão bem? Não pude resistir, queria provar mais daquela comida gostosa, aos olhos de Yesung eu deveria ser um esfomeado, pois comia sem respirar.

Yesung pagou a conta me levando até o shopping. Andamos algumas lojas vendo as camisas de casais, mas ver aquilo me deixava com vergonha, pois nunca usara tal roupa. Yesung ria de mim, não pude deixar de notar seu belo sorriso, como era lindo. Apesar de seu cabelo negro e seu olhar frio, o seu coração era tão quente, tão macio, tão reluzente, que me deixava hipnotizado. 

Depois de passar por algumas lojas, fomo até a fila do cinema. Yesung não fazia ideia de que tipo de filme eu gostava, isso eu tinha certeza, se não ele não pediria para que eu escolhesse. Yesung sempre foi quem tomava iniciativa, quando ele Donghae e Sungmin saiam para fazer suas noites de rapazes, ele sempre escolhia o filme, por cause de Donghae e Sungmin que sempre discutiam qual filme assistir, sei disso por que sempre o seguia, quando estava entediado.

Naquela época poderia parecer estranho eu seguir Yesung só por estar entediado, mas naquela época era diferente, desde a primeira vez que o vira saindo daquele carro, quando estávamos no ensino médio, me apaixonara por ele, mas não fazia ideia de como controlar minha necessidade de vê-lo, então eu saia escondido de meus pais, e seguia ele, já que tinha todos os seus horários de aulas e cursos. 

Optei por um filme de ação com romance, Athena. Pegamos os ingressos vendo que o filme começaria em cinco minutos. Compramos alguns chocolates, que eu fizera questão de pagar, mas Yesung não deixou. Demos os ingressos à lanterninha, que estava de recepcionista, ri com a situação, o lanterninha além de cuidar dos bagunceiros tinha que pegar os ingressos. Entramos na sala de cinema, que não estava cheio, estava vazio até. Sentamos nas ultimas cadeiras, da fileira onde tinha apenas dois assentos. Ninguém olharia para nós, nem saber o que fazíamos ali. 

O filme começou, e tenho que dizer foi interessante, mas fiquei pensando se Yesung daria uma de pervertido na sala, o que não ocorreu. Muito bem pelo contrário, Yesung prestara atenção totalmente no filme, e isso me deixou aliviado, pois não estava pronto para admitir nosso relacionamento em publico.

O filme tinha explosões, traições, amor, lágrimas, o que deixara meu coração feliz, por em sentir tão sortudo de ter apenas o amor, o resto não seria nada legal, tirando as lágrimas, pois eu me lembro de bem das centenas de vezes em que chorei por causa dele, mas nada que me faça sorrir hoje, por saber que apesar de ter chorado por ele, valeu a pena, pois meu maior desejo se tornou realidade.

Assim que o filme terminou, fomos em direção á um parque de diversões que tinha por perto. Ele tinha planejado tudo? Como poderia ser tão perfeito? Já era três e cinquenta da tarde, e ele ainda tinha planos para o jantar. Pagamos a entrada no porque, e logo fiquei de boca aberta por ver a grande quantidade de brinquedos que tinha naquele lugar.

- Aonde você quer ir primeiro?

- Montanha russa. – respondi quase dando pulinhos.

Nunca tinha ido a um parque de diversões, pois meus pais tinham medo de que eu me perdesse, mas minha mãe dizia-me que era apenas para que eu fosse com quem realmente amasse que no caso é Yesung. Então durante todos esses anos, fiquei imaginando como seria andar na montanha russa, olhar os vídeos na internet me deixava com frio na barriga, mas agora que era verdade me deixava tão ansioso, que dava medo.

Yesung pagou novamente o ingresso do brinquedo, enquanto eu dava pulinhos de tçao ansioso. Ele apenas me olhava sorrindo, sei que Yesung se divertia comigo, isso eu tinha certeza. A fila ia diminuindo e nossa vez chegando. Quando me dei conta estava sentado ao lado de Yesung amarrado ao cinto de segurança. Foi feita a contagem regressiva e logo o carrinho começou a funcionar.

Cada curva era um grito, ficar de cabeça para baixo, sentir o vento bater em meu rosto, chegar a um topo e descer com tudo, nossa que sensação mais... Eletrizante. Mas como tudo que é bom dura pouco, tivemos que sair do brinquedo.

Logo depois fomos para o carrossel, sim eu tinha que andar naquela girafa. Dávamos voltas e riamos sempre com a expressão das outras pessoas. Tiramos fotos para guardar como um momento que eu queria pausar, olhar e aproveitar. Assim que saímos do carrossel, Yesung me comprou um pijama de girafinha. Corri ao banheiro para colocar o pijama, seria muito engraçado fazer com que Yesung passasse vergonha, mas como era de girafa, eu não iria aguentar muito tempo, até tirar a roupa no meio do parque. 

O brinquedo seguinte foi o carrinho bate bate. Não preciso dizer que ficamos nos batendo, por causa de uma aposta não é? Si fizemos uma aposta, quem perder teria que comprar um algodão doce. E adivinhe Yesung perdeu, pois é fiz de tudo para conseguir o doce. Assim que saímos ele me comprou um algodão doce laranja, para combinar com o pijama que usara. Muitas crianças corriam até mim para ver o pijama de perto, e isso me deixou feliz, pois adoro crianças. 

O ultimo brinquedo do dia foi a roda gigante. Ficamos um bom tempo na fila, e quando chegou a nossa vez, subimos ficando lá no topo, até que a roda para de girar. Ficamos no topo, olhando a bela vista da cidade banhado na cor do por do sol.

- Que vista linda não é Wookie?

- É sim, mas será que vai demorar muito para voltarmos lá em baixo? – perguntei olhando as pessoas caminharem no chão, que na minha visão pareciam um bando de formigas.

- Então serei breve.

Olhei para Yesung vendo que ele estava procurando algo no bolso. Fiquei olhando para ele curioso, pois tirara uma caixa das mãos. Assim que nossos olhos se encontraram me senti cômoda primeira em vira ele, perdido. Perdido em seu olhar, em seu sorriso, em tudo nele. Perdido por saber que ele é o motivo de meu coração bater rápido, de eu ficar ansioso para vê-lo.

- Nunca oficializamos isso, e farei agora. – Yesung abriu a caixinha mostrando um par de alianças de prata. – Kim Ryeowook, quer namorar comigo?

Coração batendo rápido, suor escorrendo pela testa, vontade imensa de chorar, era isso o que eu sentia.

- Sim.

Yesung abriu um sorriso, assim colocando uma das alianças em meu dedo anelar direito e pondo o dele em seu dedo. Depois nos abraçamos, pude sentir seu corpo quente no meu, seu coração batendo no mesmo ritmo que o meu. Seus lábios logo procuraram pelos meus, me dando um beijo quente, cheio de paixão.

- Eu te amo Wookie.

- Diz de novo.

- Eu te amo Ryeowook.

- Mais uma vez, gosto de ouvir isso.

- Eu te amo Kim Ryeowook.

- Eu também te amo, Yesung, com todo o meu ser eu te amo.

A roda gigante nos colocou no chão, nos fazendo sair para dar lugar á outras pessoas. Andamos de mãos dadas, sendo a minha mãe e a dele entrelaçadas dentro de seu bolso grande da jaqueta. Andamos até um restaurante que tinha por perto, já que o movimento ali não era grande. Sentamos-nos afastados dos outros, e fizemos nossos pedidos. Novamente conversávamos assuntos normais, que tinham ocorrido durante o dia.

Quando não tinha ninguém por perto Yesung aproveitava e roubava alguns beijos. Eu ria internamente coma situação, ele queria ser discreto, mas acho que a garçonete já sabia de nós, já que piscou para mim, como se quisesse dizer que não nos atrapalharíamos. Depois de jantarmos fiz questão de pagar o jantar.

- Não precisa Wookie.

- Eu insisto você pagou por tudo hoje, deixe-me pelo menos pagar o jantar.

- É o deixe pagar. – disse uma voz conhecida vinda atrás de nós.

- Omo, Kyuhyun, Sungmin o que fazem aqui?

- Meus pais me mandaram levar Sungmin para jantar fora, então eram vocês dois que estavam lá em cima.

- Como assim?

- A garçonete, colocou cordas nas escadas, não deixou nenhum cliente subir, seus danados.

- O que é isso em sua mão Wookie. – Disse Kyuhyun reparando na aliança, logo sorrindo para Yesung. – Então escolheu essa, falei que eu tinha um gosto bom.

- Cala a boca Kyuhyun. – Disse Yesung.

- Ah, Yesung pediu ajuda do Kyunnie para o encontro de vocês, hoje.

Fiquei boquiaberto, ele realmente não tinha jeito. Mas como seu sei que sou o primeiro namorado dele, então devo perdoá-lo, por não ter experiência. Olhei para Yesung, dando-lhe um beijo no rosto, segurando seu braço e me encostando a cabeça nele.

- Mesmo assim, eu amei o dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário